quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Cardeal Dziwisz revela que João Paulo II foi ferido em atentado em 1982

Saudações queridos leitores!

O Cardeal Arcebispo de Cracóvia, Stanislaw Dziwisz foi o secretário particular de João Paulo II, de grande memória por mais de 40 anos, incluindo todos os 27 anos de pontificado de seu conterrâneo. No ano passado o Cardeal Dziwisz escreveu um livro em que relata suas memórias do tempo que passou junto de João Paulo II.

Esse livro deu origem a um documentário, chamado Testimony (Testemunho), narrado pelo ator britânico Michael York e que estreará no Vaticano, com a presença de Bento XVI. Mas o filme traz mais acontecimentos do que o que foi relatado no livro do Cardeal. Um fato surpreendente que só veio a conhecimento público agora ocorreu em 12 de maio de 1982, quando João Paulo II esteve na cidade sagrada de Fátima para agradecer a Nossa Senhora de Fátima por ter sobrevivido ao atentado a tiros que sofrera em 13 de maio de 1981, realizado por Mehmet Ali Agca.

Durante essa visita um padre espanhol, supostamente ultraconservador (apesar de que eu não concorde com o sentido que o termo é empregado aqui), chamado Juan Fernandez Krohn saltou em direção ao Sumo Pontífice com uma adaga, mas ele acabou neutralizado por policiais e preso. A história poderia acabar por aqui, mas foi revelado agora que o Santo Padre foi atingido também por esse ataque.

"Eu posso revelar agora que o Santo Padre ficou ferido. Quando voltamos para seu quarto (no complexo do santuário de Fátima), havia sangue", diz o Cardeal Dziwisz no documentário.

João Paulo II não revelou no momento que havia sido atingido e percorreu todo o restante do trajeto ferido. O Padre Krohn passou vários anos preso em Portugal, até ser expulso do país.

O documentário combina narrações de Michael York, entrevistas com o Cardeal Dziwisz, imagens da época e trechos encenados por outros atores. Outra cena memorável e que ainda resta fresca em minha mente e que é representada no filme é o episódio onde João Paulo II, já no limite de suas forças, após fazer uma traqueostomia para respirar melhor, aparece pela última vez na janela em frente à Praça de São Pedro e não consegue pronunciar sequer uma palavra. Segundo o Cardeal Dziwisz, quando o pontífice voltou para seus aposentos, recobrou parte de sua força e conseguiu suspirar: "Eu não consigo mais falar. Chegou a hora de eu partir."

Então, aos dois dias do mês de abril de 2005, o Santo Padre teve seu encontro derradeiro com Nosso Senhor.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: