sábado, 9 de agosto de 2008

Padre agredido em São Gonçalo por transexual

Saudações queridos leitores!

Se o projeto da tal mordaça gay for aprovado, o transexual da reportagem abaixo terá respaldo legal para fazer o que vocês lerão. Leiam a reportagem do jornal O Fluminense (fonte aqui), volto depois.

Padre agredido em São Gonçalo por transexual

Fiéis da igreja defendem padre da acusação de transexual em São Gonçalo

A acusação de agressão e discriminação de um transexual contra o padre da Igreja Matriz de São Gonçalo causou indignação na comunidade católica durante a semana.

Representantes da igreja procuraram a reportagem de O FLUMINENSE na manhã deste sábado e comentaram sobre a confusão ocorrida durante a missa das 19 horas, no último domingo, entre o sacerdote da igreja, padre Ademar Pimenta, e o fiel transexual Fabiano Fontes Figueira, de 30 anos.

De acordo com Fabiano, mais conhecido como "Mayara", o padre Ademar o agrediu e o provocou por causa de sua opção sexual. Ao contrário do que dissera o transexual, o seminarista Flávio Thurler Moreira relatou que foi Fabiano quem agrediu o padre. De acordo com o religioso, padre Ademar rezava a missa normalmente, quando citou uma passagem da Bíblia que dizia sobre a família ser composta da união entre um homem e uma mulher e seus descendentes.

"Foi uma surpresa e me causou estranheza quando ele teve essa atitude. Ele simplesmente saiu do lugar onde estava e subiu ao altar. Arrancou o microfone das mãos do padre Ademar e proferiu palavras de baixo calão e preconceituosas como ‘macaco’ e ‘preto safado", relatou o seminarista.

Defesa – O advogado do padre Ademar, Cícero Matos, diz acompanhar o caso de perto. Para ele, a atitude de Fabiano foi premeditada.

"De acordo com o Artigo 208 do Código Penal, um culto de qualquer espécie não pode ser interrompido. Estamos atentos aos acontecimentos" , comentou o advogado.

Voltei.

Será que é essa igualdade que eles pregam? Será que eles admitiriam que um grupo de Católicos interrompesse com a Parada Gay do mesmo modo que esse homossexual fez com o Padre durante a Santa Missa?

Mas é claro que não. E em nosso país, isso nem seria certo do ponto de vista civil. O transexual cometeu dois crimes: racismo e ultraje a culto. Merece, portanto, cair nas garras da Justiça e sofrer as sanções penais cabíveis.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

2 comentários:

Anônimo disse...

Sou cristã e mãe de família (divorciada) e não concordo com nenhum tipo de violência (como ter interrompido o culto ou insultado o padre, se é que foi como está narrado mesmo, porque tem que ser apurado isentamente). Mas também não concordo com o que a igreja faz ao discriminar as pessoas que NÃO entram no perfil de “fiel ideal” que ela pré-concebe, pois todos somos diferentes e alguns são mais diferentes ainda, mas são pessoas que merecem respeito e direito a religião. Isso é um erro que deveria ser reparado pela própria igreja, que supostamente prega a paz, o perdão, a igualdade, o amor... sou negra e mulher e sei o que o preconceito.

Quanto ao “opção sexual”, ninguém iria optar por ser transexual ou gay, ou negro, ou deficiente, ou cidadão de país emergente, ou analfabeto, favelado, ou, ou, ou, ou... não que haja nada de errado com esses adjetivos, mas o mundo é cheio de preconceito e hipocrisia, portanto a reportagem errou ao colocar o fato de ele ser transexual como opção. Falta de cultura e conhecimento, no mínimo. Ora, se um órgão de comunicação divulga uma informação imprecisa assim, que ajuda dá para a mudança da estrutura social de um país?

A sociedade tem que abraçar a todos para ser justa e harmoniosa se pretender ser justa.

Marlene S., professora

Anônimo disse...

Eu assisti a missa nesse dia, e vi que da parte do Padre Ademar não houve nem um comentário sequer a respeito a respeito daquele travesti. O travesti que se exaltou e agrediu ao padre fisicamente e verbalmente, e sendo conduzido pra fora da igreja ameaçou varias vezes ao Padre.
Estando do lado de fora, teve que ser contido pelos fieis que ficaram nas entradas da igreja, pois o mesmo queria esmurrar o Padre, como o próprio travesti falava e o chingou de creoulo safado! Gritava gritos ameaçadores ao sacerdote. Deveria ser penalizado pela justiça civil, pois na justiça de Deus ele com certeza irá ou já está respondendo.
O Padre Ademar Pimenta é um sacerdote sério e muito conhecedor das palavras de Deus, na omilia daquele domingo, ele estava exaltando o valor da família, e talvez esse cidadão sentiu-se incomodado, pois ele talvez conseguiu ver que ele jamais poderá constituir uma com essa personalidade e moral que ele vive.
Fiquei chocado ver o meu sacerdote sofrer o que sofreu com a atitude desse individuo.
Paz e Bem!