terça-feira, 7 de outubro de 2008

Rabino apunhala a Igreja pelas costas

Saudações queridos leitores!

Um fato lamentável ocorreu durante o primeiro pronunciamento de um judeu durante um Sínodo no Vaticano. De acordo com a reportagem do Terra, o rabino Shear-Yashuv Cohen, Rabino-chefe de Haifa, em Israel disse em seu discurso no Vaticano que os judeus "não podem perdoar e esquecer" a omissão de alguns líderes religiosos durante o Holocausto. Essa foi uma referência clara a Pio XII, Papa que lutou e se arriscou nos bastidores para salvar quantos judeus foi possível.

Cohen ainda disse de maneira improvisada, já no fim do discurso que "Não podemos [os judeus] esquecer o fato triste e doloroso de que muitos, inclusive grandes líderes religiosos, não levantaram suas vozes no esforço para salvar nossos irmãos, preferindo em vez disso manter o silêncio e ajudar secretamente. Não podemos perdoar e esquecer isso, e esperamos que vocês [Católicos] entendam".

O ato do rabino Cohen é uma traição, um exemplo da perfídia à qual Nosso Senhor foi submetido, pois como Messias, também foi traído e mandado à Cruz. Se ele deixa claro que não pode perdoar e esquecer o que ele diz ser uma traição de Pio XII, o que ele quer com essas declarações. Tal fechamento torna seu pronunciamento inócuo, já que ele não quer perdão. Fica a sensação de que ele simplesmente quis atacar o Papa.

O pronunciamento causou mal-estar geral entre os participantes, inclusive porque muitos representantes da comunidade judaica reconhecem Pio XII como um dos grandes guerreiros pela salvação dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial, o que permitiu que Pio XII recebesse o título de Justo entre as Nações, a maior honra concedida a um não-judeu.

Em sua entrevista após a declaração, Rabino disse que se soubesse que o sínodo coincidiria com a lembrança dos 50 anos do falecimento de Pio XII, teria evitado ir ao evento. Até parece que ele não tem como saber disso, né? Será que ele não se informou nem um pouquinho antes de participar do evento?

Só posso classificar tais atos como lamentáveis.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: