sábado, 19 de julho de 2008

Comovente pedido de perdão do Papa pelos abusos sexuais

Saudações queridos leitores!

Era notório que o Papa mencionaria os terríveis casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes na Austrália. Ao celebrar uma Missa na catedral de Santa Maria, o Papa disse: "Eu estou realmente muito triste pela dor e pelo sofrimento suportados pelas vítimas e lhes asseguro que, como seu Pastor, compartilho o seu sofrimento".

Algumas pessoas presentes durante a Missa deram seus relatos sobre o pedido de perdão. Lorena Portocarrero, de 25 anos, leiga consagrada que esteve na quinta fila na catedral de Santa Maria quando o Papa pronunciou estas palavras, garantiu à ZENIT que não resta a menor dúvida de que ele realmente se sentia mortificado por esses atos perpetrados por outras pessoas.

"Ele parecia realmente compungido e insistiu em que compreende a dor dessas pessoas", afirma Portocarrero, que faz parte da Comunidade Mariana da Reconciliação, em Sydney.

«Ele demonstrou muita humildade e falou de coração – disse. Eu me sentia feliz e triste ao mesmo tempo. Sinto-me contente porque o chefe da Igreja é capaz de pedir perdão às pessoas pelos abusos dos membros da Igreja, que causam dano a pessoas às quais deveriam servir.»

John Paul Escarlan, de 24 anos, estudante no seminário do Espírito Santo em Parramatta (Sydney), considera que as palavras do Papa "são uma forma de recordar que não podemos trair a confiança das pessoas às quais devemos servir".

"O que ele disse me comoveu – admite Escarlan. Ainda que o papa não tenha cometido esses abusos, para mim foi impressionante a humildade que ele nos manifestou." "O mais importante que se pode fazer é pedir perdão às vítimas que ficaram feridas por alguém da Igreja", conclui o seminarista.

Mais informações em ZENIT.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Ecumenismo deve ser fator agregador

Saudações queridos leitores!

Bento XVI tem uma característica que eu admiro em especial. Ele é capaz de anunciar as mais puras verdades da maneira mais simples e compreensível a qualquer público. Qualquer um que leia seus discursos percebe isso.

Durante a JMJ em Sydney o Papa alertou para os perigos que o exagero do ecumenismo pode trazer. O principal ponto destacado foi o de tornar a doutrina um ponto de divisão entre os cristãos. Todos sabemos que a Verdade é apenas uma, mas essa Verdade, quando anunciada de forma errada, mais espalha do que ajunta.

Sobre isso, disse o Papa: "Quanto mais assiduamente nos dedicarmos a alcançar uma percepção comum dos mistérios divinos, tanto mais eloquentemente hão-de as nossas obras de caridade falar da imensa bondade de Deus e do seu amor para com todos. Santo Agostinho exprimiu a recíproca ligação entre o dom do conhecimento e a virtude da caridade, quando escreveu que a mente retorna a Deus através do amor, e que onde se vê a caridade, vê-se a Trindade".

O Papa salientou que a Verdade deve vir sempre acompanhada do amor e que o diálogo entre as religiões cristãs deve-se dar em uma esfera em que elas possam enriquecer-se mutuamente.

Mais informações em ZENIT.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Chegada triunfal do Papa à JMJ

Saudações queridos leitores!

A chegada do Papa à JMJ não poderia ser mais triunfal. Lembrando os primeiros missionários que chegaram à Austrália, mas também lembrando a Pedro, o Santo Padre apareceu a bordo de um barco. O Santo Padre desembarcou no cais de Barangaroo para a cerimônia de boas-vindas com os jovens peregrinos. Quando viram o primeiro reflexo da frota de 13 barcos, ainda distantes, já se ouviam os cantos – "Benedetto" e "Viva il Papa" – de aproximadamente 500.000 jovens e moradores locais que lotavam o porto e as ruas de Sydney.

Durante sua mensagem de boas-vindas, o Papa Bento XVI alertou sobre o relativismo e disse que há "algo de sinistro» que nasce do fato de a liberdade e a tolerância serem muitas vezes separadas da verdade, alimentando a noção de que não existem verdades absolutas para guiar nossas vidas".

Outro ponto mencionado pelo Santo Padre foi o secularismo que cresce na Austrália. O Papa lembrou que ainda que o secularismo às vezes se apresente como neutro, imparcial e respeitador de todos, ele também impõe uma visão global que tende a separar a sociedade de Deus. O Papa alentou os milhares de jovens a levarem ao mundo a mensagem de que a liberdade é encontrada na verdade – obra do Espírito Santo – e fortalecida pelos sacramentos da Igreja.

Com informações de ZENIT.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Jogador da MLS deixa futebol para se tornar padre

Saudações queridos leitores!

Vocações surgem em todos os lugares. Fiquem com uma reportagem muito interessante do Terra (fonte aqui).

Jogador da MLS deixa futebol para se tornar padre

Rob Hughes

A transação da semana no futebol não foi uma transferência multimilionária envolvendo Ronaldinho ou Cristiano Ronaldo, mas a decisão de Chase Hilgenbrinck de trocar o New England Revs pela Igreja Católica.

Ele acaba de deixar o time para iniciar os seis anos de aprendizado que o farão padre. O salário dele no futebol, reportado como US$ 36 mil por temporada, não interessaria aos talentosos futebolistas brasileiros que ganham quantia semelhante por dia.

Mas, assim que a história de Hingelbrinck foi informada em um artigo da agência de notícias Associated Press, na última segunda-feira, rapidamente se tornou manchete, da América Latina à Ásia, da Europa ao Pacífico Sul. O zagueiro, 26 anos, de idade havia acabado de se transferir de volta ao futebol dos Estados Unidos, depois de quatro temporadas jogando no Chile, e anunciou sua decisão de trocar o futebol pelo estudo da teologia e da filosofia.

Ele foi aceito no Seminário de Mount St. Mary, em Emmitsburg, Maryland, com o objetivo de um dia se tornar o padre de sua paróquia de origem, no Illinois. A preparação requerida é um pouco mais longa que a do futebol, esporte no qual jogadores se transformam em astros ocasionalmente ainda muito jovens.

"Do ponto de vista do Revs, exclusivamente", disse Michael Burns, vice-presidente de pessoal do New England Revolution, "isso não é nada bom".

"Mas muitos jogadores terminam abandonando o esporte sem que isso aconteça por escolha própria. Hilgenbrinck o fez claramente de acordo com suas convicções, e isso com certeza é bom para ele", acrescentou.

Hilgenbrinck afirma que não está desiludido com o futebol, mas que esperar o final natural de sua carreira antes de se dedicar ao sacerdócio já não era mais viável. "Podem confiar", ele disse à AP. "Eu pensei nisso. Continuo muito apaixonado pelo esporte, e não o deixaria por nenhum outro emprego. Mas estou trocando o futebol pelo Senhor".

A Igreja e o futebol não são antagônicos. O Papa João Paulo II jogou como goleiro em sua Polônia natal, e continuou a acompanhar o esporte pelo resto da vida. O Vaticano tem uma equipe amadora, que joga de amarelo e branco, e o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado da Igreja, é torcedor dedicado da Juventus e entusiasta do futebol entre os jovens religiosos.

De fato, os Estados Unidos foram um dos 50 países que enviaram 311 jogadores à Copa Clericus, o torneio interno de futebol da Igreja Católica, disputado na Itália no ano passado. O futebol chega a toda parte, como eu mesmo testemunhei ao ser convencido a participar de uma disputada partida improvisada com monges budistas sul-coreanos na ilha de Jeju, antes da Copa do Mundo de 2002.

Devo confessar que jamais havia ouvido falar de Hingelbrinck antes de surgir a notícia de que ele trocaria o futebol pela Igreja, na última segunda-feira. Mas visitando sites e lendo entrevistas que ele concedeu, a impressão que surge é a de um jovem decente e determinado a seguir o caminho que lhe permita viver de acordo com seus princípios.

Criado em uma família católica devota, em Bloomington, Illinois, ele se transferiu como profissional ao Chile depois de defender a Universidade Clemson e não ser selecionado por nenhuma equipe profissional da Major League Soccer, a liga profissional de futebol dos Estados Unidos, em 2004. Um técnico chileno, Claudio Aureas, abriu as portas para que Hingelbrinck tentasse a sorte no futebol e em meio a outra cultura, a 16 mil quilômetros de sua terra.

Depois de passar por um período de testes no Huachipato e de ser emprestado a uma equipe da segunda divisão chilena, o Naval, ele se deixou atrair pelas igrejas católicas do país. Para ele, parecia tão natural quanto comparecer às aulas dominicais de catecismo na igreja da Santíssima Trindade, em sua infância. Por fim, ele encontrou vaga no Nublense, time que Hingelbrinck ajudou a levar à primeira divisão do futebol chileno. Ele rejeitou propostas que o levariam a times sediados mais perto da capital do país, Santiago, porque se sentia confortável no Nublense e bem integrado ao time.

Em sua temporada final, jogando como lateral esquerdo e ocasionalmente como meia, devido às necessidades do time, ele fez 10 assistências e marcou três gols. Voltou a Illinois em dezembro, à espera de uma vaga na Major League Soccer.

"No Chile, o futebol é bastante técnico", ele disse. "Aqui, os jogadores são maiores, mais rápidos e mais fortes. É mais tático, como na tradição européia". Sua primeira oportunidade de adaptação surgiu no Colorado Rapids, cujo técnico o contratou como lateral esquerdo titular. Mas em uma semana a equipe contratou dois outros jogadores para a posição e Hingelbrinck se tornou, em suas palavras, "o reserva do reserva". Terminou dispensado pelo Colorado quando o clube teve de cortar seus gastos a fim de poder pagar a Christian Gomez, o armador argentino da equipe, o salário anual de US$ 400 mil que ele merece.

"Infelizmente, é assim que os contratos da MLS funcionam", disse Hilgenbrinck ao American Soccer News. "Eles podem dispensar você quando quiserem". Mas ele acrescentou que a decisão, em retrospecto, tinha um significado maior do que era aparente em abril: "Acredito firmemente que Deus nos coloca no lugar em que devemos estar".

Ele em breve foi contratado pelo New England. O técnico do Revolution, Steve Nichol, fala com o mesmo vigor que usava como zagueiro da equipe inglesa Aston Villa. "Ele é um técnico rigoroso", disse Hingelbrinck, em entrevista à American Soccer News. "Mas gosto disso".

O relacionamento entre eles foi curto, mas não há queixas, da parte do jogador. Ele conseguiu um contrato apenas alguns dias depois de passar pelos testes. Logo encontrou lugar no banco, e chegou a jogar quatro partidas pelo New England na MLS, duas delas a distância suficiente do Illinois para que seus pais pudessem vê-lo em campo.

Ele estava o tempo todo se preparando para outro time. "Houve um momento, ele diz, "em que achei que minha vocação talvez fosse o futebol profissional. Mas descobri que minha alma anseia por outra coisa".

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Muçulmanos dão boas-vindas ao Papa em Sydney

Saudações queridos leitores!

A comunidade muçulmana de Sydney dá um exemplo a todo o mundo. Em um ato de benevolência e demonstração do verdadeiro diálogo inter-religioso, a Federação Australiana do Conselho Islâmico manifestou que estará rezando pela paz e harmonia entre todas as pessoas de boa vontade durante a JMJ. Além disso, a comunidade muçulmana deu as boas-vindas ao Santo Padre e a todos os peregrinos na Austrália.

Ikebal Patel, presidente da Federação Australiana do Conselho Islâmico também ofereceu as instalações da Escola Islâmica Malek Fahd para abrigar cerca de 350 peregrinos durante a Jornada. Os peregrinos serão servidos por alunos de escolas muçulmanas e terão a oportunidade de participar de um evento inter-religioso nas instalações da escola.

O Padre Mark Podesta, porta-voz da JMJ, disse que o envolvimento das escolas islâmicas "é uma oportunidade de mostrar para o restante do mundo que as pessoas de diferentes culturas e diferentes crenças podem viver juntas em paz, boa vontade e harmonia".

Com informações de ZENIT.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Cardeal Pell dá início à JMJ 2008

Saudações queridos leitores!

Hoje é um dia histórico para a Austrália. O Cardeal Arcebispo de Sydney, George Pell inicia oficialmente a JMJ 2008. Mas logo antes do início, os jovens tiveram uma surpresa. Eles receberam uma mensagem SMS de ninguém menos que Bento XVI. A mensagem do Papa dizia: "Jovens amigos, Deus e seu povo esperam muito de vocês, porque vocês têm o dom supremo do Pai: o Espírito de Jesus - BXVI".

O cerimônia teve início com uma procissão onde entrou a cruz ícone da Jornada e as bandeiras de 168 países presentes. O Cardeal Pell estava acompanhado de 26 cardeais, cerca de 400 bispos, um coro de 300 jovens e uma orquestra de 80 músicos. Segundo o Cardeal, essa foi a maior Missa que ele já celebrou.

Em sua homilia, Cardeal Pell buscou levar alento não só aos que estão firmes na fé, mas também a todos que se encontram perdidos, em desespero ou esgotados. "O chamado de Cristo é para todos os que sofrem, não só para os católicos ou pessoas de outras religiões, mas especialmente para os que não pertencem a nenhuma religião.", disse o Cardeal diante de uma multidão de jovens.

Ao comentar a segunda leitura do dia, que foi a Carta de São Paulo aos Gálatas, o Cardeal Pell conclamou os jovens a agir, exortando-os "a não ficarem sentados detrás da barreira, a deixar suas opções abertas, pois só o compromisso traz a realização".

Ser discípulo de Jesus exige disciplina, acrescentou, reconhecendo que ainda que "o autocontrole não o tornará perfeito – pelo menos não é meu caso –, é necessário para desenvolver e proteger o amor em nossos corações e para prevenir que outras pessoas, em especial nossa família e amigos, fiquem feridas por nossas quedas na sujeira e na acídia".

Com informações de ZENIT.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Sinos marcam o início da JMJ

Saudações queridos leitores!

Quinhentos dias atrás, Sydney havia iniciado sua contagem regressiva para o início da JMJ. Hoje foi o dia. E o anúncio da chamada "Hora Zero" da JMJ foi marcado pelos dobrar dos sinos da Catedral de Saint Mary, em Sydney, onde milhares de jovens se reuniram para acompanhar o final da contagem.

Os jovens peregrinos deram início a seis dias de intensa atividade na tarde desta terça-feira com uma missa de inauguração no porto de Baranaroo, presidida pelo Cardeal George Pell, arcebispo de Sydney, com a participação de mais de 140 mil pessoas. Comento a Missa do Cardeal Pell no próximo texto.

Com informações de ZENIT.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Romaria de Aparecidinha, em Sorocaba, bate recorde de fiéis

Saudações queridos leitores!

O que há de comum com o sucesso da festa de Aparecidinha em Sorocaba, com as Missas no Mosteiro de São Bento de São Paulo que estão sempre lotadas e com o sucesso de vendas do CD dos monges de Stift Heiligenkreuz de Viena?

Tudo isso supre um vácuo de espiritualidade do povo que tem sido criado pelo laicismo agressivo que domina nosso ambiente atualmente. Fiquem com reportagem do Estadão (fonte aqui), volto depois.

Romaria de Aparecidinha, em Sorocaba, reúne 90 mil fiéis

Em marcha, romeiros levaram a imagem de Nossa Senhora Aparecida do centro da cidade até santuário

SOROCABA - Um número recorde de fiéis - cerca de 90 mil pessoas, segundo a Polícia Militar - participou na manhã deste domingo, 13, a tradicional Romaria de Aparecidinha, em Sorocaba. Numa marcha de 15 quilômetros, os romeiros levaram a imagem de Nossa Senhora Aparecida desde a Catedral, no centro de Sorocaba, até o santuário do bairro de Aparecidinha.

A tradição se repete sem interrupção há 109 anos, mas há registros da romaria a partir de 1852. A festa religiosa teve início às 5 horas na praça central de Sorocaba, com uma missa campal à frente da Catedral, celebrada pelo bispo dom Eduardo Benes Sales Rodrigues. Em seguida, a santa foi levada num andor pelas ruas do centro, até a Santa Casa, onde houve a bênção dos enfermos. Na passagem pela rua XV de Novembro, fiéis fizeram a "chuva" de papel picado.

Muita gente saiu à janela de casas e prédios para venerar a santa. De acordo com o padre José Antonio Leite de Oliveira, pároco do santuário, 80% dos caminhantes eram jovens, mas havia pessoas de todas as idades, como Ester Sakae, de 80 anos, que já perdeu a conta de quantas vezes fez a caminhada. "Vou continuar enquanto a santinha me der forças", disse, referindo-se à Nossa Senhora Aparecida. A cozinheira Lucilene Paulino Reis, de 51 anos, reuniu toda a família e vizinhos. "Tivemos de fretar um ônibus e uma van para transportar as 65 pessoas até a Catedral", contou. Há 27 anos o grupo se junta aos romeiros, entre eles a mãe da cozinheira, Eurípia Antonia Paulino, de 76 anos.

Muitas crianças foram vestidas de anjos para pagar promessas. Adultos levavam cruzes e alguns fizeram o trecho final de joelhos. A família do metalúrgico Fabiano Dias Rodrigues, que ficou entre a vida e a morte depois de ter sido brutalmente espancado por 8 jovens na saída de uma boate, levou uma faixa agradecendo sua recuperação. A imagem de Nossa Senhora Aparecida permanece no santuário até o dia 1º de janeiro, quando em nova romaria será levada de volta à Catedral, conforme a tradição.

Nossa Senhora Aparecida, rogai por nós!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

domingo, 13 de julho de 2008

"Bispo" homossexual é excluído de conferência anglicana

Saudações queridos leitores!

E a controvérsia anglicana continua...

Gene Robinson, o primeiro "bispo" anglicano assumidamente homossexual, ordenado nos Estados Unidos foi excluído de uma importante conferência episcopal da Comunidade Anglicana.

Mas dessa vez a sua exclusão não se deveu a sua orientação sexual, mas sim ao fato de que ele simplesmente não foi sequer convidado para tal conferência. A chamada Conferência de Lambeth reúne em Cantebury a cada dez anos todos os bispos anglicanos.

Sua exclusão só evidencia o abismo que separa os anglicanos ditos liberais e os tradicionais, visto que Gene Robinson foi preterido na conferência para não inflamar ainda mais as centenas de religiosos mais tradicionais que se distanciam cada vez mais de Cantebury. Logo logo esse abismo será intranponível e Rowan Williams, o arcebispo de Cantebury vai ficar sem rebanho.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Bento XVI antecipa parte de sua pauta na Austrália

Saudações queridos leitores!

Um assunto que ainda vai perseguir a Igreja Católica por algum tempo, mesmo que ela não tenha culpa pelos desvios de alguns de seus filhos, são os casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes ao redor do mundo. Os fatores que levaram a tal prática odiosa são muito complexos e não quero dissertar sobre isso agora. O que informo é que Bento XVI falou sobre isso no avião durante a viagem de Roma até a Austrália em ocasião da JMJ.

O Santo Padre já pediu perdão pelos abusos cometidos nos Estados Unidos e acredito que dará uma similar demonstração de humildade durante sua viagem à Austrália. O Papa disse, que é essencial que a Igreja veja "sua culpabilidade, se reconcilie, e previna" este tipo de abusos. Bento XVI afirmou que dirá aos australianos o mesmo que foi dito nos Estados Unidos e explicou que o trabalho do sacerdote é um "trabalho santo", incompatível com este tipo de comportamento. Além disso, o Papa reconheceu que existe uma crise da fé no Ocidente, ao assinalar que a falta de religiosidade na Austrália se deve ao fato de este país ser "histórica e politicamente ocidental, o que o leva a compartilhar tanto seus sucessos técnicos e econômicos como os mesmos problemas". Entre esses problemas, destaco o laicismo agressivo que assola a Europa.

Ainda falando sobre a crise religiosa, o Papa lembrou que ela "acontece porque as pessoas pensam que não precisam de Deus, que podem cuidar de si mesmas, que não necessitam de Deus para ser feliz, nem para criar o nosso mundo". No entanto, o pontífice se mostrou otimista ao afirmar que "Deus está no coração do ser humano, por isso Deus jamais poderá desaparecer".

Bento XVI descansará por quatro noites em uma residência do Opus Dei na localidade de Kenthurst, nos arredores de Sydney. Seu primeiro compromisso oficial acontecerá na quinta-feira, quando será recebido pelas autoridades australianas e se juntará à Jornada Mundial da Juventude.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Evangelho de Domingo - 15° Domingo do Tempo Comum

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários de Santa Teresa de Ávila.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus.

Evangelho (Mt 13, 1-23 (15º Domingo do Tempo Comum))

1Naquele dia, saiu Jesus de casa e sentou-Se à beira-mar. 2Juntou-se logo à Sua roda tão grande multidão, que Ele, subindo para uma barca, lá Se assentou, enquanto toda a multidão ficava ao longo da praia. 3Expôs-lhes então muitas coisas em parábolas, dizendo: Olhai: saiu o semeador a semear; 4e, ao semear, umas sementes caíram ao longo do caminho, e vieram os pássaros e comeram-nas. 5Outras caíram em terreno pedregoso, onde não tinham muita terra e brotaram logo, porque a terra era pouco funda; 6mas, quando veio o sol, ficaram queimadas e, como não tinham raízes, secaram. 7Outras ainda caíram sobre os espinhos, e cresceram os espinhos e afogaram-nas. 8Outras enfim caíram em terra boa e deram fruto, umas cem, outras sessenta e outras trinta. 9Quem tem ouvidos, oiça.
10Aproximaram-se os discípulos e disseram-Lhe: Porque lhes falas em parábolas? 11Ele respondeu-lhes, dizendo: Porque a vós foi dado conhecer os mistérios do Reino dos Céus; àqueles, porém, não lhes foi dado. 12Pois ao que tem, dar-se-lhe-á e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. 13Por isso, lhes falo em parábolas, porque, vendo, não vêem e, ouvindo, não ouvem nem compreendem. 14E cumpre-se neles a profecia de Isaías, a qual diz:
"Ouvireis com os ouvidos e não entendereis,
e olhareis com os olhos e não vereis.
15Porque se embotou o coração deste povo:
e tornaram duros os ouvidos,
e fecharam os olhos,
não seja caso que vejam com os olhos,
e oiçam com os ouvidos,
e entendam com o coração,
e se convertam, e Eu os sare."

16Ditosos, porém, os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem. 17Porque, em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que estais a ver e não viram, e ouvir o que estais a ouvir e não ouviram.
18Vós, pois, ouvi a parábola do semeador. 19Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a entende: vem o Maligno e arrebata a semente lançada no seu coração. Este é a semente que foi semeada ao longo do caminho. 20A que foi semeada em terreno pedregoso, essa é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria. 21Mas não tem raiz em si mesmo, senão que é volúvel e, apenas sobrevém alguma tribulação ou perseguição, por causa da palavra, logo se escandaliza. 22E a que foi semeada entre os espinhos essa é aquele que ouve a palavra, mas os cuidados do século e a fascinação das riquezas sufocam-na, e não produz fruto. 23E a que foi semeada em terra boa, essa é aquele que ouve a palavra e a entende: o qual, por isso mesmo, dá fruto produzindo, ora cem, ora sessenta, ora trinta.

Palavra da Salvação.

Comentário ao Evangelho do dia feito por:

Santa Teresa de Ávila (1515-1582), carmelita, Doutora da Igreja
Exclamações, nº 8

«Os cuidados deste mundo e a sedução da riqueza sufocam a palavra» Senhor, meu Deus, as Tuas palavras são palavras de vida, onde todos os mortais encontram aquilo que desejam, desde que aceitem procurá-lo. Mas será de espantar, meu Deus, que esqueçamos as Tuas palavras, tomados como somos pela loucura e a languidez que são consequência das nossas más acções? Oh meu Deus [...], autor de toda a criação, o que seria esta criação se Tu quisesse, Senhor, criar ainda mais? Tu és omnipotente, as Tuas obras são incompreensíveis. Faz, Senhor, com que as Tuas palavras nunca se afastem do meu pensamento.

Tu disseste: «Vinde a Mim todos os que estais cansados e oprimidos e Eu vos aliviarei» (Mt 11, 28). Que mais queremos nós, Senhor? Que mais pedimos? Que mais procuramos? Por que será que as gentes do mundo se perdem, a não ser porque andam em busca da felicidade? Oh meu Deus [...], que cegueira tão profunda! Procuramos a felicidade onde é impossível encontrá-la.

Oh Criador, tem piedade das Tuas criaturas! Repara que, sozinhos, não compreendemos, não sabemos aquilo que desejamos, escapa-nos aquilo que pedimos. Dá-nos luz, Senhor! Vê que temos mais necessidade dela do que o cego de nascença. Ele desejava ver a luz e não era capaz, e agora, Senhor, as pessoas recusam-se a ver. Haverá mal mais incurável do que esse? Será aqui, meu Deus, que ressoará o Teu poder, aqui que brilhará a Tua misericórdia. [...] Peço-Te que me concedas amar aqueles que não Te amam, abrir a porta àqueles que não batem, dar a saúde àqueles que gostam de estar doentes. [...] Tu disseste, Mestre meu, que tinhas vindo para os pecadores (Mt 9, 13); ei-los, Senhor! E tu, meu Deus, esquece a nossa cegueira, considera apenas o sangue que o Teu Filho derramou por nós. Que a Tua misericórdia resplandeça no seio de semelhante infelicidade; lembra-Te, Senhor, de que somos obra Tua e salva-nos pela Tua bondade, pela Tua misericórdia.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.