terça-feira, 1 de julho de 2008

Humano, Marca Registrada

Saudações queridos leitores!

Cuidado! Em um futuro próximo vocês e seus descendentes podem ter que pagar royalties pelo coração que bate no peito ou por um rim que está em seu corpo.

A grande Câmara de Apelação do Escritório Europeu de Patentes (EPO), recebeu um processo para decidir se é possível patentear células-tronco embrionárias (fonte aqui). Tal iniciativa pode iniciar uma nova era na mercantilização do homem. A patente sobre partes humanas. Já não chega os tratamentos que são patenteados, agora James Thomson apresentou um processo para a patente de suas técnicas e das células obtidas pela mesma.

O grande problema é que a Direção 23D dessa mesma corte exclui o registro de patentes a embriões humanos. Se essa regra não existisse, teria gente capaz de querer cobrar royalties de pessoas que fizessem filhos de maneira tradicional, afinal, o embrião é uma marca registrada. Haha! Os pais teriam que achar outro processo para trazer seus filhos ao mundo.

"Não existem motivos para excluir as células-tronco embrionárias de uma possível patente", disse, na capital bávara um porta-voz da Wisconsin Alumni Research Foundation, que representa os interesses de Thomson perante a grande Câmara de Apelação do EPO. O porta-voz também afirmou que essa diretriz (a 23D) não tem por que afetar as células que são obtidas desses embriões. Ele fala como se o resultado das manipulações não fosse parte humana. Como diz a minha amiga Lenise, se não é humano, a que espécie pertence?

Duvido muito que eles consigam registrar tais patentes. O argumento de que as células não podem ser consideradas partes humanas é intrinsecamente furado (haha!), pois os seres humanos são formados por células! Que tal processo mostre o quanto a vida humana é desvirtuada em nome do lucro. Se esse cientista estivesse mais preocupado com o bem ao próximo do que com o próprio bolso, certamente que não tentaria restringir seus métodos com patentes.

É o mercado humano. Daqui a pouco a Mayanna Zatz vai tentar fazer algo similar.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: