sábado, 28 de junho de 2008

A Fé de Petry, o Cristofóbico

Saudações queridos leitores!

André Petry odeia a Igreja Católica. Ele odeia todas as formas de fé, exceto o seu agnosticismo. Mas seu ódio contra a Igreja Católica é maior. E ele faz desse ódio sua bandeira. Em seu mais recente artigo para Veja, mais uma vez ele nos dá uma demonstração de como se destilar ódio irracional. Fiquem com ele em vermelho e eu em preto.

Em 1946, quando os negros reivindicaram a inclusão de alguns direitos na Constituição, foi um salseiro. Foram acusados de antidemocráticos e racistas por congressistas e estudantes da UNE. Em 1988, a Constituição promoveu o racismo de contravenção a crime. Ninguém chiou. Na década de 50, quando se discutia o divórcio, teve cardeal dizendo que se devia pegar em armas para combater a proposta. Em 1977, o Congresso aprovou o divórcio. Não houve tiroteio, e a igreja do cardeal nunca mais tocou no assunto. Recordar é viver.

Ah sim, claro. Ele coloca no mesmo saco racistas, partidários do divórcio e defensores da liberdade religiosa. O parágrafo acima é pura retórica fajuta. Com a astúcia de uma cobra, ele omite a posição da Igreja sobre a declaração do Cardeal de que os Católicos deviam pegar em armas para evitar a aprovação do divórcio. É claro, se ele coloca que a Igreja rejeita tal posição, perde o crédito. Então, dá uma de cretino e ignora isso.

Agora, os evangélicos estão anunciando o apocalipse caso o Senado faça o que a Câmara já fez: aprovar lei punindo a homofobia com prisão. A lei em vigor pune a discriminação por raça, cor, etnia, religião e procedência nacional. A nova acrescenta a punição por discriminação contra homossexuais. Cerca de 1 000 evangélicos tentaram invadir o Senado em protesto. Dizem que a criminalização da homofobia levará à prisão em massa de pastores e padres, e viveremos todos sob o domínio gay. A história ensina que, cedo ou tarde, a lei, ou outra qualquer com objetivo similar, será aprovada, e a vida seguirá seu curso regular sem nada de extraordinário.

Que os protestantes foram afoitos e agiram mal em tentar invadir o Congresso, vá lá. Apesar de que eu não vi o Petry condenar os Sem-Terra que tentaram fazer algo similar. Agora que a lei, interpretada literalmente abre um precedente perigosíssimo para qualquer pessoa que se manifeste publicamente contra o homossexualismo é fato. Basta ler o texto do projeto de lei. Não sei que curso regular André Petry vê no mundo hoje em dia. Se vivemos uma crise de moral, decréscimo populacional e epidemias (falo em relação ao mundo todo), boa parte desses fatos podem ser atribuídos às tais políticas contrárias à moral conhecida que ganham cada vez mais espaço em nosso mundo.

Os evangélicos e aliados dizem que proibir a discriminação contra gays fere a liberdade de expressão e religião. Dizem que padres e pastores, na prática de sua crença, não poderão mais criticar a homossexualidade como pecado infecto e, se o fizerem, vão parar no xadrez. É uma interpretação tão grosseira da lei que é difícil crer que seja de boa-fé.

Fácil vai ser acharmos gente com má-fé para usar tais interpretações. Se alguém chamar um heterossexual de “veado”, pratica homofobia ou não? E se o sujeito for gay? E se um homossexual se sentir ofendido por um padre que evoque a história de Sodoma e Gomorra, esse homossexual poderá processr o padre (Art. 8°)? E se dois homossexuais derem um beijo dentro de uma Igreja? As pessoas que pedirem para que eles parem estarão sujeitas a prisão (Art. 7°)? O reitor de um seminário que não admitir o ingresso de um aluno homossexual será punido com 3 a 5 anos de reclusão (Art. 5°)?

Tal como está, a lei não proíbe a crítica. Proíbe a discriminação. Não pune a opinião. Pune a manifestação do preconceito. Uma coisa é ser contra o casamento gay, por razões de qualquer natureza. Outra coisa é humilhar os gays, apontá-los como filhos do demônio, doentes ou tarados. É tão reacionário quanto uma Ku Klux Klan alegar que a proibição da segregação racial fere sua liberdade de expressão. Querem a liberdade de usar a tecnologia Holerite de cartões perfurados pela IBM?

André Petry adora misturar alhos com bugalhos para tentar ter razão. Nesse caso, ele usa a compraração com a Ku Klux Klan, que é sabidamente descabida. Quem está defendendo segregação racial? Se o projeto de lei for aprovado, aí sim haverá segregação, mas as vítimas serão todos aqueles que manifestarem opiniões contrárias ao homossexualismo. Todas as pessoas terão que se policiar de maneira neurótica, pois qualquer palavra saída de suas bocas pode ser mal interpretada e levá-los para a cadeia.

Alegam que a liberdade religiosa fica limitada porque combater o pecado vira crime. É um duplo equívoco. O primeiro é achar que uma doutrina de crença em forças sobrenaturais autoriza o fiel a discriminar o herege. O segundo é atribuir à lei valor moral. O direito penal não é instrumento para infundir virtudes. É um meio para garantir o convívio minimamente pacífico em sociedade. Matar é crime não porque seja imoral, mas porque a sociedade entendeu que a vida deve ser preservada. Dúvidas? Recorram ao Supremo Tribunal Federal. Na democracia, é assim. Lei não é bíblia de moralidade.

Petry revela nesse parágrafo sua terrível moral. Ao admitir que o homicídio não é condenado por ser imoral, mas sim por um entendimento da sociedade de que a vida deve ser preservada, ele abre as portas para que nos tornemos bárbaros. E se a sociedade mudar seu entendimento e resolver que o assassinato é aceitável? Existe aquele ditado que diz que a voz do povo é a voz de Deus. Sempre que alguém me diz isso eu pergunto: então foi a voz de Deus que libertou Barrabás? Usar critérios supostamente democráticos para tratar de assuntos relacionados à moral não é uma boa idéia. O raciocínio de André Petry legitima o nazismo, o comunismo e quaisquer comportamentos, por mais bizarros que sejam, desde que a sociedade aprove.

O que essa proposta pretende dar aos gays, e sabe-se lá se terá alguma eficácia, é aquilo a que todo ser humano tem direito: respeito à sua integridade física e moral. Os evangélicos, pelo menos os que foram a Brasília, dão prova de desconhecer que seres humanos não diferem de coisas só porque são um fim em si mesmos. Os seres humanos diferem das coisas porque, além de tudo, têm dignidade. As coisas têm preço.

Ora essa! Conversa pra boi dormir! Direitos iguais todos temos garantidos pela Constituição. Se for esse o medo, basta colocar a Constituição em prática. O que se está tentando aprovar são privilégios. E privilégios são proibidos pela Constituição, visto que quebra com o princípio de que todos são iguais perante a Lei.

Petry combate a liberdade que permite a ele dizer todas as suas bobagens.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Clodovis Boff rompe com a TL

Saudações queridos leitores!

Clodovis Boff, irmão de Leonardo "Genésio" Boff, ao que parece, teve um lampejo de razão. Ele divulgou um artigo um tanto extenso no site Adital (um site esquerdista) condenando e exortando a uma reflexão acerca de diversos aspectos da Teologia da Libertação, uma heresia de cunho marxista que corrói a Santa Igreja por dentro.

Ao contrário de Leonardo, que sempre apareceu na mídia, comprou briga com a Santa Sé, levou dois silêncios obsequiosos e apostatou, Clodovis sempre se manteve estudando, lendo enquanto o irmão aparecia. E penso que através desse texto, Clodovis esteja rompendo com a TL. Por mais que ele mesmo resolva dar outro nome, o que vemos é um rompimento, o fim da compactuação de Clodovis com os princípios dessa ideologia travestida de Teologia.

Os motivos de seu rompimento, o próprio Clodovis explica. Cito:

"Quer-se mostrar aqui que a Teologia da Libertação partiu bem, mas, devido à sua ambigüidade epistemológica, acabou se desencaminhando: colocou os pobres em lugar de Cristo. Dessa inversão de fundo resultou um segundo equívoco: instrumentalização da fé "para" a libertação. Erros fatais, por comprometerem os bons frutos desta oportuna teologia."

clodovis enxergou agora o que a Igreja viu assim que a TL surgiu: Ela é uma ideologia epistemiologicamente ambígua, que substituiu Cristo pelos pobres, deixando de ser como a própria Igreja é, Cristocêntrica. Quando a TL assumiu forma antropocêntrica, deixou de ser uma teologia e tornou-se mera ideologia, modelada pelos conceitos marxistas da luta de classes, já a muito condenados pela Igreja. Ele também condena o uso que a TL faz da Fé, tratando-a como uma arma de luta política, desvirtuando sua real função em nossa vida.

Confesso que o artigo de Clodovis Boff me deixou um tanto surpreso, ainda mais por ele, sendo quem é, fazer tais reflexões. Em outra parte do artigo, ele sintetiza de maneira magistral os motivos que levam a TL não ser uma Teologia, mas sim uma ideologia:

"Que o pobre seja um princípio da teologia ou uma perspectiva (ótica ou enfoque), é possível, legítimo e mesmo oportuno. Mas apenas como princípio segundo, como prioridade relativa. Se assim é, a teologia que arranca daí, como é a TdL, só pode ser um "discurso de segunda ordem", que supõe em sua base uma "teologia primeira".

Contudo, não parece que a TdL tenha essa consciência, pois se pensa, para todos os efeitos, como uma teologia inteira à parte, substituindo ou dispensando a "teologia primeira" e fundindo ou, melhor, confundindo o nível "transcendental" com o "categorial". Em sua prática teórica, continua a pôr o "pobre" como seu princípio, centro e fim."

Resumindo: Não existe Teologia sem o foco principal em Deus. E no momento que a TL deixou de focar a Deus e passou a focar no pobre, a coisa desandou.

É, queridos leitores, demos graças a Deus. Para ter acesso à íntegra do artigo, clique aqui.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Concluída a fase diocesana da Canonização de Dom álvaro Del Portillo

Saudações queridos leitores!

No dia de São Josemaria, a Congregação para as Causas dos Santos alegra a Igreja com uma notícia magnífica. Foi concluída a fase diocesana do processo de canonização de Dom Álvaro Del Portillo, Prelado do Opus Dei. O atual Prelado, Dom Javier Echevarría foi o reconhecido como o bispo competente para instruir a causa de seu antecessor.

O Monsenhor Flávio Capucci, Postulador da causa, agradeceu ao tribunal do Vicariato pelo trabalho desempenhado. Na mesma ocasião, recordou que em 1978, quando começou o processo de São Josemaria, Dom Álvaro Del Portillo insistiu em que o Opus Dei, ao pedir ao Papa o início da causa do Fundador, não buscava sua própria glória, mas a da Igreja . “Hoje – disse Capucci – com todo o coração fazemos nossa estas palavras”.

O próximo passo do processo será dado quando o tribunal da Prelazia concluir as sessões do processo que instrui. Com o material que ambos os tribunais recolherem, o Postulador elaborará a positio, que é uma biografia do Servo de Deus e um estudo de como viveu as virtudes cristãs em grau heróico.

Oportunamente, o Postulador enviará a positio à Congregação para as Causas dos Santos para que seja estudada.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Escolas públicas terão 400 máquinas de camisinha

Saudações queridos leitores!

Fiquem com reportagem do Terra (fonte aqui), volto depois.

Escolas públicas terão 400 máquinas de camisinha

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anuncia hoje a produção das primeiras 400 máquinas de preservativos que serão instaladas em escolas públicas participantes do programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE).

O anúncio será feito às 10h, durante o 7º Congresso Brasileiro de Prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e Aids, em Florianópolis. O encontro, que vai até sábado, é promovido pelo Programa Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde.

Na pauta do Congresso, estão temas polêmicos como a restrição da entrada de estrangeiros com HIV em certos países e a garantia de tratamento aos pacientes de aids no Brasil, considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) líder no fornecimento de medicamentos anti-retrovirais a aidéticos.

Voltei. É incrível. O Ministro da Doença, ops, Saúde está choramingando até agora pela perda da CPMF, mas ao invés de investir o dinheiro para controlar as epidemias que assolam o país e consertar os hospitais que não funcionam, resolve instalar nas escolas públicas 400 máquinas de camisinhas!

Temporão perdeu os limites! Além de insistir em uma política preventiva sabidamente errada, passa por cima da autoridade moral dos pais, que têm o direito de educar seus filhos da maneira que eles julgarem mais pertinente. Essas máquinas nas escolas não vão combater coisa alguma, vão na verdade constranger os alunos (e aqui falamos de crianças de 12, 13 anos) e incitá-los a um comportamento sexual irresponsável sem que sequer estejam preparados para tal.

Aqui, abro uma exceção e falo não apenas como Católico, mas como um cidadão que também sou (minha cidadania é comprada com os muitos impostos que pago, haha!). Essas máquinas invadem a intimidade dos alunos, incita-os a terem uma iniciação sexual precoce, arriscando-os a experiências traumáticas e expondo-os a situações de que devem ser preservados devido a idade.

Essa atitude estúpida vai criar um ambiente de terror psicológico para as crianças, pois muitas delas se sentirão forçadas a pegar as tais camisinhas nas máquinas para se verem livres da pressão de não mexerem na máquina que certamente será exercida pelos outros alunos.

Cabe ao Ministério Público e aos pais dos alunos mostrar que o Temporão está indo longe demais.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

São Josemaria Escrivá

Saudações queridos leitores!

Hoje é dia de São Josemaria Escrivá, fundador do Opus Dei. Para comemorarmos esse dia tão especial, reproduzo abaixo uma breve hagiografia deste tão grande santo.

Vida de São Josemaria Escrivá de Balaguer (1902-1975), fundador do Opus Dei.


Josemaria Escrivá nasceu em Barbastro (Huesca, Espanha), em 9 de janeiro de 1902. Seus pais chamavam-se José e Dolores. Teve cinco irmãos: Carmen (1899-1957), Santiago (1919-1994) e outras três irmãs menores do que ele, que faleceram ainda pequenas. O casal Escrivá deu aos seus filhos uma profunda educação cristã.

Em 1915, a indústria de tecidos do pai abre falência, e ele tem de mudar-se para Logronho, onde encontrou outro emprego. Nessa cidade, Josemaria dá-se conta pela primeira vez da sua vocação: depois de ver umas pegadas na neve dos pés descalços de um religioso, intui que Deus deseja alguma coisa dele, embora não saiba exatamente o quê. Pensa que poderá descobri-lo mais facilmente se se fizer sacerdote, e começa a preparar-se, primeiro em Logronho e, mais tarde, no seminário de Saragoça.

Seguindo um conselho de seu pai, cursa na Universidade de Saragoça a Faculdade de Direito, como aluno livre. Seu pai morre em 1924, e ele fica como chefe de família. Recebe a ordenação sacerdotal em 28 de março de 1925 e começa a exercer o ministério numa paróquia rural e depois em Saragoça.

Em 1927, transfere-se para Madrid, com permissão do seu bispo, a fim de doutorar-se em Direito. Ali, no dia 2 de outubro de 1928, Deus faz-lhe ver a missão que lhe vinha inspirando havia anos, e funda o Opus Dei. A partir desse momento, passa a trabalhar com todas as suas forças no desenvolvimento da fundação que Deus lhe pede, ao mesmo tempo que continua a exercer o ministério pastoral que lhe fora encomendado naqueles anos, e que o punha diariamente em contato com a doença e a pobreza dos hospitais e bairros populares de Madrid.

Quando eclode a guerra civil, em 1936, encontra-se em Madrid. A perseguição religiosa obriga-o a refugiar-se em diferentes lugares. Exerce o seu ministério sacerdotal clandestinamente, até que consegue sair de Madrid. Depois de atravessar os Pireneus até o sul da França, instala-se em Burgos.

Quando termina a guerra, em 1939, volta a Madrid. Nos anos seguintes, dirige numerosos retiros espirituais para leigos, sacerdotes e religiosos. Nesse mesmo ano de 1939, conclui os estudos de doutorado em Direito.

Em 1946, fixa a sua residência em Roma. Obtém o Doutorado em Teologia pela Universidade Lateranense. É nomeado consultor de duas Congregações vaticanas, membro honorário da Pontifícia Academia de Teologia e Prelado de honra de Sua Santidade. Acompanha com atenção os preparativos e as sessões do Concílio Vaticano II (1962-1965) e mantém um relacionamento intenso com muitos padres conciliares.

De Roma, faz numerosas viagens a diversos países europeus para impulsionar o estabelecimento e a consolidação do Opus Dei nesses lugares. Com o mesmo objetivo, realiza entre 1970 e 1975 longas viagens até o México, a Península Ibérica, a América do Sul e Guatemala, e nelas também tem reuniões de catequese com grupos numerosos de homens e mulheres.

Falece em Roma no dia 26 de junho de 1975. Vários milhares de pessoas, entre elas muitos bispos de diversos países - quase um terço do episcopado mundial -, solicitam à Santa Sé a abertura da sua causa de canonização.

No dia 17 de maio de 1992, João Paulo II beatifica Josemaria Escrivá. Proclama-o santo dez anos depois, em 6 de outubro de 2002, na Praça de São Pedro, em Roma, diante de uma grande multidão. «Seguindo as suas pegadas», disse o Papa nessa ocasião na sua homilia, «difundam na sociedade, sem distinção de raça, classe, cultura ou idade, a consciência de que todos estamos chamados à santidade».

São Josemaria Escrivá, rogai por nós!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Bispos da Europa refletirão sobre secularização

Saudações queridos leitores!

Os bispos da Europa se reunirão em Covadonga (Espanha) para a 36ª Assembléia das Conferências Episcopais da Europa. Uma espécie de CELAM, mas sem os comunistas. Nessa assembléia será discutido um fenômeno que tem prejudicado muito o avanço do Evangelho: o secularismo. Mais iformações em ZENIT.

Serão discutodas as razões do fenômeno e meios de combatê-lo. Entre esses meios, posso citar o ensino da Religião nas escolas, um tema um tanto espinhoso em países que se tornam cada vez mais radicalmente laicos, como a Espanha. Um fato que começa a se tornar cada vez mais evidente pra mim é que a Europa está se aproximando cada vez mais do status de "Terra de Missão". Se durante o tempo das grandes navegações a Europa enviava missionários para evangelizar os novos povos, agora eles precisam cada vez mais de novos evangelizadores, visto que a descrença e o ceticismo se alastram de maneira alarmante pelo velho mundo.

Outra ameaça ao Ocidente como um todo é a expansão do Islã, que aumenta sistematicamente na Europa, trazendo consigo suas regras e seu modo de vida, que ceifaram o desenvolvimento do mundo árabe após seu aparecimento. Deus queira que os bispos cheguem logo à conclusão de que é necessária uma atuação mais contundente na Europa, pois se eles continuarem cedendo espaço, tentando bancar os bons moços, serão engolidos.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

terça-feira, 24 de junho de 2008

O racha nos anglicanos já começa a virar abismo...

Saudações queridos leitores!

O racha da Comunhão Anglicana só está aumentando... Vários bispos se reuniram em Jerusalém para fazer frente à bagunça que tem tomado conta da Comunidade Anglicana, principalmente em vista das uniões entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação de mulheres. Fonte aqui, em notícia do Estadão.

Os anglicanos decidiram que "vão pra batalha", coordenando várias iniciativas para barrar o que eles julgam ser um distanciamento dos valores originais da confissão religiosa.

Mas essa iniciativa já corre perigo. Apesar de todas as pessoas que se reuniram concordarem que algo precisa ser feito com relação aos ataques liberais, não existe consenso nem mesmo entre os que se julgam conservadores. "Há algumas correntes que falam de cisma em nossa Igreja, inclusive a liderança conservadora assim acredita, mas o certo é que é constituída por grupos muito diversos, que não conseguem dirigir uma mensagem unida", explicou à Agência EFE (sempre a EFE!!) o porta-voz da conferência, Matthew Davis.

Queridos leitores, estamos vendo com nossos próprios olhos a ruína proporcionada pela divisão. E ainda tem gente que condena a concentração do poder do Papa.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

São João Batista

Saudações queridos leitores!

Hoje é um dos dias mais importantes das celebrações juninas. Muito mais do que bolinho caipira e vinho quente, hoje comemoramos o dia de São João Batista.


São João Batista, embora concebido no Pecado Original, foi dele purificado antes de nascer, quando sua mãe, Santa Isabel, foi visitada pela Santíssima Virgem, que por sua vez portava no seio o Salvador. Por isso, São João Batista é o único santo cujo nascimento se comemora na Liturgia -- além da própria Virgem Maria, que já foi concebida isenta de todo pecado.

A celebração da festa do martírio de São João Batista, que na Igreja latina têm origens antigas (na França no século V, e em Roma no século VI), está vinculada à dedicação da Igreja construída em Sebastean na Samaria, no suposto túmulo do Precursor de Cristo.

A festa aparece já na data de 29 de agosto nos Sacramentários romanos e, conforme o Martirológio Romano, essa data corresponderia à segunda vez que encontraram a cabeça de São João Batista, que foi levada para Roma. Temos sobre ele as narrações dos Evangelhos, em particular de Lucas, que nos fala de seu nascimento, da vida no deserto, da sua pregação, e de Marcos que nos refere a sua morte. Pelo Evangelho e pela tradição podemos reconstruir a vida do Precursor, cuja palavra de fogo se parece na verdade com o espirito de Elias. Negou categoricamente ser o Messias esperado, afirmando a superioridade de Jesus que apontou aos seus seguidores por ocasião do baptismo deste nas margens do Rio Jordão, sua figura parece se ir desfazendo, á medida que vai surgindo “ o mais forte”, Jesus.

Todavia, “ o maior dentre os profetas” não cessou de fazer ouvir a sua voz onde fosse necessária para consertar os sinuosos caminhos do mal. Reprovou publicamente o comportamento pecaminoso de Herodes Antipas e da cunhada Herodíades, mas a previsível susceptibilidade deles custou-lhe a dura prisão em Maqueronte, na margem oriental do mar Morto.

Por ocasião da festa celebrada em Maqueronte, a filha de Herodíades, Salomé, tendo dado verdadeiro show de agilidade na dança, entusiasmou Herodes. Como prêmio pediu, por instigação da mãe, a cabeça de São João Batista. Último profeta e primeiro apóstolo, ele deu a vida pela sua missão, e por isso é venerado na Igreja como mártir. Ele foi fiel, bondoso e o clarão de Cristo, anunciando a luz da eterna claridade.

São João Batista, rogai por nós.

Via O Irresponsável.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Papa diz que somente os 'puros' podem receber a comunhão. E isso não é nenhuma novidade

Saudações queridos leitores!

Não sei o motivo da EFE (sempre a EFE) ter destacado o que o Papa disse. Isso num é novidade, deve ter pelo menos uns 2 mil anos que foi contado e nunca deixou de valer. Mas vamos lá.

O fato do Santo Padre destacar que só os puros podem receber a Sagrada Comunhão, no jeito que a redação dá a entender, parece indicar que tem que ser impecável para poder receber a Eucaristia. Se seguirmos essa linha de raciocínio vai sobrar pouca gente apta a isso. Acho que só Nossa Senhora e São João Batista se salvam nessa.

Na verdade, o que o Papa fez nada mais foi do que lembrar que quem se aproximar da Sagrada Comunhão deve estar em estado de graça, uma condição que sempre foi necessária. As referências que o texto faz a casais em segunda união é até pertinente, pois os mesmos estão em estado de pecado grave (adultério) e estão impedidos de receberem a Eucaristia.

Ai que falta fazem nas redações mundo afora jornalistas com um conhecimento mínimo de religião...

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

domingo, 22 de junho de 2008

O bom mesmo é ser minoria

Saudações queridos leitores!

Um artigo genial do Padre John Flynn, LC em ZENIT nos mostra que o bom mesmo é ser minoria, ainda mais se você viver na Grã-Bretanha. Os Anglicanos, que já sofrem muito com a ruína de sua confissão religiosa estão a reclamar da preferência sistemática que o governo britânico tem dado para programas que benificiam minorias, deixando de lado ações caritativas que têm uma abrangência muito maior.

Outro motivo que tem levado ao prejuízo das obras sociais não só anglicanas, mas de tantas outras obras assistenciais religiosas é o laicismo que distorce a compreensão do sentido da religião, um mal que assola a Europa com tremenda força. Só entre as obras sociais anglicanas que são prejudicadas, estimativas do jornal The Times dão conta que 50 mil pessoas estão encontrando dificuldades para exercer obras de caridade.

Em parte, os esforços para marginalizar o cristianismo vêm da incapacidade de alguns para enfrentar a idéia de que o cristianismo possa ser inteligente e não nos separa da pesquisa racional. De fato, a tradição católica, explicava o cardeal Murphy-O’Connor, caracteriza-se pela relação próxima entre a compreensão racional e a fé religiosa. Essa sintonia entre os dois campos do pensamento é uma coisa que muitos laicistas consideram como inconcebível, o que acaba contribuindo para a "expulsão de Deus" do ambiente ordinário.

Esses mesmos laicistas não percebem que enquanto tentam tornar a religião uma questão que deve ser cada vez menos manifestada externamente, sufocam não só as manifestações litúrgicas, mas também todos os outros feitos e obras realizados através da religião e dos organismos suportados pelas diversas confissões religiosas.

E com esses ataques contra Deus quem mais sofre são os inocentes. Há uma série de necessitados que correm perigo devido à crescente secularização e ao fato de deixar de lado a religião. No dia 6 de junho, o periódico Catholic Herald publicava que a agência de adoções da diocese de Salford está a ponto de fechar, devido à lei que exige entregar crianças em adoção a pares do mesmo sexo. A Catholic Children's Rescue Society proporciona serviços de adoção desde sua fundação, em 1886.

Aqueles que expulsam Deus do nosso mundo estão abrindo caminho para o mal e assegurando sua própria condenação.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Arquitetura sagrada: beleza conduz a Cristo

Saudações queridos leitores!

Em outra ocasião, dissertei sobre a importância da arquitetura das Igrejas e como isso influenciava na fé popular. Igrejas semelhantes a grandes caixotes causam um grande prejuízo para as pessoas.

O professor Gabriel Frade, formado na Gregoriana de Roma e que atualmente dá aulas no Filosófico e Teológico Santa Teresinha de São José dos Campos, onde estudei, concedeu uma entrevista primorosa a ZENIT, que faço questão de reproduzir aqui.

Arquitetura sagrada: beleza conduz a Cristo

Entrevista com o prof. Gabriel Frade

Por Alexandre Ribeiro

SÃO PAULO, domingo, 22 de junho de 2008 (ZENIT.org).- «Apresentar uma bela arquitetura, em termos de igreja, é dar um passo seguro na direção do coração do homem. É apresentar-lhe diretamente o evangelho através do belo», afirma um estudioso brasileiro.

Nesta entrevista a Zenit, o prof. Gabriel Frade fala sobre arquitetura sagrada, tema sobre o qual ministrará um curso no dia 12 de julho, no Páteo do Collegio, em São Paulo.

Gabriel Frade é natural de Itaquaquecetuba (São Paulo). É leigo, casado, pai de três filhos, estudou filosofia e teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma) e na Faculdade de Teologia de Lugano (Suíça). Em 2006 obteve o título de mestre em liturgia pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção (São Paulo). É autor do livro “Arquitetura Sagrada no Brasil” (Ed. Loyola) e atualmente ensina liturgia no Instituto Filosófico e Teológico Santa Teresinha de São José dos Campos (São Paulo).

--O Brasil tem uma rica arquitetura sagrada, não? Poderia dar alguns exemplos?

--Gabriel Frade: Sem dúvida alguma. Temos belos exemplares espalhados por boa parte do Brasil. No período colonial, por exemplo, temos várias igrejas produzidas pela arquitetura jesuítica e pela arquitetura franciscana que, em geral, são belíssimas, marcadas normalmente por uma arquitetura despojada e simples, e, por isso mesmo muito bela.

É claro também, que ao falar de arquitetura religiosa no Brasil o pensamento vai quase que obrigatoriamente para a arquitetura barroca das Minas Gerais, para o mestre Aleijadinho e suas obras como, por exemplo, os profetas do santuário de Congonhas do Campo ou a majestosa igreja de São Francisco. Obras conhecidas e apreciadas mundialmente. E por falar em São Francisco, ainda em Minas, temos uma outra igrejinha dedicada a esse grande santo e que marcou uma época na arquitetura brasileira: a igrejinha da Pampulha do Oscar Niemeyer. Ainda hoje essa igrejinha chama a atenção de turistas e de vários estudiosos brasileiros e estrangeiros. Enfim, temos numerosos exemplos na história brasileira de boa e bela arquitetura sagrada.

--Que é a beleza da arquitetura sagrada? Como ela ecoa no coração humano?

--Gabriel Frade: Veja, falar de beleza é falar de Deus. E Deus, assim como a beleza, normalmente se manifesta nas coisas simples, puras. Apresentar uma bela arquitetura, em termos de igreja, é dar um passo seguro na direção do coração do homem. É apresentar-lhe diretamente o evangelho através do belo. De fato, já o salmista dizia “Amo a beleza de tua Casa”, quase como se dissesse que a beleza ao se revelar, vai direto ao coração. Nesse sentido, tinha razão Dostoievsky, ao intuir que o caminho da beleza verdadeira é efetivamente o caminho que conduz à salvação do mundo; de modo que todo aquele que trilhar esse caminho haverá de encontrar-se com o Cristo, “o mais belo dentre os filhos de Adão”.

A Igreja no Brasil precisa usar mais e melhor desse instrumento, apropriar-se da beleza na arquitetura de suas igrejas como uma forma de evangelização. Embora haja grandes e inegáveis avanços, infelizmente, devido a uma série de fatores, nem sempre isso tem sido possível. Creio que mais do que nunca temos que incorporar a intuição do grande Papa Paulo VI, o qual, há quase quarenta e cinco anos atrás, disse que era preciso pedir perdão aos artistas, pois a Igreja por vezes havia colocado uma capa de chumbo sobre os artistas e os havia abandonado, sem “explicar as nossas coisas”, sem introduzir os artistas “na cela secreta, onde os mistérios de Deus fazem pular o coração do homem de alegria, de esperança, de júbilo, de entusiasmo”.

--A evolução teológico-litúrgica também imprime uma evolução da arquitetura sagrada?

--Gabriel Frade: Certamente. Esse é o cerne, o núcleo que queremos modestamente desenvolver em nossa palestra no Páteo do Collegio, em pleno centro histórico de São Paulo. Desconhecer a evolução teológico-litúrgica implica simplesmente em não se conseguir desenvolver plenamente todas as possibilidades disponíveis em arquitetura sagrada. Ainda hoje, corremos muito o risco de não “explicar nossas coisas” para os arquitetos, estes profissionais da arte de desenhar, projetar e construir igrejas. Ou pior: queremos substituí-los em nome de uma pretensa economia ou de idéias de gosto duvidoso.

--Há um empobrecimento da arquitetura sagrada hoje? Como você avalia isso?

--Gabriel Frade: Pois é, um dos resultados desse desconhecimento teológico-litúrgico (e do desconhecimento de nossa própria história enquanto Igreja) faz com que grande parte de nossas igrejas apresentem arquiteturas insípidas ou espalhafatosas, com seus espaços litúrgicos voltados quase que exclusivamente para o presbitério, esquecendo da existência da assembléia e não deixando visível o princípio postulado pelo Vaticano II que vê a Igreja, essencialmente, como Povo de Deus. Felizmente hoje há arquitetos e artistas que tentam reverter esse problema. Penso aqui aos meus amigos Cláudio Pastro, Irmã Laíde Sonda, Marco Aurélio Funchal, dentre outros.

--A beleza da arquitetura sagrada do passado pode inspirar os espaços litúrgicos atuais? Como resgatar e primar pela beleza nos espaços litúrgicos hoje?

--Gabriel Frade: Quando falamos de Igreja, não podemos esquecer que todo esse edifício espiritual se apóia em três pilares fundamentais: a Escritura, a Tradição e o Magistério. Assim sendo, esses três pontos não podem ser esquecidos ao se criar em arte e arquitetura cristãs, ao se construir o edifício material. Mais do que perceber uma limitação nesses pontos, os artistas e arquitetos de índole cristã deveriam perceber aí um estímulo à criatividade. Consta que Michelangelo, um dos maiores arquitetos e artistas da humanidade, conhecia muito bem as Sagradas Escrituras, tendo lido a bíblia inteira não poucas vezes. Sua obra magistral na Capela Sistina é um verdadeiro tratado teológico. Vê-se logo que para uma boa arquitetura sagrada não basta apenas boa vontade: há que se estudar, se informar, aprender com os antigos e, fundamentalmente, cultivar uma boa espiritualidade.

Nesse sentido, lembro-me de uma igreja antiga que conheci em Stafarda, uma região da Itália setentrional. Ao pôr os pés na igreja, imediatamente fui colhido pela sua estranha beleza. Ao olhar atentamente para os detalhes descobri que não havia uma coluna ou um arco igual ao outro. Posteriormente, ao conversar com as pessoas do lugar, descobri que a igreja inteira fora projetada propositadamente pelos monges para que não apresentasse formas iguais, porém proporcionais. Pois para eles, assim como em um jardim, onde não se encontra um arbusto igual ao outro, todos louvam, à sua maneira e de forma harmônica, o seu Criador, também na arquitetura daquela igreja seria possível incorporar essa mesma harmonia. Através dessa intuição, os monges escreveram nas pedras da arquitetura de sua igreja as palavras de São Paulo, para quem a Igreja é um corpo e possui muitos membros; diversos entre si, mas sempre pertencentes ao mesmo e único corpo.

São essas intuições, aliadas à criatividade e à beleza, que poderão transformar o espaço de nossas igrejas em espaço diferente, em espaço redentor, onde o homem possa ter um encontro pessoal com seu Deus.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Evangelho de Domingo - 12° Domingo do Tempo Comum

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários do livro Imitação de Cristo.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus.

Evangelho (Mt 10, 26-33 (12º Domingo do Tempo Comum))

26Portanto, não tenhais medo deles, porque não há nada encoberto que não venha a descobrir-se, nem oculto, que não venha a saber-se. 27O que vos digo nas trevas, dizei-o vós à luz e o que ouvis em segredo, apregoai-o sobre os terraços. 28Não temais os que matam o corpo e que não podem matar a alma. Temei antes Aquele que pode deitar a perder a alma e o corpo na Geena. 29Não se vendem dois pardais por um asse? E, contudo, nem um deles cairá em terra sem permissão do vosso Pai. 30Quanto a vós, até os cabelos da cabeça estão todos contados. 31Por isso, não temais, que mais valeis vós do que muitos pardais.
32A todo aquele, pois, que Me confessar diante dos homens, também Eu o confessarei diante de Meu Pai, que está nos Céus, 33mas a quem Me negar diante dos homens, também Eu o negarei diante de Meu Pai que está nos Céus.

Palavra da Salvação.

Comentário ao Evangelho do dia feito por:

Imitação de Cristo, tratado espiritual do séc. XV
II, cap. 1

«Não os temais, portanto, pois não há nada encoberto que não venha a ser conhecido".

Não tens aqui cidade de repouso, e onde quer que estejas és estranho e peregrino; e nunca terás repouso, a não ser quando estiveres intimamente unido a Cristo. Que procuras à tua volta, se este não é o lugar do teu descanso? A tua morada deve ser no céu, e tudo na terra deve ser visto como de passagem. Todas as coisas passam, e tu com elas. Toma cuidado, não te apegues, para que não sejas apanhado por elas e pereças.

Que o teu pensamento esteja junto do Altíssimo, e a sua súplica se dirija sem cessar a Cristo. Se não consegues contemplar as coisas elevadas e celestes, descansa na Paixão de Cristo, e habita alegremente nas Suas santas chagas. Se assim te refugiares com devoção nas chagas e nos preciosos estigmas de Jesus, sentirás grande conforto na tribulação, não te importarás muito com as traições dos homens e facilmente suportarás as palavras malévolas. Também Cristo foi desprezado no mundo pelos homens, e abandonado, na maior necessidade, pelos conhecidos e amigos no meio das afrontas. Cristo quis sofrer e ser desprezado, e tu ousas queixar-te de alguma coisa? [...]

Mantém-te com Cristo e por Cristo, se queres reinar com Cristo. Se uma única vez conseguisses entrar perfeitamente no coração de Jesus, e conhecesses um pouco o Seu amor ardente, não te importarias com o que te é agradável ou desagradável, mas alegar-te-ias com cada ofensa sofrida, pois que o amor de Jesus faz o homem desprezar-se a si próprio. Aquele que ama Jesus e a verdade, que é verdadeiro, interior e livre de afeições desordenadas, pode voltar-se facilmente para Deus, elevar-se em espírito acima de si próprio e descansar com proveito. Aquele para quem as coisas valem segundo são, e não segundo se diz ou pensa, esse é o verdadeiro sábio, e mais instruído por Deus do que pelos homens.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.