domingo, 13 de julho de 2008

Bento XVI antecipa parte de sua pauta na Austrália

Saudações queridos leitores!

Um assunto que ainda vai perseguir a Igreja Católica por algum tempo, mesmo que ela não tenha culpa pelos desvios de alguns de seus filhos, são os casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes ao redor do mundo. Os fatores que levaram a tal prática odiosa são muito complexos e não quero dissertar sobre isso agora. O que informo é que Bento XVI falou sobre isso no avião durante a viagem de Roma até a Austrália em ocasião da JMJ.

O Santo Padre já pediu perdão pelos abusos cometidos nos Estados Unidos e acredito que dará uma similar demonstração de humildade durante sua viagem à Austrália. O Papa disse, que é essencial que a Igreja veja "sua culpabilidade, se reconcilie, e previna" este tipo de abusos. Bento XVI afirmou que dirá aos australianos o mesmo que foi dito nos Estados Unidos e explicou que o trabalho do sacerdote é um "trabalho santo", incompatível com este tipo de comportamento. Além disso, o Papa reconheceu que existe uma crise da fé no Ocidente, ao assinalar que a falta de religiosidade na Austrália se deve ao fato de este país ser "histórica e politicamente ocidental, o que o leva a compartilhar tanto seus sucessos técnicos e econômicos como os mesmos problemas". Entre esses problemas, destaco o laicismo agressivo que assola a Europa.

Ainda falando sobre a crise religiosa, o Papa lembrou que ela "acontece porque as pessoas pensam que não precisam de Deus, que podem cuidar de si mesmas, que não necessitam de Deus para ser feliz, nem para criar o nosso mundo". No entanto, o pontífice se mostrou otimista ao afirmar que "Deus está no coração do ser humano, por isso Deus jamais poderá desaparecer".

Bento XVI descansará por quatro noites em uma residência do Opus Dei na localidade de Kenthurst, nos arredores de Sydney. Seu primeiro compromisso oficial acontecerá na quinta-feira, quando será recebido pelas autoridades australianas e se juntará à Jornada Mundial da Juventude.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: