sábado, 19 de janeiro de 2008

A política dos narcoterroristas

Saudações queridos leitores!

Essa cambada das esquerdas realmente odeia a vida! Já que sua ideologia vagabunda não consegue garantir qualidade de vida para ninguém, não querem que ninguém viva. A sede deles por sangue inocente me assusta! Fiquem com notícia da ACI Digital (fonte aqui), volto depois.

Jovem guerrilheira escapa das FARC para evitar que a submetam a aborto


BOGOTÁ, 12 Jan. 08 / 12:00 am (ACI).- Uma jovem guerrilheira de 17 anos com três meses de gestação fugiu faz uns dias das FARC, a que pertencia, para evitar que a submetessem a um aborto e salvar assim a vida de seu filho. A moça denunciou também que é prática comum com as mulheres grávidas deste grupo fazê-las abortar.

Conforme informa a edição em linha do jornal colombiano El Tempo, esta moça, conhecida com o apelido de "Nicole", foi obrigada pelos guerrilheiros da Frente Alfredo González, que opera na zona Tolima, a tomar bebidas preparadas com químicos abortivos com o objetivo de fazê-la abortar.

A jovem escapou em 19 de dezembro e se entregou a soldados da Brigada Móvel Nove, com um recipiente que continha 10 quilos de anfo e outros explosivos que devia ativar na passagem de um comboio militar.

"Eu estava sob o mando de 'Coelho'. Meus camaradas me deixaram em uma casa na vereda (pequeno povoado) Nazareno em Planadas, Tolima, com os explosivos e, como tinham me advertido do aborto, aproveitei e me voei (escapei)", disse Nicole na localidade de Neiva, onde foi acolhida no sábado passado em um lar substituto do Instituto Colombiano de Bem-estar Familiar (ICBF), e está sob a proteção de soldados da Novena Brigada.

A jovem, oriunda da localidade de Cartago ingressou nas FARC aos 10 anos –é prática comum desta guerrilha recrutar meninas para suas filas– em São Vicente de Caguán, onde vivia com uma tia. Esteve na zona de distensão em Caguán como parte das mulheres ao serviço de Raúl Reyes; foi trabalhadora do rancho da Frente Joselo Lozada no Aipe, Huila; e faz cinco meses foi enviada a Planadas, Tolima, como coordenadora de explosivos, explica El Tiempo.

Segundo os médicos que a atenderam no Hospital Universitário da Neiva, a jovem terá uma gravidez de alto risco. Seu estado é estável e o menino que espera está vivo. O que ainda fica por verificar, disseram os médicos, é de que maneira afetaram ao bebê os químicos abortivos que os guerrilheiros a obrigaram a tomar para ocasionar-lhe a perda de seu filho.

Voltei. Cadê os esquerdistas para defender que o "socialismo-comunismo-sei-lá-o-que" é algo bom? Nessas horas a chamada "esquerda católica", um troço que é um paradoxo semelhante a uma bola quadrada, some do mapa.

O que está na reportagem acima não é fato isolado, mas sim política da guerrilha. Além dos quase 800 seqüestrados, essa menina era uma cativa deles. Uma cativa psicológica, mas seus instintos maternos falaram mais alto e ela conseguiu se libertar.

E ainda há gente que prega que as FARC são um grupo de resistência legítimo e que deve ser ouvido... babaquice!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Muçulmana defende Papa diante da intolerância

Saudações queridos leitores!

As reações de apoio ao Papa continuam chegando de todos os cantos. Dessa vez, uma voz muçulmana se ergue contra o obscurantismo que toma de assalto a La Sapienza. Fiquem com reportagem de ZENIT (íntegra aqui),volto depois.

Muçulmana defende Papa diante da intolerância

Após o veto a Bento XVI na Universidade

Por Nieves San Martín

ROMA, sexta-feira, 18 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- Continua na Itália a polêmica pelo adiamento da visita de Bento XVI à universidade «La Sapienza» de Roma. Entre as vozes que defendem a liberdade de expressão nos ateneus, destaca-se a de uma muçulmana.

Souad Sbai, que vive há 26 anos na Itália, é membro da Consulta Islâmica do Ministério do Interior, presidente de uma associação de mulheres muçulmanas e trabalha no jornal «Al Maghribya», único órgão de imprensa árabe na Itália.

A Sra. Sbai assina com data de hoje um artigo no jornal católico «Avvenire», com o título: «Essa intolerância eu conheço bem. Palavra de uma islâmica reformista».

Ela indica em seu artigo que, quando a notícia chegou à sede do Centro Cultural Averroes de Roma, na qual se encontrava nesse momento, «tudo parou». Na sede do centro, as amigas e colaboradoras passavam, «incrédulas, de mão e mão aqueles primeiras notícias de agência».

Souad Sbai relata que não lhes parecia possível que «este Papa se tivesse visto obrigado a renunciar à sua intervenção na maior universidade italiana».

«Um homem – acrescenta – que para nossas mulheres de cultura muçulmana é sobretudo o homem da paz e do diálogo, uma figura clemente e generosa que procura o encontro com os diferentes, socorrer os indefesos e oprimidos, defender em qualquer parte do mundo os direitos da pessoa.»

Para Sbai, o mais incrível é que o veto provenha justamente de «uma daquelas universidades do Ocidente às quais nós, mulheres árabes – que nos inspiramos em um pensador como Averroes – contemplamos como uma terra prometida da livre confrontação de conhecimentos e de saberes. Um lugar de esperança e não de intolerância para nós que sabemos bem aonde conduz a intolerância».

(...)

A ideologia que impede Bento XVI de tomar a palavra em um ateneu de sua cidade, afirma Souad Sbai, «é a mesma que convida alguns extremistas islâmicos e expoentes da esquerda mais extrema a falar nas universidades».

«Unidos, não por acaso – acrescenta –, pela mesma repulsa das grandes verdades da história e a mesma rejeição do pensamento humanístico, assim como do apaixonante debate sobre a relação entre fé e razão que justamente Bento XVI situou no centro do diálogo entre o Islã e o Ocidente.»

Com esta postura, segundo Sbai, ao invés de aceitar o repetido convite do Papa a «ampliar a razão», «restringe-se irracionalmente o horizonte do conhecimento e do debate, em detrimento dos estudantes que estão formando sua bagagem humana e intelectual, e do patrimônio cultural de todo o ateneu».

Voltei. Os luminares do obscurantismo conseguiram jogar o nome da La Sapienza na lama. Fazem um papel ridículo, digno da ideologia que eles defendem. Nesse episódio, mais uma vez saiu fortalecido o Papa e a Igreja, pois a máscara dos detratores caiu, já que ao tentar atingir o Santo Padre, ficaram escancarados os subterfúgios que gente dessa laia usa para sujar a reputação alheia.

O episódio a que os que rotestam se referem é uma alusão a Galileu Galilei. Para que entendam, Ratzinger citou esta frase incriminada pelos professores: «Na época de Galileu, a Igreja permaneceu muito mais fiel à razão que o próprio Galileu. O processo contra Galileu foi razoável e justo».

Os professores, no entanto, não explicavam que essa frase não era do cardeal Ratzinger, mas do filósofo da ciência Paul Feyerabend. O Papa a citou unicamente para ilustrar a evolução da posição da Igreja sobre Galileu. Isso foi citado em 1990!

Esse modus operandi já me é velho conhecido. Alerto aos leitores que prestem bastante atenção, pois essas pessoas não hesitam e usar de desonestidade para alcançarem seus objetivos. Fiquemos atentos.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Papa cancela visita à "La Sapienza"

Saudações queridos leitores!

Fiquem com notícia de ZENIT (íntegra aqui). Volto depois.

Papa anula visita à «La Sapienza» para não dar pretexto a protestos «desagradáveis»

Declaração do cardeal Bertone ao reitor da Universidade

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 16 de janeiro de 2008(ZENIT.org).- Bento XVI não visitará a Universidade «La Sapienza» de Roma para «eliminar todo pretexto» para protestos «desagradáveis» que poderiam acontecer por este motivo, explicou hoje o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, em uma carta que enviou ao reitor da universidade, Renato Guarini, com a qual lhe fez chegar o texto do discurso que o Papa havia preparado para sua visita.

Em sua mensagem ao reitor, o purpurado italiano recorda que «o Santo Padre havia acolhido com muito prazer o convite» «para oferecer um sinal do afeto e da alta estima que sente por esta ilustre instituição, que surgiu há séculos por vontade de seu venerado predecessor», Bonifácio VIII (em 1303).

«Dado que um grupo claramente minoritário de professores e alunos acabou com os preparativos necessários para uma acolhida digna e tranqüila, considerou-se oportuno adiar a visita prevista para eliminar todo pretexto para atos que poderiam ser desagradáveis para todos», informa o cardeal.

«Consciente, contudo, do desejo sincero da grande maioria de professores e estudantes de escutar uma palavra culturalmente significativa, da qual tirar indicações estimulantes para seu caminho pessoal de busca da verdade, o Santo Padre indicou que lhe envie o texto que ele havia preparado pessoalmente para esta ocasião», indica Bertone.

Acrescentando o discurso escrito, o secretário de Estado deseja que os estudantes e professores «nele possam encontrar elementos para uma reflexão enriquecedora e para o aprofundamento».

Os protestos de estudantes aconteceram depois de que se tornasse pública a carta de 67 professores, entre os mais de 4.000 da universidade, dirigida ao reitor, na qual pediam que revogasse a visita do Papa.

Na carta, diziam que o Santo Padre negava a liberdade de investigação, citando um discurso pronunciado pelo cardeal Joseph Ratzinger em 1990, nessa mesma universidade, sobre a crise de confiança na ciência em si mesma.

Na conferência, Ratzinger citou esta frase incriminada pelos professores: «Na época de Galileu, a Igreja permaneceu muito mais fiel à razão que ao próprio Galileu. O processo contra Galileu foi racional e justo».

Os professores, contudo, não explicavam em sua carta que essa frase não era do cardeal Ratzinger, mas do filósofo da ciência Paul Feyerabend. O purpurado alemão a citou unicamente para ilustrar a posição da Igreja sobre Galileu.

Voltei. Esse grupo que protestou contra o Papa não passa de um bando de hipócritas obscurantistas, que pregam a liberdade a todos, menos à Igreja. Os maiores perdedores com isso são os próprios professores e alunos, que demonstram mais uma vez a chamada "intolerância dos tolerantes". Na mensagem seguinte reproduzo um artigo de Reinaldo Azevedo sobre o assunto.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Mídia espanhola critica censura ao Papa

Saudações queridos leitores!

Os meios de comunicação espanhóis lançam uma crítica à censura imposta à visita do Santo Padre na Universidade La Sapienza. Fiquem com notícia de ZENIT (íntegra aqui), volto depois.

Mídia espanhola critica censura à visita papal à «La Sapienza»

Destaca o direito à liberdade de expressão vulnerado pela minoria «extremista»

Por Nieves San Martín

MADRI, quarta-feira, 16 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- A maior parte dos meios de comunicação espanhóis abordou, entre ontem e hoje, o adiamento da visita de Bento XVI à Universidade «La Sapienza» de Roma, perante os protestos de um grupo minoritário de professores e alunos qualificados de «extremistas» e de tendência anarquista.

Os jornais madrilenos citam as declarações de importantes personalidades italianas do mundo da cultura, como, entre outros, Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura, o professor de «La Sapienza» Giorgio Israel, e Massimo Cacciari, prefeito de Veneza e professor de Filosofia.

O jornal de Madri ABC minimiza a importância do protesto de um grupo ao qual qualifica de «extremista» e aduz que, em uma universidade como «La Sapienza», a carta de 67 professores opondo-se à visita representa exatamente 1,4% de um pessoal docente composto por 4.767 professores.

As palavras de Dario Fo afirmando que está «contra todo tipo de censura, pois o direito à palavra é sagrado» foram recolhidas por um bom número de meios de comunicação espanhóis.

Segundo informa hoje o correspondente de ABC em Roma, «o grupo de professores de Física que começou o protesto acusando o Papa de ter atacado Galileu ignora que foram precisamente João Paulo II e o cardeal Ratzinger que reabilitaram o astrônomo italiano em 1992».

(...)

É possível que agora a polêmica pré-fabricada produza uma reflexão que leve a um aprofundamento no atual e frutífero diálogo fé-ciência que, por iniciativa eclesial, numerosos representantes do mundo acadêmico de todo o mundo mantêm.

Voltei. Os jornais espanhóis trazem o tamanho do grupo de ditos pensadores que organizou esse ato anárquico contra o Papa. Realmente é um grupo ínfimo, o que mostra que La Sapienza ainda possui gente que honra seu nome.

A classificação de extremistas cai bem para os que protestaram, já que em um ato de hipocrisia que, para sua classe deveria ser imperdoável, censuram a Igreja em nome da... liberdade! É um contra-senso digno da DDRL (procurem sobre DDRL no arquivo).

Chequem na íntegra da reportagem que esse caso tem muitas semelhanças com a polêmica de Ratisbona, onde uma citação do Papa foi tirada de contexto para a fabricação de uma polêmica. Os arautos defensores de Galileu esquecem-se de que foi João Paulo II, de venerável memória e Bento XVI, enquanto Cardeal Joseph Ratzinger que reabilitaram Galileu Galilei.

Onde estão os sábios de La Sapienza que calaram-se diante da violação do direito da liberdade de expressão?

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Protestos fazem papa cancelar palestra em universidade

Saudações queridos leitores!

Saudemos o incrível, tolerante e plural mundo laico. Fiquem com notícia do Estadão (fonte aqui). Volto depois.

Protestos fazem papa cancelar palestra em universidade

Os descontentes citavam um discurso proferido há quase duas décadas na universidade pelo então cardeal

PHIL STEWART - REUTERS

Reuters

ROMA - O papa Bento XVI cancelou, na terça-feira, um discurso que faria na mais prestigiosa universidade romana, a La Sapienza, depois de protestos de alunos e professores. É a primeira vez, em seu pontificado, que Joseph Ratzinger se vê forçado a cancelar um evento, pressionado por manifestações negativas.

O protesto começou com um abaixo-assinado de 67 professores que disseram que o papa, de origem alemã, não era bem-vindo por ser um teólogo retrógrado, que coloca a religião acima da ciência.

"Lamento profundamente a decisão do papa Bento XVI", disse o primeiro-ministro italiano, Romano Prodi, após o anúncio do Vaticano. Prodi pediu que ele reconsidere. "Nenhuma voz deve ser silenciada em nosso país, e ainda mais quando se trata do papa."

Os descontentes citavam um discurso proferido há quase duas décadas na universidade pelo então cardeal Ratzinger, em que ele aparentava justificar a condenação de Galileu, ocorrida no século 17. O cientista italiano foi considerado herege por defender que a Terra gira em torno do Sol.

Seguidores do papa disseram que ele estava apenas citando a opinião de um teólogo austríaco, mas sem concordar com o julgamento de Galileu.

A polêmica reavivou as discussões na Itália sobre o papel do catolicismo na vida do país. "Acho que a visita do papa não é uma coisa boa porque a ciência não precisa de religião. A universidade está aberta a toda forma de pensamento, mas a religião não está", disse o professor Andrea Sterbini, um dos signatários do protesto.

"O papa está fazendo a La Sapienza de refém. Liberdade aos pensadores", diz um cartaz deixado por estudantes.

Já aliados insuspeitos saíram em defesa do papa. O Nobel de Literatura Dario Fó, crítico contumaz da Igreja, defendeu o direito do papa à expressão.

"Sou contra qualquer forma de censura, porque o direito de expressão é sagrado", disse o escritor ao jornal La Repubblica.

Prodi e outros políticos se queixaram do clima de intolerância na Itália, mas os adversários do primeiro-ministro disseram que o governo deveria ter se empenhado mais pelo discurso.

"É uma dolorosa surpresa que fere e humilha o Estado, que não pôde garantir a liberdade de expressão", disse o ex-premiê Silvio Berlusconi.

A La Sapienza foi fundada há 705 anos por um papa, e o chanceler que convidou Bento XVI disse que o incidente serve para levar "crentes e não-crentes" a refletir.

Em 2006, o papa já havia atraído protestos por causa de uma citação em um discurso. Na ocasião, falando numa universidade alemã, ele citou um imperador bizantino do século 14, segundo o qual o islã é uma religião que se baseia na violência.

O discurso provocou violentos protestos no mundo islâmico, e o papa posteriormente pediu desculpas pelo que disse ser um mal-entendido.

Voltei. Se fosse o Dalai Lama, garanto que ele seria recebido com festa. Apesar dos costumeiros desvios jornalísticos da Reuters, aos quais já estou acostumado, podemos ver como a tal liberdade pregada pelo laicismo não passa de pura balela.

Vejam o que disse um professor: "Acho que a visita do papa não é uma coisa boa porque a ciência não precisa de religião. A universidade está aberta a toda forma de pensamento, mas a religião não está", só faltou dizer que a exceção deve ser aberta ao pensamento Católico. não é mesmo? A hostilidade dos professores e alunos mostra qual é realmente o lado retrógrado e fechado ao diálogo.

São uns fanfarrões. Dizem-se intelectuais, pensadores, mas fazem uma bagunça danada por causa de uma citação do Papa enquanto cardeal feita a 18 anos!! Realmente, o único preconceito tolerado na nossa sociedade é aquele praticado contra a Igreja!

Que vergonha, La Sapienza! Que de Sapienza, pelo jeito, resta pouco...

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Reações contra o DVD da CF 2008

Saudações queridos leitores.

Os reflexos contrários ao DVD sobre a Campanha da Fraternidade já começaram. Fiquem com notícia da Gazeta do Povo (fonte aqui).

DVD traz críticas à Igreja Católica e defesa ao aborto


Filme sobre a Campanha da Fraternidade 2008 tem depoimento polêmico e é recolhido
por KAMILA MENDES MARTINS

Curitiba – 2008 começou com uma polêmica para os católicos, criada com a edição do DVD sobre a Campanha da Fraternidade 2008, cujo tema é “Escolhe, pois, a vida”. O vídeo, produzido pela Verbo Filmes, traz o depoimento da socióloga e membro da organização não-governamental Católicas pelo Direito de Decidir (CDD), Dulce Xavier.

No filme, Dulce critica a Igreja Católica por ser contra o uso de métodos contraceptivos e defende a realização do aborto pela rede hospitalar pública. Ela ainda deixa claro que a CDD “é uma organização não-governamental, independente da hierarquia ou da instituição católica, mas composta de pessoas que vêm de uma militância nos movimentos progressistas, ligados à teologia da libertação”.

A reação dos católicos foi imediata. No dia 4 de janeiro, o padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, presidente do grupo Pró-Vida de Anápolis, publicou em um jornal eletrônico da entidade a notícia de que a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) havia mandado recolher os DVDs, que estavam sendo vendidos nas livrarias católicas desde meados de dezembro. “A inserção das ‘católicas’ no vídeo tinha sido feita sem a autorização da CNBB, que, quando soube da notícia, exigiu o recolhimento dos DVDs. A Verbo Filmes fez então uma outra edição, desta vez sem a fala das CDD”, diz o padre na internet.

A reportagem da Gazeta do Povo entrou em contato com a CNBB e com a Verbo Filmes, porém nenhuma quis se pronunciar sobre o assunto. A CNBB, inclusive, não fez pronunciamento público algum. Diante dessa discussão, os bispos não poderão permanecer calados por muito tempo. Os católicos já estão cobrando um posicionamento da entidade. O professor Alessandro Lima, editor e diretor do site Veritatis Splendor(www.veritatis.com.br), avisa que está preparando uma carta para ser entregue ao presidente da CNBB, dom Geraldo Lyrio Rocha, pedindo esclarecimentos. “Dependendo da resposta acionaremos três entidades romanas: a Congregração para a Doutrina da Fé, a Congregação para o Clero e a Congregação para os Leigos. Porque as CDD dizem que são uma organização de leigas católicas. O que não é verdade. Elas vêm com esse nome para enganar os católicos”, acusa Alessandro.

Dulce Xavier disse à Gazeta do Povo que foi convidada pela própria Verbo Filmes para participar do vídeo e que não sabia da mudança exigida pela CNBB, mas que, se realmente houve, isso representa uma vitória da parte fundamentalista da igreja. “É uma pena que mais uma vez o setor conservador fundamentalista não permita o debate. O grande problema é a ausência do debate. Eu acho que numa democracia é importante que todas as pessoas possam veicular o seu pensamento. Isso tem que ser considerado e veiculado o pensamento de todos os grupos. Uma campanha da fraternidade com apenas um lado da questão é um imposição”, defende-se Dulce.

Para a Igreja Católica, a preservação da vida não está em debate. Principalmente a dos nascituros, que não têm como se defender.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

O Caso Verbo Filmes, CDD e CNBB

Saudações queridos leitores.

Como Católico fiel à Igreja, venho fazer um alerta, que já ressoa em vários cantos da Internet.

Nos últimos dias ocorreram fatos realmente assustadores para os Católicos brasileiros. E um DVD de divulgação da Campanha da Fraternidade de 2008, cujo o tema é"Escolhe Pois, a Vida", produzido pela Verbo Filmes, produtora de propriedade dos Missionários do Verbo Divino (Verbitas) contendo em sua primeira versão, depoimentos de integrantes da ONG anti-católica intitulada "Católicas pelo Direito de Decidir" em que as integrantes de tal grupo levantam a hipótese de que a posição sobre o aborto possa ser discutida e questionada, o que é totalmente contrário à Fé da Igreja.

Tais depoimentos estavam contidos na primeira versão produzida do DVD, mas devido ao escândalo gerado, foram retirados de uma nova versão lançada pouco depois. Ocorre que o recolhimento da versão dos DVDs contendo os depoimentos fora muito mal organizada e vários exemplares rodam por aí. Até domingo passado ainda era possível encontrar tais discos.

Diante disso tudo, a CNBB simplesmente não se manifesta quanto aos depoimentos terem aparecido em um material oficial, que leva seu brasão, o que implica em responsabilidades sobre o que é divulgado. Até a data da publicação dessa mensagem não há qualquer manifestação por parte da CNBB ou da Verbo Filmes. Este blog, juntamente de outros sites Católicos entrou em contato com a CNBB mas ainda não recebeu resposta.

Manifesto a minha profunda dor e pesar que sinto ao ver o tamanho da omissão das autoridades Católicas nesse caso. Eles, que são nossos pastores, devem zelar sempre pela saúde do rebanho. Não podemos cessar de vigiar, pois o mal não descansa. Fica registrado aqui o meu repúdio a tal acontecimento e a esperança de que esclarecimentos sejam prestados pelos responsáveis por tais atos.

Reitero aqui a minha total e absoluta fidelidade e submissão à Igreja, na figura do Papa, do Magistério e de seus legítimos representantes.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Católicas, uma ova!

Saudações queridos leitores!

Trago hoje ao conhecimento de muitos que ainda não sabem alguns fatos sobre a ONG intitulada "Católicas pelo Direito de Decidir!. Fiquem com texto de Olavo de Carvalho (fonte aqui).

Católicas, uma ova!

Por Olavo de Carvalho
Fonte: O Globo, 30 de abril de 2005

Alegando responder à minha coluna de 9 de abril, as Falsas Católicas pelo Direito de Matar, mais conhecidas no Brasil como “Católicas pelo Direito de Decidir” (CDD) e nos EUA como “Catholics for a Free Choice” (CFFC), enviaram ao GLOBO um artigo e uma carta, esta última assinada pela sua mestra suprema, a sra. Kissling em pessoa.

Somadas, essas duas jóias da hipocrisia universal ultrapassam o dobro da extensão desta coluna, mas gastam esse espaço com desconversas e subterfúgios patéticos, sem nem tentar refutar as acusações que fiz ao movimento.

Em parte alguma discuti, no meu artigo, as “perspectivas liberacionistas e feministas” (sic) que as remetentes se empenham em defender contra mim. Muito menos fiz menção à vida privada de quem quer que fosse, só restando entender a expressão “ataques pessoais”, brandida contra meus argumentos, como um chavão forçado para fins de chantagem emocional. Na verdade, nem mesmo discuti ali a questão do aborto. Cá com os meus botões, acho mesmo que os seres mais desprezíveis do planeta são aquelas senhoras e senhoritas que querem que tenhamos peninha delas porque a Igreja malvada não as deixa matar seus bebês. Mas, na coluna do dia 9, não toquei no assunto. As denúncias que ali fiz foram três:

1) A CFFC e entidades associadas não constituem um movimento católico, nem cristão no sentido mais elástico do termo, e sim satanista. Publicam odes a Lúcifer e se derretem de adoração explícita ao ídolo bíblico Baal, chamando-o “o Senhor”.

2) Intitularem-se “católicas”, depois disso, é de um cinismo abjeto.
3) Só entraram na Igreja com o propósito de destruí-la. A sra. Kissling foi enfática ao declarar que sua ambição pessoal é derrubar o papado.

Que é que a sra. Kissling e discípulas respondem ao item 1? Nada. Ao item 2? Nada. Ao item 3? Nada.
Em compensação, mentem um bocado sobre outros assuntos.
1) Dizem que o aborto não é matéria de direito canônico. Conversa mole. O cânone 1.398 do Código de Direito Canônico condena à excomunhão a mulher que faça aborto e qualquer um que a ajude nisso chame-se CDD, CFFC ou PQP (Pessoas Que Pariram).

2) Dizem ainda que nunca foram excomungadas. Mas a excomunhão mencionada acima é automática ( latae sententiae ) e independe até de aviso. Estão excomungadíssimas e fingem que não.

3) Dizem que sua antiga patrocinadora, a Planned Parenthood Foundation, “já preveniu mais abortos do que qualquer instituição religiosa”. Como poderia uma rede de clínicas de aborto ter prevenido mais abortos do que entidades que nunca fizeram aborto algum e que lutam para que ninguém os faça? Só há um meio de ela ter operado esse prodígio: realizando milhões de abortos legais e vangloriando-se de assim ter evitado igual número de abortos ilegais. É o mesmo que a polícia assassinar inocentes, gabando-se de haver assim impedido que fossem mortos por bandidos.

4) Dizem que “a maioria dos católicos”, segundo o Ibope, está contra a proibição do aborto. Mas qual a prova de que os entrevistados eram católicos, se até satanistas se autodeclaram católicas para fingir-se de porta-vozes do rebanho fiel? Quinze anos atrás, os bispos de Chiapas já denunciaram essa malandragem: “Será um truque para fazer as pessoas acreditarem que na Igreja não há unanimidade quanto a esse ponto? O diabo trabalha assim.”

6) Por fim, dizem uma verdade: “Trabalhamos na tradição dos teólogos da libertação.” Eu jamais poria em dúvida uma coisa dessas.

***

Nota: Como “entidades católicas”, CDD e CFFC são puras criações da mídia. Qualquer diretoria de clube tem o direito elementar de decidir quem pertence ou não pertence ao seu quadro social. A Igreja, não. Quem decide isso por ela são os jornalistas, investidos ad hoc de autoridade pontifícia. Se tantos deles se sentem aptos a orientar a Igreja em matéria de fé e moral, autorizando satanistas e excomungados a falar em nome dela, vetando papas, mudando a doutrina e selecionando os dogmas corretos e incorretos, então não precisam, é óbvio, de nenhuma igreja que os oriente. São a luz do mundo, a nova revelação a que se refere Yeats em “The Second Coming”. Leiam e verão.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Lula usa nosso dinheiro para financiar ditadura

Saudações queridos leitores!

Notícia do Terra (íntegra aqui), volto depois.

Lula vai oferecer crédito de US$ 1 bi para projetos em Cuba

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai oferecer a Cuba US$ 1 bilhão em créditos para financiar a alimentação, construir estradas, explorar o níquel e para outros projetos, durante a visita desta segunda-feira, afirmaram diplomatas brasileiros.

O governo brasileiro também vai se oferecer para cooperar na exploração de petróleo no Golfo do México e na construção de uma fábrica de lubrificantes, embora questões como o risco e os contratos ainda estejam sendo negociados pela Petrobras.

"O Brasil quer se envolver com Cuba e possui recursos econômicos, comerciais e tecnológicos para oferecer no momento em que Cuba busca se modernizar", disse um representante do Itamaraty. "Eles precisam de novos amigos e nos querem aqui."

(...)

O Brasil vai dobrar as linhas de crédito para compras de alimentos para US$ 200 milhões, e vai oferecer linhas de crédito no valor de US$ 600 milhões para a construção de estradas na ilha, além de US$ 70 milhões para uma usina de níquel.

Também serão oferecidos financiamentos para projetos mais específicos na área de biotecnologia e outros setores, disse a fonte do Itamaraty em Havana.

Crédito para a exportação de bens e serviços através de empresas brasileiras também está disponível, desde que Cuba dê garantias, disse ele. "Esperamos ver o compromisso de um investimento privado e estatal significativo em Cuba", disse ele.

Voltei. É um absurdo que um presidente que ainda chora as mágoas da perda da CPMF dê o nosso dinheiro para um ditador semi-morto continuar financiando sua ideologia diabólica. É o cúmulo da falta de caráter! Isso só mostra que o fim da CPMF foi mais do que oportuno, pois se o governo tem dinheiro pra financiar tiranias é porque a coisa está boa e o dinheiro está sobrando por aqui.

Cabe a nós reclamarmos e cobrarmos do presidente Lula se a nossa situação está boa o suficiente para que ele use o nosso dinheiro pra financiar ditaduras alheias.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Carta Aberta aos Verbitas

Saudações queridos leitores!

Depois da aparição escandalosa da ONG abortista e anti-cristã "Católicas pelo Direito de Decidir" (CDD), foi elaborada uma carta de repúdio enviada ao Pe Miguel Meguime, SVD, superior dos Verbitas no Brasil, congregação responsável pela produtora Verbo Filmes, que produziu o vídeo da CF 2008. Segue a íntegra da carta.

Carta Aberta aos Verbitas

Revmo. Pe. Miguel Meguime, SVD, superior provincial da Congregação do Verbo Divino (Verbitas):

Na qualidade de fiéis católicos, sob o abrigo do parágrafo 3o do cânon 212 do Código de Direito Canônico, nós vimos expressar a Vossa Reverendíssima nosso repúdio e perplexidade relativamente ao fato de uma empresa controlada por essa Província Verbita, a Verbo Filmes, ter produzido um DVD para distribuição nas igrejas, durante a próxima Campanha da Fraternidade, com a participação da ONG abortista e anticristã "Católicas pelo Direito de Decidir".

Porém, nossa indignação não se cinge a este único fato, que apenas é o mais escandaloso e de nocividade mais perceptível. Quase a metade do DVD, mesmo em sua segunda edição, prestigia figuras que podem ser consideradas, no mínimo, heterodoxas. Vemos nele o sr. Fernando Altemeyer, que há pouco justificava a tentativa de suicídio de d. Luiz Cappio, bispo de Barra, um pecado ainda mais grave que o próprio aborto (ver: aqui). Outro é o Frei Carlos Josaphat, OP (ah, os heterodoxos envelhecem!), que contra a lei moral natural e a doutrina bimilenar da Igreja defende o uso de anticoncepcionais e diz que proibir a camisinha é um crime, caluniando como criminoso o próprio Papa (ver: aqui). Para completar o trio, temos o padre camiliano Léo Pessini, cujas posições sobre aborto e eutanásia são das mais ambíguas, e que é amicíssimo do abortista Volnei Garrafa. O padre Léo Pessini, mesmo não sendo médico, foi um dos responsáveis pela resolução n. 1805/2006, do Conselho Federal de Medicina, que, ao arrepio da Constituição e do Código Penal, relativizou a proteção dispensada a vida humana em seu estágio final. Graças a Deus e ao bom senso da magistratura brasileira, a Justiça Federal suspendeu a resolução homicida que o padre Pessini ajudou a elaborar (ver: aqui). Ainda há juízes no Brasil, pena que os autênticos sacerdotes e religiosos sejam tão poucos!

É impressionante, mas parece que para participar do DVD da Campanha da Fraternidade em Defesa da Vida é preciso ser heterodoxo, contestador do Sagrado Magistério da Igreja, e mais: ter feito algo contra a defesa da vida -- seja apoiando uma tentativa escandalosa de suicídio, seja difamando a moral sexual decorrente da natureza humana e defendida pela Igreja, seja ainda participando de procedimentos em corporações profissionais para a edição de normas contrárias ao direito natural, à Constituição do País e às leis penais.

E o pior é que isso é feito havendo tanta gente boa no Brasil, capaz de fazer uma defesa da vida muito melhor que o citado trio. Por que não se entrevistou o padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, verdadeiro ícone da luta pela vida no Brasil, sempre firme apesar das duras perseguições que sofreu, que são conhecidas de todos? Por que não foi convidada a Dóris, dirigente da Associação Mulheres pela Vida, que tem um brilhante trabalho de atendimento às gestantes na Baixada Fluminense? Por que não foram ouvidos D. Estêvão Bittencourt, o padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr. ou o professor Felipe Aquino, teólogos que são da mais escrupulosa fidelidade ao Sagrado Magistério? E o prof. Dalton Ramos, docente da USP e membro da Pontifícia Academia para Vida? Por que não zelosos representantes da hierarquia, como os bispos D. Aldo Pagotto, D. Eusébio Cardeal Scheid ou D. Roque Opperman, só para ficar em três exemplos? Tantos advogados católicos que poderiam ter feito um papel brilhante no esclarecimento dos aspectos jurídicos da questão, como os doutores Cícero Harada, Ives Gandra e Paulo Leão. Se não se queria limitar-se às portas da Igreja, e ouvir também não católicos, por que não foram convidados o advogado Celso Galli Coimbra, um dos maiores especialistas brasileiros em Biodireito, ou o escritor protestante Júlio Severo? E essa lista é meramente exemplificativa, pois são inúmeros os que, dentro ou fora da Igreja católica, travam o bom combate pela defesa dos valores da vida e da família no Brasil.

Tanta gente boa, por que foram chamar logo pessoas de ortodoxia duvidosa? A Igreja Católica no Brasil comporta uma multifária variedade de movimentos engajados na nova evangelização: o Movimento Sacerdotal Mariano, a Renovação Carismática, os Arautos do Evangelho, a Opus Dei, o Caminho Neocatecumenal, os Focolares e muitos outros. É nesses movimentos que mais bem se percebe a vitalidade do catolicismo no Brasil. Porém, a estrutura burocrática da Igreja continua dominada pela mesma panelinha exclusivista: a oligarquia esclerosada e rançosa da Teologia da Libertação, que mais adequadamente seria referida como "Ideologia da Falsa Libertação". Essa, como um cadáver insepulto, continua com seus miasmas a contaminar e viciar todas as iniciativas sadias que são feitas dentro da Igreja em prol do Evangelho da Vida, do Amor e do Trabalho. São incapazes de qualquer bem, mas sempre eficientes em obstá-lo, como se constata do affaire que estamos discutindo. Deles pode ser dito o que Nosso Senhor disse dos fariseus: «Ai de vós que fechais o Reino dos céus aos homens, pois nem vós entrais, nem deixais entrar os que o querem» (Mt 23,13).

Finalmente, é a presente para requerer a punição, preferencialmente com a demissão, do Sr. Nelson Tyski, funcionário da Verbo Filmes e responsável direto pelo convite feito às "Católicas pelo Direito de Decidir" para fazer sua propaganda abortista no DVD da Campanha da Fraternidade, como se comprova pelas seguintes ligações:

http://br.groups.yahoo.com/group/cdd-br/message/1906
http://br.groups.yahoo.com/group/cdd-br/message/1917

É um absurdo e um escândalo que este senhor, intimamente ligado a uma organização anticristã e abortista, continue trabalhando na empresa que produz vídeos para CNBB. Omitir-se e não tomar nenhuma providência, é preparar a repetição desse vergonhoso acontecimento. E é tornar-se cúmplice de seus delitos.

Atenciosamente,

Rodrigo R. Pedroso
Emanuelle Carvalho Moura
William Murat.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

domingo, 13 de janeiro de 2008

Evangelho de Domingo - Batismo do Senhor

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários dos Padres de Navarra.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus.

Evangelho (Mt 3, 13-17 (Batismo do Senhor))

13Então veio Jesus da Galileia ao Jordão e apresentou-se a João, para ser por ele baptizado. 14Queria João impedi-Lo e dizia-Lhe: Eu é que preciso de ser baptizado por Ti, e Tu vens a mim?
15Jesus, porém, respondeu-Lhe: Deixa por agora, pois assim nos convém cumprir toda a justiça.
Então ele deixou-O.
16Baptizado Jesus, subiu logo da água e eis que se Lhe abriram os céus e viu o Espírito de Deus que, em figura de pomba, descia e vinha sobre Ele, 17enquanto dos céus uma voz dizia: Este é o meu Filho amado, no Qual pus as minhas complacências.

Palavra da Salvação.

13. Jesus tinha passado uns trinta anos (Lc 3, 23) no que normalmente chamamos vida oculta. Admira-nos o silêncio do Verbo de Deus Encarnado durante todo este tempo. Muitas podem ser as razões desta longa espera de Jesus antes de começar o Seu ministério público. Pode ter influído nisso o costume judaico de que os rabinos tivessem feito os trinta anos, antes de exercer o seu ofício de mestres. Em qualquer dos casos, Nosso Senhor, com os Seus longos anos de trabalho na oficina de São José, ensina aos cristãos o sentido santificador da vida e trabalho ordinários.

Jesus começa o Seu ministério público depois de o Baptista ter preparado o povo, segundo o plano divino, para receber o Messias.

14. São João Baptista, ao ver aproximar-se do seu baptismo Aquele de quem tinha dado testemunho tão autêntico, resistia razoavelmente a baptizá-Lo. Não era necessário que Jesus fosse baptizado por João, já que não tinha pecado algum. Mas Jesus quis submeter-Se a este baptismo (veja-se nota ao v. 15) antes de inaugurar a Sua pregação para nos ensinar a obedecer a todas as disposições divinas (antes tinha-Se submetido, por exemplo, à circuncisão, à apresentação no Templo e ao resgate como primogênito). Os planos de Deus dispunham que Jesus Se aniquilasse até Se submeter à autoridade de outros homens.

15. "Justiça", na Bíblia, tem um significado muito rico: refere-se ao plano que Deus, na Sua infinita bondade e sabedoria, traçou para a salvação do homem. Por isso "cumprir toda a justiça" deve ser interpretado na linha de cumprir a vontade de Deus e os Seus desígnios. Daí que pudéssemos traduzir "cumprir toda a justiça" por: "cumprir tudo o estabelecido por Deus".

Jesus Cristo acorre ao baptismo de João em reconhecimento de uma etapa da História da Salvação, prevista por Deus como preparação última e imediata da era messiânica. O cumprimento de qualquer destas etapas ou actos do plano divino pode chamar-se, resumidamente, um acto de justiça. Jesus, que veio cumprir a Vontade do Pai (Ioh 4, 34), procura cumprir esse plano salvador em todos os seus pormenores.

16. Jesus desde a Sua própria conceição, possuía a plenitude do Espírito Santo. Isto é assim pela união da natureza humana com a natureza divina na pessoa do Verbo (dogma da união hipostática). A doutrina cristã ensina que em Cristo há uma só Pessoa, divina, e duas naturezas, divina e humana. A descida do Espírito de Deus, de que fala o nosso texto, exprime que, assim como Jesus iniciava de modo solene o Seu ofício messiânico, assim o Espírito Santo começava a Sua acção por meio do Messias. São muitos os textos do Antigo Testamento em que se anuncia a especialíssima manifestação do Espírito Santo no futuro Messias. Com este sinal do Espírito, recebia também São João Baptista a prova inequívoca da autenticidade do seu testemunho acerca de Cristo (cfr Ioh 1, 29-34).

No Baptismo de Jesus Cristo revela-se o mistério da Santíssima Trindade: o Filho, que recebe o Baptismo; o Espírito Santo, que desce sobre Ele em figura de pomba; e a voz do Pai, que dá testemunho da pessoa de Seu Filho. No nome das três Pessoas divinas deverão ser baptizados os cristãos. "Se tu tens uma piedade sincera, sobre ti descerá também o Espírito Santo e ouvirás a voz do Pai do alto que diz: este não é o Meu Filho, mas agora depois do Baptismo, foi feito meu filho" (De Baptismo,14)

17. Literalmente: "Este é o Meu Filho, o amado". "Amado", precedido do artigo e unido à expressão "o Filho", normalmente refere-se a um filho único (cfr Gen 22,2.12.16.; Ier 6,26; Am 8,10; Zach 12,10; etc.). O duplo uso do artigo e a Solenidade do passo fazem que este testemunho divino acerca de Jesus mostre claramente, na linguagem da Bíblia, que Jesus Cristo não é mais um, nem sequer o mais excelente, de tantos filhos adoptivos de Deus; mas com toda a propriedade e força, declara que Jesus é "o Filho de Deus", o Unigênito, absolutamente distinto, pela Sua condição divina, dos outros homens (cfr Mt 7,21; 11,27; 17,5; Ioh 3,35; 5,20; 20,17; etc.).

Neste passo têm cumprimento as profecias messiânicas, especialmente Is 42,l, cuja expressão é aplicada agora a Jesus Cristo pela voz do Pai, que fala do céu.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.