quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Lobos em pele de cordeiro

Saudações queridos leitores!

Raras vezes vi tamanha demonstração de hipocrisia. No primeiro dia como presidente paraguaio, Fernando Lugo, Bispo Católico suspenso por meter-se na política foi assistir a uma missa na Catedral de San Pedro de Ycuamandiyú, a 330 km de Assunção, cuja diocese foi pastoreada por Fernando Lugo durante dez anos. Fernando Lugo está na primeira fila, com sandálias e semblante respeitoso; à sua esquerda, de camisa vermelha bolivariana e pose do mais fervoroso dos católicos, de olhos fechados e mãos no peito, na maior demonstração de hipocrisia que eu vi ocorrendo do lado debaixo do Equador nesse ano, o proto-ditador venezuelano, Hugo Chávez.

Chávez não está no Paraguai a mero passeio. Ele quer arrastar o Paraguai consigo para seu "clubinho bolivariano", que já tem como sócios, Venezuela, Bolívia, Nicarágua e Equador. O que todos esses países têm em comum? São todas terras onde a democracia, os direitos individuais, a liberdade e o direito à vida sucumbem, em maior ou menor grau. É isso que espera o Paraguai caso entre nessa barca furada. Mas Fernando Lugo parece ser imprevisível e ninguém pode dizer se ele pulará nessa barca ou se apenas está querendo vantagens de Chávez, como quer do Brasil.

Depois da Santa Missa, ambos os países assinaram alguns convênios de cooperação. Entre esses convênios, o mais vistoso deles garante ao Paraguai 25 mil barris de petróleo diários. É Chávez usando o que tem para comprar a amizade dos outros. É como aquele menino chato, mas riquinho, que só consegue ter amigos porque paga doces para os moleques que se aproveitam disso para se empanturrar e encher os dentes de cáries.

Em seu discurso, Hugo Chávez expõe sua teologia achada na sarjeta. "Cristo foi um dos grandes revolucionários de nossa história", diz Chávez, depois de falar no "Lázaro coletivo" que representa a "ressurreição" da América Latina. Com esse discurso, Hugo Chávez diz tudo que Lugo gosta de ouvir (apesar de ser um Bispo suspenso, Lugo prefere ouvir sobre a revolução do que sobre Cristo) e aumenta muito as suas chances de abduzir mais um país para seu clubinho.

Mas Lugo não quer que tudo seja tão fácil assim. Ele precisa se fazer de difícil. Em sua primeira entrevista coletiva como presidente, ele dividiu os holofotes com Hugo Chávez e o equatoriano Rafael Correa, outro dos tripulantes da barca furada. "Acreditam que vamos ser 'venezuelanitos', 'ecuatorianitos' ou 'bolivianitos'; vamos ser paraguaios de verdade", declarou. "Não tenho medo de Chávez, não tenho medo de Evo, não tenho medo de ninguém", insistiu. Agora se alguém acreditou, são outros quinhentos.

O tempo passa e cada dia mais a América Latina faz jus a sua fama de cemitério de ideologias.

Mais informações no UOL (somente para assinantes).

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cemitérios de ideologia ? Creio que uma verdadeira tumba é uma prelazia denomiada Opus Dei, ninho dos maiores hipócritas da santa Igreja. E creio que o direitista Fernando simpatiza com esta ordem falida organizada pelo fascista Escrivá ! Ultramontanos, vcs não são igreja, são sectários.

GALICANO JANSENISTA.