sábado, 8 de agosto de 2009

Ex-hétero existe. Ex-gay não pode existir. É o novo dogma do gayzismo.

Saudações queridos leitores!

Querido leitor, hoje eu me dirijo especialmente a você, que pratica o homossexualismo mas que deseja mudar seus hábitos. Me dirijo a você, que quer controlar seus impulsos homossexuais, que, apesar de viver sua homossexualidade, encontra-se infeliz dentro dela. Hoje, querido leitor homossexual, eu venho lhe dizer que você não pode desejar sair do homossexualismo.

Por mais que tal modo de vida o torne infeliz, por mais que você sinta-se compelido, seja por princípios morais ou religiosos ou pelo mero desejo de viver a heterossexualidade, você não pode ter tal desejo e muito menos buscar ajuda para controlar seus impulsos sexuais.

Pois a Associação Americana de Psicologia (APA), declarou que "profissionais de saúde mental não devem dizer a seus pacientes gays que eles podem se tornar heterossexuais por meio de terapia ou outra forma de tratamento". Para eles, os conflitos gerados pela orientação sexual e crençar devem ser encarados com escolhas múltiplas, desde a adoção do celibato até a troca de igreja. Agora, se uma pessoa quiser trocar a sexualidade, não pode. Mais informações aqui.

É a coisa mais torturante que já vi! Para eles, as pessoas podem passar da heterossexualidade para a homossexualidade tranquilamente, mas esse é um caminho sem volta. Pensam que enganos só podem ser cometidos de um lado. É leviano e estúpido, além de obviamente discriminatório pensar desse jeito. A mesma associação havia criticado as terapias de mudança de orientação no passado, mas um grupo de pesquisadores utilizou vários estudos, realizados desde os anos de 1960 para dar mais peso a essa posição.

O documento (disponível aqui em PDF em inglês, com 138 páginas), trata com detalhes de como terapeutas devem abordar os conflitos entre crenças religiosas que desaprovam o homossexualismo e o mesmo. Judith Glassgold, de New Jersey, diz que a esperança é de que o documento ajude a desarmar o debate polarizado entre religiosos conservadores que creem na possibilidade de mudar a orientação sexual e os muitos profissionais da área de saúde mental que rejeitam essa opção. "Os dois lados precisam se educar melhor”, disse a especialista. “Os psicoterapeutas religiosos precisam abrir seus olhos para os potenciais aspectos positivos de ser gay ou lésbica. Terapeutas não religiosos precisam reconhecer que algumas pessoas podem dar preferência a sua religião, em detrimento de sua sexualidade".

No Brasil, um caso emblemático de perseguição a terapeutas que visam ajudar homossexuais a viver sua sexualidade de maneira diferente é a perseguição da qual a Psicóloga Rosângela Alves Justino tem sofrido. Ela sofreu uma censura pública por oferecer tratamento para que gays e lésbicas deixassem de ser homossexuais voluntariamente. Em entrevista ao portal G1, ela declarou que se sente "amordaçada e impedida de ajudar as pessoas que, voluntariamente, desejam largar a atração por pessoas do mesmo sexo".

Em resumo, a vivência da sexualidade, que deveria ser algo livre para os homossexuais é uma imposição. Um hétero pode ser um gay enrustido (como eles falam), mas um gay, nunca pode ser um hétero enrustido. A falibilidade da heterossexualidade e a infalibilidade da homossexualidade são os novos dogmas dos gays.

Suponho que os gays achem que todo mundo é gay enrustido, sendo assim, logo eles exigirão a "conversão" ao gayzismo.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

5 comentários:

TheKarlaMaria disse...

Faltou ler Levítico 18:22-23 ou será que Deus mudou???...

Jonas disse...

muito bem falado. Os próprios gays querem liberdade de expressão e serem felizes. Pq os outros nao podem?

Filo disse...

Você só pode ser fake...

Anônimo disse...

Puta merda cara falou tudo!

Eu já passei por uma fase onde achei que era gay.. haha.. hoje é engraçado, mas na época foi torturante.. Acabei descobrindo que eram problemas psicologicos reais.. Eu sempre tive atração por mulheres e do nada de um dia pro outro comecei a achar que era gay... e quase levei isso a sério. No meu caso eu fui quase um Ex-gay.. haha..
As pessoas podem esquecer que as vezes a sexualidade tem muito a ver com outras questões mal resolvidas, e nem sempre o que vc acha q quer agora é o que vc realmente quer pra vc. Quem é gay nasce gay, quem é hetero nasce hetero e acabou. Mas as vezes ocorre no caminho questões mal resolvidas que podem fazer qualquer pessoa questionar sua escolha atual. Isso aconteceu comigo. e pelo bem até da minha sanidade voltei a ser feliz com minha mulher, como sempre fui.

Rafithas disse...

Eu sou um gay que não quer mais ser gay, eu sei, só posso recorrer a uma igreja para me ajudar, é chato isso pois quando você "assume" um lado, é uma verdadeira guerra para que você não os abandone, incrivel, quando você percebe o que realmente acontece com sua vida e quer mudar as pessoas parecem querer silenciar sua voz, mas logo me livrarei disto.