quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Justiça da Malásia proíbe mulher de abandonar o islã

Saudações queridos leitores!

Enquanto vejo iniciativas maravilhosas vindo de muçulmanos, como o convite do Grão MUfti da Síria feito ao Papa e o acolhimento que os muçulmanos australianos deram aos peregrinos durante a JMJ, algumas outras atitudes são lastimáveis.

Uma corte da Malásia rejeitou o pedido de uma mulher muçulmana para se converter de volta ao cristianismo, no mais recente caso a testar os limites da liberdade religiosa do país. O tribunal malaio descartou o pedido de Noorashikin Lim Abdullah para renunciar ao islã usando artifícios técnicos. Nesse caso, ela usou seu sobrenome original chinês no processo, de acordo com seu advogado, Edmond Bon.

O que é mais alarmante é que esse caso não é isolado. Minorias religiosas da Malásia (Católicos, budistas e hindus) sofrem muito com disputas desse tipo, visto que raramente as cortes do país decidem contra o Islã, a religião oficial da Malásia. Lim casou-se com um homem muçulmano em 1994, convertendo-se ao islã e tirando uma nova carteira de identidade com seu nome muçulmano. No entanto, ela se divorciou depois de três anos e quer se converter de volta ao cristianismo.

Essas atitudes extremas só me fazem acreditar cada vez mais que o Islã só está tão difundido hoje porque onde eles chegam, a liberdade religiosa se esvai.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: