sábado, 26 de julho de 2008

Grupo ataca a Humanae Vitae em seu aniversário

Saudações queridos leitores!

Eu tinha lido a notícia mas acabei deixando passar em branco, portanto, comento tudo agora.

Um grupo de associações intitulado "Catholics for Choice" resolveu atacar a Carta Encíclica Humanae Vitae justamente em seu aniversário de 40 anos. O grupo em questão colocou um anúncio no Il Corriere della Sera, o maior jornal da Itália em que eles atacam duramente a Igreja Católica e a acusam falsamente de difundir a AIDS.

Com relação aos ataques, o Padre Federico Lombardi, S.J., diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé respondeu à publicação da “Carta aberta ao Papa”. “Primeiramente, os signatários são um certo número de grupos muito conhecidos por suas posições de contestação, que não se limitam apenas ao ensinamento moral conjugal, mas que afetam muitos outros temas (por exemplo, a ordenação de mulheres) e, portanto, encontram-se há tempos em antítese com o Magistério da Igreja”, explicou o Padre Lombardi.

Esses ataques não são novidade. Como ainda destaca Padre Lombardi, sobre a suposta culda da Igreja Católica em relação à disseminação da AIDS, lembro que a Igreja não obriga ninguém a seguir sua moral. As pessoas mundo afora têm total liberdade para viver suas vidas sexuais como bem entendem. Nenhum padre entra nos quartos dos casais e os obriga a não usar preservativos. É muito fácil viver e se comportar de modo irresponsável e depois jogar a culpa em cima da Igreja. Que as pessoas larguem comecem a assumir a responsabilidade por seus atos.

Além disso, é notório que as políticas de prevenção da AIDS baseadas nos preservativos falham vergonhosamente. O Brasil é um exemplo: o Governo coloca preservativos na mão de um monte de gente e ainda pretende fornecê-los até mesmo a crianças nas escolas e mesmo assim os índices de contágio não param de aumentar. Enquanto isso, em Uganda, onde a castidade e a fidelidade matrimonial são incentivadas (e o uso da camisinha é o último caso), os índices apresentam redução. Uganda é o único país na África onde os índices de contágio apresentam alguma redução significativa.

Voltando agora ao ataque, segundo o Padre Lombardi, o maior erro da carta consiste em descuidar do coração da Humanae Vitae, “quer dizer, o laço entre a relação humana e espiritual entre os cônjuges, o exercício da sexualidade como sua expressão e sua fecundidade”.

Em todo o texto da publicidade, “a palavra ‘amor’ não aparece nunca. Parece que isso não interessa em nada aos tais grupos signatários. Para eles, parece que a esperança dos casais e do mundo está unicamente na anticoncepção. Para compreender o significado da encíclica e seu valor ‘profético’, seria bom voltar a ler o discurso do Papa de 10 de maio passado aos participantes no congresso celebrado na Universidade Lateranense precisamente sobre o quadragésimo aniversário da Humanae Vitae”.

“De fato, é evidente que não se trata de um artigo que expressa uma posição teológica ou moral, mas sim de uma propaganda paga a favor do uso de anticoncepcionais. Surge a pergunta: “quem pagou e por quê?”, conclui o sacerdote.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: