terça-feira, 16 de setembro de 2008

Atriz pode ser processada por blasfemar contra o Papa

Saudações queridos leitores!

Existe na Itália uma Lei que iguala a dignidade do Papa à dignidade do Presidente da República. Todas as punições previstas para quem desacata o Presidente são previstas para quem o faz contra o Papa.

Pois bem, uma comediante italiana está sendo processada por blasfemar contra o Santo Padre, o Papa Bento XVI durante um discurso em um comício em Roma. "Graças à lei Moratti (ex-ministra da educação, Letizia Moratti), daqui a 20 anos os professores serão escolhidos pelo Vaticano. Mas daqui a 20 anos, Ratzinger vai estar onde deveria estar, no inferno, atormentado por dois diabos homossexuais superativos e não passivos", blasfemou Sabina Guzzanti.

O processo contra a comediante foi pedido por Giovani Ferrara, procurador do Tribunal de Roma, que alega ao Ministério da Justiça que a comediante ofendeu o Santo Padre com palavras vulgares que ultrapassam o limite da sátira.

Para variar, qualquer pessoa pode se defender de uma ofensa, mas quando o ofendido é o Papa, o mero exercício de uma Lei em vigor serve para que críticos acusem a sociedade italiana de estar na era medieval, conforme fez Paolo Guzzanti, pai da comediante e deputado conservador do Partido da Liberdade, de Berlusconi.

Para o ex-magistrado Antonio Di Pietro, Sabina Guzzanti não ofendeu ninguém, apenas "exerceu o direito de manifestar livremente seu pensamento". Como se tal direito fosse absoluto e desse margem para que a comediante se referisse com palavras de baixo calão a uma figura importante na Itália como o Papa. Queria ver se alguém se referisse ao ex-magistrado com os mesmos termos em um evento público se ele defenderia a liberdade do ofensor.

E como nem mesmo um prêmio Nobel está livre de dizer bobagens, Dario Fo, ator e autor teatral, usar uma norma do Pacto Lateranense (a Lei que iguala a dignidade do Papa com a dignidade presidencial), "uma lei fascista, é andar para trás no tempo". Ainda de acordo com Fo, "Seria preciso, então, condenar até Dante, o maior poeta italiano", pois "ele também mandou um Papa (Bonifácio VIII) ao inferno, dizendo que ele iria para um buraco no meio de um grande fogo", disse ele em entrevista ao jornal La Reppublica.

E a análise da situação em que Dante condena Bonifácio VIII passa longe da lógica e da sensatez, né?

E mais uma vez temos uma demosntração descarada de como os supostos tolerantes, liberais, tratam com desdém a Igreja e a discriminam em nome de uma suposta igualdade que só vale para os que pensam igual a eles.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: