sexta-feira, 25 de abril de 2008

Relíquias do Padre Pio renovam nossa fé na ressurreição

Saudações queridos leitores!

Poucos dias atrás o corpo de São Pio de Pietrilcina, um dos grandes santos de nossos dias foi exumado. Em uma homilia, o Cardeal Saraiva Martins nos lembra um pouco da importância da veneração das relíquias dos santos e dos benefícios da prática. Fiquem com notícia de ACI, volto depois.

Relíquias do Padre Pio renovam nossa fé na ressurreição, afirma Cardeal Saraiva

.- O Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal José Saraiva Martins, destacou que "as relíquias de quem dorme no Senhor, e em modo especial as dos santos, convidam-nos a olhar ao futuro, a renovar a fé na ressurreição da carne. São Pio foi um padre fecundo de almas".

Assim o expressou esta manhã o Cardeal na homilia da Missa com a que se iniciou a ostensão dos restos de São Pio de Pietrelcina a quem recordou como quem "tem escrito uma página original reunindo em torno de si a uma multidão como membros de seus grupos de oração".

A presença do corpo do santo frade, disse o Cardeal Saraiva, "convida a uma memória: olhando seus restos mortais recordamos todo o bem que fez em meio de nós por meio desse corpo".

Voltei. As relíquias dos santos, sejam objetos ou até mesmo partes dos corpos dos santos nos servem como uma lembrança e um aviso de como alcançar e manter a santidade. As relíquias são uma evidência palpável dos modos de se viver as virtudes cristãs de maneira heróica.

Os santos morrem e suas relíquias ficam, como um sinal de que um dia eles voltarão e eles serão a prova viva dos momentos que as relíquias nos lembram.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Milagre aproxima de beatificação a Cardeal Newman

Saudações queridos leitores!

Logo teremos mais um santo homem mais perto de receber o devido reconhecimento por sua obra. o Cardeal Newman, primeiro Cardeal Inglês ordenado em muitos anos. Fiquem com notícia de ACI, volto depois.

Milagre aproxima de beatificação a Cardeal Newman

.- O jornal Birmingham Mail informou da curação milagrosa de um diácono em Boston, de uma doença da coluna vertebral que lhe impedia de caminhar, e que foi atribuída ao servo de Deus Cardeal John Henry Newman. Este fato permitirá a beatificação que está prevista para fim de ano.

Jack Sullivan, um diácono de Boston, Massachusetts, disse ter rezado pedindo a intercessão do Cardeal Newman para que o curasse da afecção da coluna vertebral que lhe impedia de caminhar. Pouco depois de sua oração, Sullivan pôde ficar de pé e caminhar novamente.

A declaração oficial do milagre se espera para dentro de umas semanas, uma vez que os teólogos revisem a decisão médica. Conforme indica Times online, Peter Jennings, porta-voz do Birmingham Oratory, de onde se segue a causa do famoso converso do anglicanismo, disse que "agora esperamos a reunião do Comitê de Consultores Teológicos em uma data que deve ser estabelecida pela Congregação para as Causas dos Santos. antes disto, o postulador tem que escrever a 'Informatio' que assistirá a estes consultores em sua deliberação".

Voltei. O Cardeal Newman foi um dos maiores estudiosos católicos de seu tempo. Sua conversão se deu durante seus estudos a procura da Igreja que seguisse as tradições da Igreja Primitiva, o que o fez chegar até a Igreja Católica.

Ele nos deixou muitos escritos, mas muitos mesmo. De tão contemporâneo, é considerado um precursor do Concílio Vaticano II. Alguns até o consideram um Doutor da Igreja.

Fico extremamente feliz com essa notícia. Espero que logo tenhamos mais um santo dos céus reconhecido na Terra.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Bispos espanhóis denunciam abusos contra mulheres

Saudações queridos leitores!

A escravidão e o abuso do trabalho não são problemas que atingem apenas os países mais pobres. Os países ricos passam por problemas semelhantes, inclusive com causas muito parecidas com as causas das nossas mazelas. O valente episcopado espanhol, que é muito destacado por aqui por seu papel de defesa dos valores cristãos que construíram o mundo, ergue-se mais uma vez contra os opressores. Fiquem com reportagem de ZENIT (íntegra aqui), volto depois.

Bispos espanhóis denunciam abusos contra mulheres

MADRI, sexta-feira, 25 de abril de 2008 (ZENIT.org).- Por ocasião da solenidade de Corpus Christi, Dia da Caridade, que se celebra em 25 de maio, a Comissão de Pastoral Social da Conferência Episcopal Espanhola divulgou hoje, 25 de abril, uma mensagem intitulada «A Eucaristia, esperança para o pobre». O texto une-se à campanha da Cáritas dedicada aos direitos das mulheres e denuncia os abusos que estas sofrem.

Em sua Mensagem, a Comissão explica que a festividade do Corpus Christi convida «a entrar no coração do mistério da Eucaristia, que se há de crer, celebrar e viver».

Recorda a última encíclica de Bento XVI – «Spe salvi; Salvos na esperança» –, sob cuja luz, afirma, «contemplamos a Eucaristia descobrindo nela um verdadeiro sacramento de esperança para toda a humanidade e, de maneira muito especial, para os mais pobres e excluídos dos bens necessários».

Os bispos que integram a Comissão se unem à campanha que Cáritas vem desenvolvendo sobre os direitos humanos e igualdade de oportunidades, que agora dedica aos direitos da mulher, convidando “a manifestar a igualdade entre homens e mulheres e a importância de que se reconheçam oportunidades eqüitativas para ambos sexos como expressão da comum dignidade humana que compartilhamos e como base de uma sociedade mais justa e mais fraterna».

Recordando as palavras do Papa, sublinham que «toda nossa ação em favor da justiça e dos pobres é ‘esperança em ato’, ou seja, é um sinal e um testemunho de esperança».

«O tráfico de mulheres é uma das formas mais cruéis de violência e de escravidão. São milhares as mulheres que são captadas e trazidas para a Espanha por pessoas, grupos de delinqüentes ou redes criminosas organizadas, através do engano, ameaças ou coação, com o fim de submetê-las à exploração, prostituição, trabalho rural, serviço doméstico, construção civil, hotelaria e também atividades clandestinas».

Tudo isso, recordam os bispos, «sem esquecer outros dados como o número assustador de 100.000 abortos por ano na Espanha; que cerca de 20.000 crianças são objeto do tráfico de pessoas na Espanha e estão submetidas a diversas formas de exploração sexual e trabalhista; que milhares de imigrantes chegam a nossas fronteiras fugindo da fome e sem ser reconhecidos em seus direitos humanos».

Voltei. A Espanha está passando por uma crise de comportamento. Atitudes que eram repreendidas durante muito tempo estão se tornando novamente comuns. Algumas até deixaram de ser consideradas reprováveis, mesmo continuando imorais.

A crise que afoga a Espanha é uma crise moral e a pouca moral que restou está torta. E a moral torta é mais fácil de se viver, pois não exige compromisso com nada. E quem tem uma vida supostamente fácil, é claro que reclama quando alguma suposta dificuldade aparece. O que não entendem é que essa moral que eles pregam é auto-destrutiva. Pregam o assassinato de nascituros, logo pregarão o extermínio dos idosos e celebrarão a união de pessoas com outros do mesmo sexo e quem sabe, em um futuro não muito improvável, com coisas. Se esquecem que um dia já foram nascituros e que ainda serão velhos.

A escravidão e a exploração de mulheres é apenas uma ponta de um iceberg que guarda embaixo da linha do mar uma degradação moral muito maior do que vemos, que leva pessoas a tolerar esse comportamento.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Juiz declara inconstitucional aborto por estupro no Brasil

Saudações queridos leitores!

Ainda há juízes no Brasil. Enquanto o Governo e os apoiadores do aborto defendem a despenalização do assassinato de inocentes, um juiz de Goiás faz a lei ser cumprida declarou a inconstitucionalidade do inciso do artigo que não pune o aborto em caso de estupro. Fiquem com reportagem da ACI, volto depois.

Juiz declara inconstitucional aborto por estupro no Brasil

RIO DE JANEIRO, 24 Abr. 08 (ACI) .- Um juiz de Rio Verde, Goiás, declarou inconstitucional o inciso II do artigo 188 do Código Penal do Brasil que autoriza o aborto nas vítimas de estupro, por considerar que a norma contradiz a Constituição Federal que consagra o direito à vida.

O magistrado Levine Racha Gabaglia Artiaga, da 4ta. sala criminal de Rio Verde, julgou improcedente o pedido de autorização para a prática de um aborto em uma suposta vítima de estupro.

Segundo o juiz, o aborto vai contra a vida "o bem jurídico mais protegido no ordenamento constitucional". Para o magistrado, não podem admitir-se normas que violem o direito à vida para proteger bens jurídicos de equivalência inferior.

O artigo 5 da Constituição sustenta que "todos são iguais diante da lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à prioridade".

O juiz desprezou os argumentos da demandante, quem argüiu que deveria cuidar de um filho concebido em uma relação sexual violenta e que possivelmente apresentaria uma personalidade degenerada, devido à influência hereditária do pai.

O magistrado explicou que "o aborto também viola as garantias consagradas no Código Civil e usurpa os direitos dispostos no Estatuto da Criança e do Adolescente, que confere aos não nascidos alguns direitos personalíssimos, como o direito à vida, proteção pré-natal, entre outros".

Voltei. O juiz está de parabéns. O aborto em casos de estupro ou risco de vida da mãe nunca foi permitido, mas ele não era punido. O que o juiz fez foi aplicar a Lei à risca, pois já que o aborto não deixa de ser ilegal nem nesses casos, a cláusula que o despenaliza não tem sentido.

Vamos ver quanto tempo essa decisão será mantida, já que uma decisão que favorece a vida dessa maneira não passará em branco muito tempo pelas Diabas pelo Direito de Matar e pelo Ministro da Doença, ops, da Saúde.

Que Deus nos livre da maldição do aborto e nos dê mais juízes que valorizam a vida!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

7.194 inocentes assassinados no México

Saudações queridos leitores!

Esse é o número de inocentes assassinados na Cidade do México após um ano da vigência da lei que permite o aborto de bebês com até 12 semanas

Na foto abaixo, do Terra, ativistas anti-aborto acendem velas durante protesto em frente à Assembléia Municipal da Cidade do México. De acordo com os manifestantes, foram colocadas 7.194 mil velas, o mesmo número de abortos realizados durante o primeiro ano de vigência de uma lei municipal, que permite que qualquer mulher residente na cidade realize a operação nas primeiras 12 semanas de gestação.

Tantas almas inocentes, condenadas à morte sem ter cometido crime algum. Esse é um dos aspectos mais nefastos do egoísmo que toma conta da nossa sociedade.

Todo bebê abortado é uma vida que se perde, uma história que não será vivida, um mundo inteiro de liberdades que lhe serão cerceadas. O assassinato do nascituro é muito mais que o fim precoce de sua vida. É o impedimento de que ele exerça os direitos mais básicos, é não permitir que aquela vida jamais desfrute dos prazeres que conhecemos, dos mais simples aos mais requintados.

Ao tirarmos a vida, tiramos tudo.

Que Deus tenha piedade desses inocentes,
Fernando.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

São Jorge

Saudações queridos leitores!

Hoje é dia de São Jorge, um dos mais conhecidos santos da Igreja. Infelizmente a data não tem a merecida lembrança no Brasil devido ao sincretismo que insiste em associar a imagem de São Jorge, guerreiro e mártir, aos cultos de origem africana. Essa usurpação de São Jorge faz com que sua lembrança seja ofuscada entre os próprios Católicos. Uma pena, mesmo. Fiquem com um breve histórico de sua gloriosa trajetória.


Devem ter sido espetaculares as circunstâncias da sua morte para que os orientais lhe tenham sempre chamado "o grande mártir" e para que a sua pessoa se tenha tornado bem depressa, lendária. Não há culto mais antigo nem mais espalhado.

Já no século IV Constantino lhe levantava uma igreja. Em Inglaterra, principalmente, o seu culto tornou-se, ainda e é, mais popular. Em 1222 o concílio nacional de Oxónia ou Oxford estabeleceu uma festa de preceito em sua honra. Nos primeiros anos do séc. XV o arcebispo de Cantuária ordenou que tal festa fosse celebrada com tanta solenidade como o Natal. Antes disso o rei Eduardo III tinha fundado, em 1330, a célebre Ordem dos Cavaleiros de São Jorge, conhecidos também pelo nome de Cavaleiros da Jarreteira.

Vários artistas: Rafael, Donatello e Carpaccio representaram São Jorge. No lugar onde esteve içada a bandeira de Portugal por ocasião da batalha de Aljubarrota foi construída, em 1388, uma ermida dedicada a São Jorge. Em 1387 começou a incorporar-se na procissão do Corpo de Deus, por ordem de D. João I, a imagem deste Santo, a cavalo.

São Jorge, rogai por nós.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Ninguém pode pedir a um hospital católico que realize o aborto ou a eutanásia

Saudações queridos leitores!

Existem muitos hospitais católicos na Europa. Com as autoridades do velho mundo se desviando cada vez mais da defesa da vida, começa a surgir um dilema por lá. Hospitais Católicos e o aborto e eutanásia. Fiquem com reportagem de ZENIT (íntegra aqui), volto depois.

«Ninguém pode pedir a um hospital católico que realize o aborto ou a eutanásia»

Alerta o Pe. Mozzetta em uma coletiva do dicastério para a Saúde

Por Marta Lago

ROMA, segunda-feira, 21 de abril de 2008 (ZENIT.org).- Manter a própria identidade, a concepção de homem e dar o valor agregado do próprio cristianismo: assim deve ser a presença da saúde católica no mercado, afirma o Pe. Aurélio Mozzetta em uma coletiva organizada pelo Conselho Pontifício para a Pastoral no Campo da Saúde (www.healthpastoral.org).

«Hospitais católicos, qual o futuro?» foi o tema desta convocatória celebrada em Roma na quinta-feira passada, por ocasião da difusão das atas do III Congresso Mundial da AISAC (Associação Internacional das Instituições de Saúde Católicas) – 3 a 5 de maio de 2007.

Convidado pelo dicastério, o geral da Congregação [hospitalar] dos Filhos da Imaculada Conceição, enfrentou a questão da «saúde católica entre carismas e mercado» desde sua própria experiência.

Existe um «valor agregado cristão a oferecer no mercado» – recordou o Pe. Mozzetta: é próprio da saúde católica dar «um serviço religioso pontual e preciso, e uma práxis consciente de acolhida do enfermo, própria de uma explícita ‘filosofia cristã’(pastoral) da saúde».

«Não queremos ser agrupados com quem faz da saúde uma mercadoria – acrescenta: à igualdade de prestações, objeto de livre concorrência, a saúde católica deve oferecer e se caracterizar por sua visão do homem e do homem enfermo.»

Voltei. Saúde é mercado. Infelizmente isso é fato. Como é um mercado, os hospitais devem agir como verdadeiras empresas para sobreviver. Com o aborto se alastrando pela Europa, os hospitais foram se adequando às novas normas. Uma norma total e completamente imoral, que não pode ser seguida por instituições católicas. O que fazer então?

Haja o que houver, as instituições católicas não devem abrir mão dos princípios que norteiam os cristãos. Penso que, já que a saúde é tratada como mercadoria, que os hospitais católicos devem entrar de cabeça nessa, mas sem jamais abrir mão dos princípios cristãos. Eles devem se destacar como pontos de referência, sem aborto e sem eutanásia, com administração profissional e em condições de competir em condições de igualdade com as outras instituições de saúde.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Aborto é primeira causa de mortalidade na Europa

Saudações queridos leitores!

Hoje, antes de chegar ao serviço estava vendo um programa de TV que mostrava como pais e mães em segunda, terceira ou quarta união convivem com enteados e mais enteados. É lamentável. A desestruturação da família está diretamente ligada a muitos dos problemas que vivemos hoje. Com essa constatação em mente, a Agência Fides lançou um dossiê (que não é de dados sigilosos do governo, haha!) sobre os fatores que contribuem para acentuar a crise nas famílias européias. Fiquem com reportagem de ZENIT (fonte aqui).

Aborto é primeira causa de mortalidade na Europa

Fides publica o dossiê «A crise da família na Europa»

Por Nieves San Martín

ROMA, terça-feira, 22 de abril de 2008 (ZENIT.org).- A agência da Congregação vaticana para a Evangelização dos Povos, «Fides», (www.fides.org), publicou um dossiê intitulado «A crise da família na Europa» no qual reúne dados sobre a diminuição da população do velho continente e os graves problemas que ameaçam à instituição familiar, entre eles o aborto.

No dossiê são enfrentados os seguintes temas: «A população européia»; «O envelhecimento»; «A natalidade»; «O aborto»; «A idade da maternidade»; «Os custos sociais»; «A pobreza das famílias»; «A pobreza das crianças»; «A destruição da instituição matrimonial»; «A adoção de menores para os solteiros»; «A família cristã».

Sobre o tema da população européia, o dossiê recolhe dados da Rede Européia do Instituto de Política Familiar (IPF), dos quais emerge um crescimento lento da população européia, ainda que maior nos anos 2002-2007, em relação aos cinco anos precedentes (Cf. Zenit, 10 de janeiro de 2008).

Entre 1994 e 2006 a população européia cresceu em 19 milhões de pessoas. 80% do crescimento da população durante esse período foi pela presença de quinze milhões de imigrantes, não pelo crescimento natural, que permaneceu estável (ao redor de 310.000 pessoas por ano), muito inferior aos Estados Unidos, onde o crescimento da população é 12 vezes superior à europa.

A relação calcula que a partir de 2025 a Europa começará lentamente a despovoar-se, enquanto que os Estados Unidos continuarão crescendo.

Em relação ao envelhecimento, o dossiê afirma que na Europa há mais pessoas idosas do que crianças. A população com menos de 14 anos representa apenas 16,2% do total da população (80 milhões de pessoas na EU em 27 países). O aumento de mais de 18 milhões de pessoas idosas, em 25 anos, é de 29%.

Sobre a natalidade o dossiê adverte que na Europa nascem cada vez menos crianças: em 2006, houve apenas 5,1 milhões de nascimentos. A situação está estável de 1995 a 2006, com um aumento entre 2005 e 2006 de apenas de 1,1%.

Sobre o tema do aborto, o dossiê afirma que a cada 25 segundos se realiza um aborto na Europa em 27 países, onde cada dia se fecham três escolas por falta de crianças.

A Espanha é o país onde mais aumentou o número de abortos nos últimos dez anos, com um aumento de 75%, seguido pela Bélgica, com 50% e Holanda, com 45%.

O aborto é a primeira causa de mortalidade na Europa e fez mais vítimas que as enfermidades cardiovasculares, os acidentes de trânsito, droga, álcool e suicídios. Desta forma, o número de abortos é superior ao número de mortes por enfermidades.

Sobre a idade da maternidade, o dossiê afirma que a idade média da maternidade na Europa se atrasou quase até os 30 anos. As mulheres espanholas são aquelas que têm filos mais tarde (30,8 anos), seguida por aquelas da Irlanda (30,6), Holanda (30,4) e Dinamarca (30,1). Em todos os países da Europa ocidental se comercializa a pílula RU486, que tornou-se o mais formidável sistema de controle de nascimentos.

Em relação aos gastos sociais, o dossiê adverte que 27% do PIB que em proporção a Europa destina aos gastos sociais, só 2,1% favorece as políticas familiares, que não são consideradas uma prioridade. A Europa destina menos de um euro à família em relação aos 13 euros destinados aos gastos sociais.

No que se refere à pobreza nas famílias o dossiê indica que a incidência da pobreza subjetiva geralmente é maior nos países mediterrâneos, menos naqueles nórdicos. A porcentagem de famílias que percebem um estado de mal estar é muito mais elevado na Grécia (76%) e na Espanha (60%), muito elevado se comparado com Suíça, Dinamarca e Finlândia, onde a cota de famílias subjetivamente pobres está entre 11 e 16% ou na Noruega e Luxemburgo, onde é ainda mais baixa.

Sobre a pobreza das crianças, o dossiê indica que há 97,5 milhões de crianças da União Européia entre 0 e 17 anos, e destes, 19 milhões estão em risco de pobreza.

A media européia de pobreza infantil está em torno a 19%. De cada quatro crianças, na Itália, há uma que corre o risco de viver sob o limiar da pobreza. O mesmo sucede nos novos estados membros, como Lituânia, Hungria, Romênia, Letônia e Polônia. Na Alemanha, o índice de pobreza infantil é de 12%, na França de 13%, na Holanda 14%, na Dinamarca de 10%, na Espanha e no Reino Unido é de 24%.

Sobre a violência doméstica, o dossiê afirma que, no âmbito mundial, é a primeira causa de morte para as mulheres entre os 16 e 44 anos. Mata mais o marido, o noivo ou o amante, e às vezes também os filhos, que o câncer, os acidentes de trânsito ou as guerras. Na Europa, os delitos cometidos contra as mulheres na família tocam a 5,84 mulheres sobre um milhão, segundo uma recente investigação espanhola.

Enquanto à destruição da família, o dossiê afirma que, em 25 anos (1980-2005), o número de matrimônios na Europa diminuiu em 692.000, com uma perda de 22,3%, com uma queda da taxa nupcial, que passou de 6,75 em 1980 a 4,88 em 2005, apesar de que a população tenha passado de mais de 33 milhões de pessoas. De cada dois matrimônios que se celebram na Europa, um acaba em separação.

Em relação à adoção de menores também pelos solteiros, o dossiê afirma que tudo deixa pensar que no próximo mês de maio, o Conselho da Europa aprovará o novo texto da Convenção européia sobre a adoção de menores. Se isto acontecer, os solteiros terão o direito de adotar uma criança e todos os Estados europeus deverão modificar suas leis nacionais para adaptá-las a este princípio.

Sobre a família cristã, o dossiê recorda o encontro de famílias em Madri denunciando a situação de indefesa das mesmas.

São necessárias, afirma, «iniciativas políticas para prevenir os divórcios, conciliar a vida profissional e familiar, combater a violência doméstica, proteger a eleição de atender a tempo completo os próprios filhos até os três anos de idade, reduzir os impostos sobre os produtos para o cuidado das crianças». São algumas das indicações contidas na «Proposta para uma estratégia da União Européia para o sustento dos casais e do matrimônio», redigido pelo secretário da COMECE (Comissão dos Episcopados da Comunidade Européia) e apresentado em 5 de novembro de 2007 em Bruxelas.

Este dossiê está disponível em:

http://www.fides.org/spa/documents/dossier_crisis_familia_290308.doc

Voltei. Vejam o parágrafo em negrito. Prestem muita atenção. Apesar de toda a reportagem ser importante, aquele parágrafo chama especialmente a atenção. Enquanto a Europa vive uma crise de despovoação, muitos europeus, para combater o decréscimo populacional estão... matando bebês!
É um absurdo total!

Que Deus salve a Europa!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

terça-feira, 22 de abril de 2008

Kelly Clarkson canta para o Papa

Saudações queridos leitores!

Kelly Clarkson canta para o Papa, sem comentários.


Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Ex-bispo de esquerda vence eleições no Paraguai

Saudações queridos leitores!

Aposto os pinos do meu ombro como teremos muitos problemas com a eleição de Fernando Lugo, bispo Católico suspenso, fã de Betto, Boff e cia, devoto da trindade esquerdóide. Fiquem com notícia do Terra (íntegra aqui), volto depois.

Ex-bispo de esquerda vence eleições no Paraguai

O ex-bispo e candidato da esquerda Fernando Lugo ganhou as eleições presidenciais realizadas hoje no Paraguai, derrotando a candidata do governo, Blanca Ovelar, e acabando com 61 anos de hegemonia do Partido Colorado. Lugo tem 40,5% dos votos, contra 31,0% para Ovelar, segundo a projeção do Tribunal Eleitoral baseada na apuração de 75% das urnas.

Ao comemorar o resultado, Lugo, 56 anos, disse que as eleições de hoje provaram que "os pequenos também podem vencer" no Paraguai.

(...)

Com a vitória de Lugo, todos os países do Mercosul passarão a ser governados por presidentes de esquerda: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, além das nações associadas Chile e Bolívia e da Venezuela, atualmente em processo de ingresso como membro pleno.

Lugo é Partidário da Teologia da Libertação, admirador de Leonardo Boff e de Dom Helder Câmara, simpatizante dos governos de Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia) e de Rafael Correa (Equador).

Durante a campanha, Lugo prometeu que sob seu governo o Paraguai evitará se posicionar em um dos pólos de esquerda regional, e que fará uma reforma agrária respeitando a Constituição.

A reforma agrária é algo que afeta muitos brasileiros da fronteira que vivem no lado paraguaio, os chamados "brasilguaios".

O ex-bispo disse ainda que vai renegociar a maneira como o Paraguai vende a energia elétrica da represa binacional de Itaipu ao Brasil para estipular "um preço de mercado".

"A energia não está sendo vendida ao Brasil por um preço justo porque é valor de custo e não o de mercado. Ninguém dá energia a preço de custo. A Venezuela não vende seu petróleo a preço de custo. Assim como o Chile não dá o seu cobre e a Bolívia não vende o seu gás a preço de custo".
O Paraguai vende ao Brasil o excedente de sua parte da energia que não consome a um preço fixado em um acordo de 1973.

Lugo alega que os 300 milhões de dólares pagos pelo Brasil anualmente ao Paraguai são irrisórios quando na realidade deveria pagar entre 1,5 a 2 bilhões de dólares, a preço de mercado.

Voltei. É, queridos leitores, a situação é muito pior do que imaginávamos. O que essa gente fala não se escreve. Um dos pontos altos da campanha de Dom Fernando Lugo é algo no mínimo delirante: ele quer reajustar as tarifas da energia elétrica de Itaipu que é vendida ao Brasil em 6 vezes! Isso mesmo. Essa alta é correspondente à alta do petróleo atualmente! Isso é um descalabro, mas como vivemos na república dos bananas, não duvido nada de que isso realmente aconteça.

A usina de Itaipu foi construída em um convênio entre Brasil e Paraguai. Como parte do tratado assinado com essa finalidade, está a obrigação de um país vender o excedente de energia para o outro, obrigatoriamente, a preço de mercado. O que acontece é que o Paraguai não tinha dinheiro para financiar a sua metade na construção da usina, o que obrigou o Brasil a financiar a construção toda. Então, depois que a usina ficou pronta, a energia que o Paraguai não usa é vendida para o Brasil, mas o valor o empréstimo feito para a construção da mesma é descontado.

Se o novo presidente quiser que paguemos o preço de mercado, sem os descontos, o Brasil deveria executar a dívida que o Paraguai tem conosco até 2023, mas o problema é que isso custaria o equivalente a uns três ou quatro Paraguais.

Os nossos bananas de Brasília logo logo começarão a piscar os olhinhos para essa proposta indecente, garanto. Afinal de contas, como dá pra ver na reportagem, Dom Fernando é mais um "cumpanhêro" dos animais esquerdistas que infestam a política sul americana.

A melhor saída da América Latina é pelo aeroporto.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Vida com quatro células de idade

Saudações queridos leitores!

Já está mais que provado que a argumentação de quem defende que os embriões já são vida desde sua primeira célula não é baseada em argumentos religiosos. Por mais que haja um viés religioso na argumentação, principalmente quando a mesma vem de religiosos, o que é natural, esses argumentos não são essenciais para a sustentação da tese. Fiquem com artigo publicado em ZENIT (fonte aqui).

Vida com quatro células de idade

Autores criam uma defesa filosófica da vida humana nos primeiros estágios

Por Pe. John Flynn, LC

ROMA, domingo, 20 de abril de 2008 (ZENIT.org).- A pesquisa com células tronco usando material tirado de embriões humanos continua aquecendo o debate. Aqueles que defendem o uso de embriões mantêm que nos primeiros estágios as células não podem ser consideradas uma pessoa humana. Entretanto, um livro recente de dois filósofos argumenta o contrário.

Robert P. George, que é também membro do President’s Council on Bioethics, e Cristopher Tollefsen evitam argumentos com base religiosa e trazem à luz uma série de princípios científicos e filosóficos em favor do status humano do embrião. Em «Embryo: A Defense of Human Life» (Embrião: uma defesa da vida humana), da Doubleday, eles sustentam que o ser humano tem seu início no momento da concepção.

O livro começa narrando a história de um menino chamado Noah, nascido em janeiro de 2007. Ele foi resgatado, junto com outros embriões congelados, do desastre que ocorreu em Nova Orleans em 2005. Essa é a vida de Noah – uma vida humana – que foi salva, apontam George e Tollefsen; a mesma vida que foi depois implantada em um útero e subseqüentemente, nasceu.

Um embrião humano, continuam, é um membro vivente da espécie humana mesmo nos primeiros estágios do desenvolvimento. Não somente um tipo de outro organismo animal, ou algum tipo de um amontoado de células que depois sofrem uma transformação radical. A menos que algum tipo de trágico acidente ocorra, um ser no estágio embrionário procederá ao estágio fetal e continuará progredindo no seu desenvolvimento.

O ponto em tema, de acordo com os autores, está em qual estágio podemos identificar um simples sistema biológico que começou no processo de iniciar um ser humano.

Esse decisivo momento, argumentam, vem com a concepção. Alguns especialistas médicos acreditam que isso acontece ligeiramente depois, com a formação da união dos cromossomos do espermatozóide e do óvulo. Em todo caso, continuam George e Tollefsen, há um consenso geral de que a estrutura cromossômica está formada.

Eles argumentam que existem 3 pontos-chave para levar em consideração o status humano do embrião.

– Desde o início, ele é distinto de qualquer célula da mãe ou do pai.

– É humano em sua estrutura genética.

– É um organismo completo, ainda que imaturo, e protegido de doenças ou violência, e se desenvolverá até o estágio maduro de um ser humano.

Conseqüentemente, destruir de embriões humanos, mesmo nos primeiros estágios, para obter células-tronco para pesquisa ou tratamento médico é dar licença para matar uma certa classe de seres humanos para beneficiar outros.

Não apenas ciência

Diante desta situação, George e Tollefsen rejeitam a posição que os cientistas sozinhos devem determinar o que fazem em seus laboratórios. O problema com as células-tronco embrionárias é que o ritmo da tecnologia vai além de uma discussão sobre a natureza e valor dos embriões humanos, dizem os autores.

Ir contra essas pesquisas não nos coloca em um clássico tipo de situação ciência versus religião, afirmam. Ir contra a destruição da vida humana em seu estágio inicial não tem relação com princípios religiosos, ou em acreditar que a vida é dotada de uma alma, acrescenta o livro.

Razões puramente filosóficas são suficientes para nos guiar em determinar o que é eticamente lícito fazer com os embriões humanos. Neste sentido, defender os direitos de um embrião é a mesma coisa que defender uma pessoa contra uma injusta discriminação, argumentam George e Tollefsen.

Eles admitem que existem diferentes filosofias morais. Uma teoria a se descartar é a do conseqüencialismo, que nos leva a achar que existem alguns seres humanos que devem ser sacrificados por um bem maior.

George e Tollefsen encontram sua posição ética na teoria da lei natural, que leva à conclusão que é moralmente errado danificar ou destruir um bem humano básico. Se, entretanto, um cientista for procurar uma cura para alguma doença, mas o método envolve a destruição deliberada da vida humana, isso não é lícito.

Um direito humano básico que, de fato, quase todos os teóricos em direito natural concordam é que uma pessoa inocente não deve ser diretamente morta ou mutilada. A capacidade do ser humano de racionalizar e escolher livremente nos torna exclusivos e nos dá a dignidade maior que a de outros seres vivos. Um ataque à vida humana é, conseqüentemente, um ataque à dignidade humana, não importando a idade da vítima ou seu estágio de desenvolvimento, concluem os autores.

Pessoas

Um dos capítulos do livro trata da objeção que enquanto um embrião pode ser humano ele não é, contudo, uma pessoa e não tem a mesma dignidade ou direitos. George e Tollefsen respondem que esse ponto de vista é um engano, pois cai no erro de considerar que alguns seres humanos são inferiores do que outros, com base em características acidentais.

De fato, eles continuam, negar o status de personalidade baseado na capacidade para atividades mentais ou outros parâmetros de funcionalidade gera muitos problemas. Estamos permitindo matar bebês recém-nascidos, dado que eles também são inaptos a seguir com as funções humanas básicas?

Por outro lado, nós perceberíamos que uma mera diferença quantitativa em capacidade não é o critério correto para determinar direitos, pois é apenas uma diferença de grau. A diferença real está entre seres humanos e todos os outros animais não-humanos, com os quais há uma enorme diferença de tipo. Desta forma, o embrião é um adulto em potencial, da mesma forma que os bebês, as crianças e os adolescentes são adultos em potencial.

Os embriões já são, eles insistem, seres humanos, e não são meros potencialmente humanos. Além disso, o direito à vida de um humano não varia de acordo com o estágio de seu desenvolvimento porque é um direito fundamental da pessoa. «É o direito no qual todos os outros direitos são fundamentados, e marca onde um ser é um ser de prestígio moral.»

Falácia

Outro argumento falacioso é o que sustenta que o embrião não é merecedor de um status moral porque uma grande porcentagem deles falha ao ser implantados no útero materno ou são espontaneamente abortados. Os autores sinalizam que isso é uma falácia naturalística, supondo que o que acontece na natureza deve ser moralmente aceitável quando causada por ato humano.

A falsidade desse argumento é também evidente, falam George e Tollefsen, quando se considera que historicamente, a mortalidade infantil tem sido bem alta. Nessa situação, só porque muitos bebês jovens morrem não torna eticamente lícito eles serem mortos para beneficiar outros.

Outra linha de argumento usada para defender a pesquisa com células embrionárias é que existem milhares de embriões congelados que acabam rejeitados após tratamentos de fertilização artificial, e que nunca terão uma chance de ser implantados e chegar à maturidade. Um cientista poderia usar essas células para o bem da pesquisa.

George e Tollefsen respondem dizendo que é manifestamente injusto pedir a uma pessoa – nesse caso o embrião – para sacrificar sua vida desta maneira. «Os seres humanos possuem um direito moral de não ser intencionalmente mortos para beneficiar outros», declaram.

Eles também argumentam que é um erro condenar milhares de vidas humanas para um tipo de limbo gelado. Dessa forma, o processo de criação e congelamento de embriões precisa ser questionado, dizem os autores.

Nós precisamos voltar nossa atenção a esse fato, recomendam George e Tollefsen, não pelo uso de embriões como se fossem uma espécie de material biológico, mas em reconhecer sua humanidade. Esses e outros argumentos persuasivos no livro fazem dele uma leitura considerável nesse tempo no qual a ciência está em risco de seguir adiante sem nosso racionamento ético.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Bento XVI é o primeiro Papa a visitar sinagoga americana

Saudações queridos leitores!

Em mais uma manifestação do respeito que a Igreja Católica tem pelos judeus, o Papa Bento XVI visitou uma sinagoga em Nova York. Essa é a primeira visita de um Papa a uma sinagoga nos Estados Unidos e Bento XVI é, após João Paulo II, de grande memória, o segundo Pontífice a visitar uma sinagoga. Fiquem com reportagem de ZENIT (fonte aqui), volto depois.

Bento XVI é o primeiro Papa a visitar sinagoga americana

NOVA YORK, domingo, 20 de abril de 2008 (ZENIT.org).- Bento XVI se tornou o primeiro Papa a visitar uma sinagoga americana quando visitou a Park East Synagogue em Manhattan, logo antes do início da Páscoa.

Dirigindo-se aos líderes da comunidade judaica na sexta-feira, o Santo Padre falou do seu desejo de expressar «respeito e estima pela comunidade judaica de Nova York».

Após agradecer o Rabino Schneier por suas palavras de boas-vindas, Bento XVI disse: «Sei que a comunidade judaica faz uma válida contribuição para a vida da cidade, e encorajo todos vocês a continuarem construindo pontes de amizade com todos os mais diferentes grupos étnicos e religiosos presentes em sua vizinhança».

O Papa renovou seus votos de Páscoa para a comunidade e assegurou-lhes suas orações «nesse tempo, em que vocês se preparam para celebrar a grande façanha do Todo-Poderoso, e para cantar louvores para ele que fez maravilhas para seu povo».

A Park East Sinagogue foi construída em 1889 e é um dos pontos históricos da cidade.

Voltei. Essa é uma prova do amor e respeito mútuos que devem ser exercidos por ambos os lados. Devemo muito aos judeus, os primeiros guardiões da nossa Fé. Espero sinceramente que o tratamento cordial venha de ambos os lados.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Discursos do Papa: ONU

Saudações queridos leitores!

Trago nos próximos textos alguns dos principais discursos feitos pelo Santo Padre, o Papa, durante sua visita aos Estados Unidos. Fiquem com ZENIT (fonte aqui).

Palavras do Papa a diretores e funcionários das Nações Unidas

NOVA YORK, sexta-feira, 18 de abril de 2008 (ZENIT.org).- Publicamos as palavras que Bento XVI dirigiu aos diretores e funcionários das Nações Unidas na sala da assembléia geral.

* * *

Senhoras e senhores:

Aqui, neste pequeno lugar no meio da movimentada cidade de Nova York, encontra-se situada uma Organização que tem uma missão tão vasta como o mundo: a promoção da paz e da justiça. Isso me lembra um contraste parecido, no referente à magnitude, entre o Estado da Cidade do Vaticano e o mundo, no qual a Igreja realiza sua missão universal e seu apostolado. Os artistas que no século XVI pintaram os mapas geográficos nas paredes do Palácio Apostólico recordaram aos Papas a enorme extensão do mundo conhecido. Nestes frescos se apresentava aos Sucessores de Pedro um sinal palpável do imenso raio de ação da missão da Igreja, em um tempo no qual o descobrimento do Novo Mundo abria horizontes inesperados. Aqui, neste Palácio de Cristal, a arte que se mostra tem sua própria maneira de recordar as responsabilidades da Organização das Nações Unidas. Vemos imagens dos efeitos da guerra e da pobreza, lembramos do dever de comprometer-nos por um mundo melhor e experimentarmos alegria pela genuína variedade e exuberância da cultura humana, como se manifesta no amplo leque de povos e nações reunidos sob a proteção da Comunidade Internacional.

Por ocasião de minha visita, desejo prestar homenagem à incalculável contribuição do pessoal administrativo e dos funcionários das Nações Unidas, que desempenham suas tarefas cada dia com grande dedicação e profissionalismo, seja aqui, em Nova York, como em outros centros da ONU ou em missões particulares por todo o mundo. Quero expressar a vós e a todos que vos precederam meu agradecimento pessoal e o de toda a Igreja. Recordamos de maneira especial tantos civis e custódios da paz – 42 só em 2007 – que sacrificaram suas vidas pelo bem dos povos aos que servem. Recordamos também a grande multidão dos que dedicam sua vida a trabalhos nem sempre suficientemente reconhecidos e realizados com freqüência em condições difíceis. A todos vós, tradutores, secretários, pessoal administrativo de toda classe, equipes de manutenção e de segurança, trabalhadores para o desenvolvimento, custódios da paz e a tantos outros, dirijo meus mais sinceros agradecimentos. O trabalho que levais a cabo permite à Organização buscar continuamente novas vias para alcançar os objetivos para os quais foi fundada.

Fala-se freqüentemente das Nações Unidas como da «família das nações». Da mesma maneira, poderá falar-se da sede central, aqui em Nova York, como de um lar doméstico, um lugar de boas vindas e de preocupação pelo bem dos membros da família em todas as partes. É um lugar excepcional para promover o aumento da compreensão mútua e da colaboração entre os povos. É por isso que os funcionários das Nações Unidas são escolhidos entre um amplo leque de culturas e nacionalidades. As pessoas aqui forma um microcosmos do mundo inteiro, no qual cada um dá uma contribuição indispensável dede o ponto de vista de seu próprio patrimônio cultural e religioso. Os ideais que inspiraram os fundadores desta instituição devem expressar-se, aqui e em cada uma das missões da Organização, no respeito e na aceitação recíproca, que são características de uma família prospera.

Nos debates internos das Nações Unidas se está dando uma importância crescente à «responsabilidade de proteger». De fato, esta começa a ser reconhecida como a base moral do direito de um governo a exercer a autoridade. É também uma característica que pertence por natureza à família, na qual os membros mais fortes cuidam dos mais fracos. Esta Organização, supervisionando de que maneira os governos cumprem com sua responsabilidade de proteger seus cidadãos, presta um serviço importante em nome da comunidade internacional. No âmbito do dia a dia, sois vós quem, mediante a atenção que mostrais uns pelos outros no lugar de trabalho e vossa preocupação pelos numerosos povos aos quais servis em suas necessidades e aspirações com sua atividade, pondes os fundamentos para realizar este cometido.

A Igreja Católica, através da atividade internacional da Santa Sé e mediante as inumeráveis iniciativas dos leigos católicos, Igrejas locais e comunidades religiosas, oferece-vos seu apoio em sua tarefa. Eu vos asseguro uma lembrança especial em minhas orações por vós e vossos familiares. Que Deus todo-poderoso vos abençoe sempre e vos conforte com sua graça e sua paz para que, mediante vossa atenção a toda a família humana, possais continuar servindo-O.

[Tradução: Élison Santos. Revisão: Aline Banchieri

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Marinha mantém buscas a padre desaparecido em SC

Saudações queridos leitores!

O Padre Adelir Antonio de Carli é um sacerdote conhecido por seu modo aventureiro, que por vezes acho questionável, de evangelizar. Ele está desaparecido desde o último dia 20, enquanto efetuava uma viagem em balões de festa, algo que eu já tive vontade de fazer. Fiquem com notícia do Ultimo Segundo (fonte aqui), volto depois.

Marinha mantém buscas a padre desaparecido em SC

Embarcações da Marinha, com auxílio de pescadores, estão à procura do padre Adelir Antonio de Carli, de 41 anos, que está desaparecido desde ontem (20) no mar de Santa Catarina. Nascido em Realeza (PR) e à frente da Coordenadoria Pastoral Rodoviária do Paraná, Carli levantou vôo da cidade de Paranaguá(PR) com o objetivo de bater um recorde: voar por 20 horas usando balões de festa gigantes; por isso teria escolhido o dia 20. A intenção era realizar o pouso na cidade de Dourados(MS).

Por causa do mau tempo, o aventureiro padre chegou a ficar a mais de 50 quilômetros da costa. Antes de deixar o chão, ainda deixou sua mensagem para todos: "Se o padre voa para ajudar os que rodam, por que você também não pode ajudar?".

No final da tarde, parte dos balões que permitiram Carli levantar vôo foi encontrada no mar de São Francisco do Sul, litoral norte catarinense. Militares teriam conseguido entrar em contato, via celular, com o padre momentos antes da queda.

Voltei. Temo pela vida do Padre Adelir. Cabe a nós rezarmos para que ele seja encontrado a salvo.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

domingo, 20 de abril de 2008

Bento XVI visita 'Ground Zero' e reza por vítimas dos ataques de 11 de setembro

Saudações queridos leitores!

Em um dos momentos mais esperados e marcantes de sua visita aos Estados Unidos, o Papa Bento XVI visita o local das tragédias ocorridas em 11 de setembro de 2001. Fiquem com notícia da AFP (íntegra aqui), volto depois.

Bento XVI visita 'Ground Zero' e reza por vítimas dos ataques de 11 de setembro

NOVA YORK, 20 Abr 2008 (AFP) - O papa Bento XVI prestou homenagem neste domingo às 3.000 vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001 rezando em sua memória no último dia da visita aos Estados Unidos, que será concluída com uma missa no estádio de beisebol dos Yankees de Nova York.

"Te pedimos que por tua bondade concedas a luz e a paz eternas a todos os que morreram aqui", disse o Papa após ter se ajoelhado por alguns minutos em silêncio no local da tragédia.

Bento XVI rezou por aqueles "que heroicamente socorreram os primeiros, nossos bombeiros, policiais, serviços de emergência e as autoridades portuárias, e todos os homens e mulheres inocentes que foram vítimas desta tragédia simplesmente porque vieram aqui para cumprir com seu dever".

O sumo pontífice orou diante da área onde ficavam as Torres Gêmeas do World Trade Center, no sul de Manhattan.

Os ataques, praticados paralelamente ao do Pentágono em Washington com aviões seqüestrados por suicidas, deixaram cerca de 3.000 mortos e paralisaram os centros nevrálgicos financeiro e militar dos Estados Unidos.

"Alivie também a dor das famílias que ainda sofrem e de todos os que perderam seus entes queridos nesta tragédia. Dai-lhes força para continuar vivendo com valentia e esperança", rezou o santo padre.

Posteriormente, o papa que vestia a batina cruzada branca, conversou com alguns familiares das vítimas que compareceram à breve cerimônia, antes de deixar o local no "papamóvel".

Bento XVI é o primeiro papa a visitar o local. "A visita do Papa é muito importante para famílias como a minha, que nunca recuperaram os corpos dos seus parentes", explicou à AFP Sally Regenhard, que perdeu um filho em 11 de setembro de 2001.

Voltei. Esses atentados devem ser condenados veementemente por todos os que amam e prezam a liberdade, porque eles não foram atentados a uma pátria, mas sim ao mundo em que vivemos, um mundo onde a liberdade é um valor fundamental e inegociável.

Nós, e quando digo isso, não falo apenas dos americanos, dessa ou daquela nação, mas sim de todo o mundo ocidental, damos tanto valor à liberdade que permitimos que dentro de nosso mundo floresçam até mesmo ideologias e pensamentos que visam destruir essa mesma liberdade que lhes permitiu nascer. Apesar disso, não podemos baixar a guarda jamais, temos que nos manter vigilantes para rechaçar qualquer ameaça contra a liberdade, venha de onde vier.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Evangelho de Domingo - 5º Domingo da Páscoa

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários de Santa Catarina de Sena.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo João.

Evangelho (Jo 14, 1-12 (5º Domingo da Páscoa))

1Não se perturbe o vosso coração. Acreditai em Deus, acreditai também em Mim. 2Em casa de Meu Pai há muitas habitações. Se assim não fora, ter-vo-lo-ia dito, pois vou preparar-vos um lugar. 3E, quando Eu tiver ido e vos tiver preparado um lugar, virei novamente e levar-vos-ei para junto de Mim, a fim de que, onde Eu estiver, vós estejais também. 4E, para onde Eu vou, vós sabeis o caminho. 5Diz-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como é que sabemos o caminho? 6Responde-lhe Jesus: Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vai ao Pai, senão por Mim. 7Uma vez que Me conheceis, conhecereis também a Meu Pai. Agora ficais a conhecê-Lo e já O vistes. 8Diz-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta. 9Responde-lhe Jesus: Há tanto tempo que estou convosco, e não Me conheceis, Filipe? Quem Me viu viu o Pai. Como é que tu dizes: "Mostra-nos o Pai"? 10Não acreditais que Eu estou no Pai e que o Pai está em Mim? As palavras que Eu vos digo, não as profiro por Mim mesmo; e o Pai, permanecendo em Mim, é que faz as obras. 11Acreditai-Me: Eu estou no Pai e o Pai está em Mim. Ao menos, acreditai-o por causa das mesmas obras. 12Em verdade, em verdade vos digo: Quem acredita em Mim fará também as obras que Eu faço e fá-las-á maiores do que estas, porque Eu vou para o Pai.

Palavra da Salvação.

Comentário ao Evangelho do dia feito por:

Santa Catarina de Sena (1347-1380), terceira dominicana, doutora da igreja, co-padroeira da Europa

Oração 16
«Na casa de meu Pai há muitas moradas»

Tu queres, Pai eterno, que te sirvamos segundo a tua vontade, e conduzes os teus servidores de diferentes maneiras e por diversas vias. Assim tu mostras que não devemos de modo algum julgar as intenções do homem pelos actos que nos apercebemos do exterior... A alma que na tua luz vê a luz (Sl 35,10) regozija-se ao contemplar em cada homem as tuas formas variadas, as tuas vias inumeráveis. Porque ainda que caminhem por diferentes vias, eles não correm menos pela estrada da tua ardente caridade. De resto, sem isso eles não seguiriam verdadeiramente a tua verdade. É por isso que vemos alguns correr por um caminho de penitência, estabelecida na mortificação corporal; outros estabelecidos sobre a humildade e a mortificação da sua própria vontade; outros sobre uma fé viva; outros sobre a misericórdia; e outros todos abertos ao amor ao próximo, depois de se terem esquecido de si mesmos.

Por este modo de ver, a alma... desenvolve-se e adquire a luz sobrenatural pela qual descobre a largueza sem medida da tua bondade. Como têm o sentido do real, esses que vêem a tua vontade em todas as coisas! Em todas as acções dos homens, eles consideram a tua vontade sem julgar a das criaturas. Compreenderam bem e receberam a doutrina da tua verdade, quando diz: «não julgueis segundo as aparências» (Jo 7,24).

Ó Verdade eterna, qual é o teu ensinamento? Por que caminho é que tu queres que vamos ao Pai? Que via nos convém seguir? Não posso ver outra estrada que não seja a que pavimentaste com as virtudes verdadeiras e reais da tua ardente caridade. Tu, Verbo eterno, tu a aspergiste com o teu sangue; é ela a via.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Papa diz aos jovens que sua adolescência foi arruinada pelo nazismo

Saudações queridos leitores!

Ainda há más línguas que insistem em dizer que o Papa foi um simpatizante do nazismo. Para que não restem mais dúvidas, fiquem com reportagem da EFE (íntegra aqui), volto depois.

Papa diz aos jovens que sua adolescência foi arruinada pelo nazismo

O papa Bento XVI disse hoje, no festivo e espontâneo encontro com cerca de 20.000 jovens no seminário de St. Joseph, em Nova York, que sua adolescência foi "arruinada por um regime funesto", em referência ao nazismo.

Bento XVI afirmou hoje aos jovens que seus anos de adolescência foram arruinados por "um regime funesto, que pensava que tinha todas as respostas".

"Seu influxo cresceu, se infiltrando nas escolas e nos organismos civis, assim como na política e inclusive na religião, antes que pudesse se perceber que era um monstro", disse.

O papa tinha naquela época 17 anos, e nos últimos meses da Segunda Guerra Mundial (1942-1945) foi chamado para os serviços auxiliares antiaéreos do Exército alemão.

Bento XVI disse aos jovens que agora muitos deles podem aproveitar a liberdade que surgiu graças à expansão da democracia e do respeito aos direitos humanos.

No entanto, advertiu, que "o poder destruidor permanece. Dizer o contrário será enganar a si mesmo", mas acrescentou que "este jamais triunfará".

Voltei. O nazismo foi um mal que assolou o mundo inteiro, mas que com a graça de Deus e com o sangue de muitos, foi praticamente erradicado do mundo civilizado. Como foi relatado na reportagem, durante a Segunda Guerra Mundial, o Santo Padre era jovem demais para ter qualquer participação efetiva. Apenas nos últimos meses que ele foi incorporado e mesmo assim desertou, colocando sua vida em risco.

Muitos podem não saber, mas o Papa teve um primo deficiente assassinado em um processo eugenista dos nazistas. Não dá pra simpatizar com isso, de jeito nenhum.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.