segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Como as religiões vêem os grandes temas nos EUA

Saudações queridos leitores!

A eleições norte-americanas estão monopolizando boa parte do noticiário político internacional. Perto do que vemos aqui no Brasil, isso até que não é má idéia. Pois bem, a Universidade Baylor fez uma pesquisa sobre as crenças e práticas religiosas nos Estados Unidos. E para ver como grandes grupos religiosos encaram temas importantes da política americana e o resultado é interessante. Colocarei os temas em tópicos e comentarei os resultados das pesquisas.

Meio Ambiente

Pelo que a pesquisa constatou, os protestantes norte-americanos não se preocupam tanto com a preservação do meio ambiente e não se sentem tão alarmados com a atual mudança climática. A maioria dos entrevistados pela Universidade Baylor (67%) considera que "se não mudarmos as coisas de forma dramática", a mudança climática global será "um desastre", enquanto entre os protestantes, essa porcentagem cai para 49% de um grupo que compõe 55% da população do país.

Além disso, a proporção de adultos protestantes que acham que o governo não gasta o suficiente o meio ambiente é menor (41%) do que a média da população em geral (56%).

O ambientalismo é um tema controverso entre os protestantes. Quando a Associação Nacional de Evangélicos lançou o "Chamado para a Ação" contra a mudança climática em 2006, alguns religiosos conservadores, liderados por James Dobson da organização Foco na Família, opuseram-se com veemência.

Gênero e Política

As mulheres devem participar da política? Essa pergunta divide muito os americanos.

A pesquisa revelou que a sociedade americana está dividida em relação ao papel da mulher na sociedade e esse fator certamente influenciará nas eleições. Um exemplo disso é que enquanto 33% dos americanos consideram que os homens estão melhor preparados emocionalmente para a atuação política, esse número salta para 44% entre os protestantes. Um número maior que o de outros cristãos e muito maior que o número de judeus (29%), outras religiões (23%), e pessoas sem religião (14%).

Os dois candidatos republicanos são protestantes evangélicos (John McCain é batista e Palin não tem uma denominação específica). O candidato do Partido Democrata, Barack Obama, é protestante (Igreja Unida de Cristo), e seu vice, o senador Joe Biden, é católico apostólico romano.

A pesquisa também revelou que 41% acham que as crianças em idade pré-escolar sofrem se suas mães trabalham fora (54% dos protestantes defendem tal posicionamento, quase o dobro dos outros grupos).

Mas o posicionamento em relação ao gênero não fala mais alto que o posicionamento em relação ao aborto. Apesar dos protestantes preferirem que as mulheres dêem uma prioridade maior para o cuidado dos filhos, podem relevar isso em troca de uma candidata que se posicione contra o aborto, como é o caso de Sarah Palin.

Tragédias e o Mal

Deus causa ou permite "que grandes tragédias aconteçam, como um aviso aos pecadores", dizem 20% dos adultos dos Estados Unidos. Mas enquanto 43% dizem que o maior mal é causado pelo diabo, 47% discordam, provocando um empate estatístico. Mas a maioria dos americanos (68%) não diz que a natureza humana é intrinsecamente má. Os números são um tanto estranhos porque a pesquisa permitiu respostas sobrepostas, o que fez com que alguns entrevistados concordassem com mais de uma definição (eu acho isso um atentado à lógica, mas fazer o quê...).

"Aqueles que acreditam que Deus causa ou permite que coisas ruins aconteçam não disseram que as tragédias são culpa de Deus", diz o sociólogo de Baylor Christopher Bader.

O que os candidatos à presidência pensam sobre o mal? Ambos acreditam que o mal existe (mas aqui não foi especificado se esse mal possui vontade e inteligência ou alguma personificação).

Para Barack Obama, é "tarefa de Deus eliminar o mal do mundo", mas que "nós podemos ser soldados nesse processo."

Enquanto John MacCain diz que "o mal deve ser derrotado", e relacionou-o totalmente com o "desafio transcendente do século 21 - o extremismo radical islâmico."

Fonte: Pesquisa Baylor de Religião, Insituto de Estudos da Religião, Universidade Baylor. Baseado em pesquisa com 1.700 adultos no outono de 2007; a margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: