segunda-feira, 2 de junho de 2008

Ditadura Gay: O comportamento homossexual

Saudações queridos leitores!

Poucos dias atrás presenciamos, com um grande alarde da mídia, a Parada do Orgulho Gay em São Paulo. Essa parada representa as reivindicações não dos homossexuais, mas sim dos gays. Pode não parecer, mas existe uma diferença entre as pessoas qualificadas por esses dois termos. Por homossexual, devemos entender aquelas pessoas que possuem o desejo por outras pessoas do mesmo sexo. Agora, o gay, esse é o homossexual militante, que levanta aquela bandeira de arco-íris e que milita em prol da ditadura gay que se instala aos poucos no Brasil. Esses não se contentam em exercer a sua sexualidade como bem entendem, entre quatro paredes, como fazem maioria absoluta das pessoas, eles querem que sua sexualidade seja conhecida, aceita e aplaudida, até mesmo por quem discorda dela. Mesmo que as pessoas tenham o direito de discordar da conduta dos homossexuais, os mesmos não aceitam tal discordância e fazem de tudo para calar toda e qualquer voz contrária, mesmo que seja pelos meios mais sujos, conforme foi mostrado no artigo do Mídia Sem Máscara, que foi reproduzido aqui.

Essa fúria homossexual é freqüentemente descarregada com especial força sobre a Igreja Católica. A simples oposição ao ato homossexual é taxada de homofobia, reacionarismo, e vários outros termos pejorativos. Mas esses mesmos militantes não percebem que são contaminados por uma "catolicofobia", que faz com que eles ataquem a Igreja de modo exatamente igual ao que eles acusam a Igreja de atacá-los. É uma mentira grotesca que a Igreja discrimina os homossexuais. Mas é uma verdade que a mesma Igreja reprova seu comportamento, do mesmo jeito que reprova o adultério e a fornicação dos heterossexuais, o roubo, o falso testemunho e tudo mais que vá contra a Lei de Deus. Falarei mais sobre isso adiante.

Numa sociedade pluralista (pleonasmo inventado por sociólogos moderninhos) espera-se que os homossexuais tenham garantidos o respeito que lhes é devido, mas que estes também respeitem determinados parâmetros e não façam as pessoas aceitarem de forma agressiva seu modo de ser. Penso por exemplo, que a chamada "Parada do Orgulho Gay" atrai muito mais antipatia do que simpatia à causa,se é que podemos chamá-la assim.

A homossexualidade existe assim como muitos outras formas se sexualidade. Isso não quer dizer que sejam todas elas lindas e maravilhosas. Penso,por exemplo, por qual razão a Parada e seus organizadores valorizam tanto comportamentos neuróticos como o fetiche,o sado-masoquismo e mesmo a pedofilia. Poderia ser uma "parada" bem menos aberrante.

Ocorre que quando a Igreja se posiciona a respeito dessas questões,ela tida por "Homófoba"(outro neologismo). Ora homófobo é aquele indivíduo que odeia o homossexual simplesmente por ele existir, sem importar-se com seu caráter, profissão e fé. É quem agride agride fisicamente e impede o acesso ao trabalho.

A Igreja, em seu Catecismo nos pede que acolhamos os gays, homossexuais ou seja lá o nome que se queira dar. Mas ela também tem suas diretrizes em relação a esse comportamento. O fato de ela não aceitar a união entre homossexuais é simples. Para nós, católicos,casamento é firmado pelo Sacramento do Matrimônio, o qual é voltado ao homem e a mulher. Simples assim. Para a Igreja Católica e para seus fiéis, a família se baseia nesse princípio. Entendemos por experiência milenar que uma criança encontra seu bem estar em famílias assim estruradas, salvo casos de viuvez ou abandono do lar por parte de um dos cônjuges. Se encontramos esse modelo muitas vezes doente, não é culpa da Igreja.

Vejo também com muita apreensão as atitudes do Luiz Mott, líder do Grupo Gay da Bahia. Em cada esquina ele vê um uma atitude de homofobia ou um homossexual enrustido. Mesmo entre os ativistas mais ferrenhos há uma atitude agressiva de patrulhamento segundo a qual TODOS os homossexuais deveríam apoiar incondicionalmente a causa. Lembro-me uma vez das críticas que fizeram ao cantor Ney Matogrosso porque ele não participava do movimento. Este artista sempre deixou clara sua homossexiualidade mas também que não queria levantar bandeiras. Foi criticado por preferir auxiliar em causas mais urgentes como o tratamento da hanseníase.

Então pergunto: de onde vem a intolerância? Será que é tudo lindo nesse movimento que quer transformar a sociedade de acordo com aquilo que um certo grupo pensa? E que ainda distorce questões profundas e embasadas como a visão da Igreja diante de tudo isso?

Pense no quesito "adotar crianças", por exemplo. Uma criança não precisa somente de amor, mas também de modelos:o masculino e o feminino. Nem sempre isso é possível, sabemos; a criança pode ser órfã, ser criada pela mãe, pelo pai, um tutor ou orfanato. Mas espera-se que existam outras figuras que as substituam no universo familiar e social da criança. E ainda pergunto: que tipo de homossexuais poderíam adotar uma criança? Teria ela boas condições de ser criada por um travesti, um transformista? Por mulheres masculinizadas? Nessa situação, a Justiça deveria fazer discriminações?

Onde se encaixariam os valores religiosos? Não seria no mínimo estranho e contraditório esses "pais" batizarem e ofecer-lhe a fé cristã, nessas condições?

Como se vê são muitos desejos sem se pensar ao menos em conseqüências. Fruto de um mundo imediatista."Quero isso agora,e pronto. Quem é contra é criminoso, intolerante, atrasado, medieval, reacionário!".

Diante disso tudo, é que penso na Igreja como uma senhora "com dois mil anos de janela". Já viu muita coisa, alertou a respeito de muitas outras. Portanto pode com muita autoridade nos advertir quanto aos rumos que estamos dando à nossa sociedade.

Dando continuidade: O que dizer da chamada "Cultura Gay" que a mídia procura disseminar entre adolescentes? Observa-se uma crescente experimentação de comportamento homossexual entre certos grupos e "tribos". Isso é propaganda e jovem compra, mesmo não havendo uma orientação claramente homossexual nele. E a sociedade não deveria reagir a isso? Os pais? Assistam meia hora da MTV e vejam o que de lá se aproveita...Tais experimentações por parte dos jovens não poderão custar alto demais no futuro? Quais? Pensemos somente na questão da identificação: Quem sou? Do que gosto? Mas talvez para os defensores da liberdade sem limites tudo seja válido. Só posso garantir que sessões de psicoterapia não são baratas.

Outra questão: o que dizer do tal "selo de qualidade gay" para estabelecimentos comerciais? Ora, uma loja deve atnder delicadamente a qualquer cliente seja ele negro, oriental, judeu, umbandista, ateu, petista, hetero ou homossexual. Mas seja quem for o cliente, ele também deve saber respeitar o estabelecimento e por extensão, outros clientes que estejam no local. Se é incoveniente um beijo escandaloso de dois jovens namorados numa loja de sapatos, o mesmo também é para dois homens, duas mulheres ou homem e um cachorro (sim,há muita coisa hoje por aí que a gente ainda vai ver). Mas se alguém reclama, é intolerante preconceituoso, medieval(!).E com isso tudo, esse selo quer também o que? Dizer que o comerciante apóia a causa? Causa-me espanto que apoiar certas causas não tem mesmo qualquer ligação ideológica.

O comportamento homossexual é algo que, se for seguido por toda a população, levaria a nossa raça à extinção.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

11 comentários:

Vicky disse...

Fernando,

Acho que voce vai gostar desse video que eu achei no YouTube. Coloquei links nos meus blogs, orkut, tudo.
Veja se gosta:
http://www.youtube.com/watch?v=kkfhX_xhCcw

Um abraco,
Vicky

Evelyn Mayer de Almeida disse...

Oi, Fernando!

Amei o texto. Puxa, que saco a gente ter que engolir tudo e ninguém parar pra nos ouvir.
Realmente as pessoas precisam entender que a Igreja não fala de metida, mas porque tem anos de história, vivência...

Deus continue te iluminando mais e mais para que escrevas mais e mais.

Giovanni disse...

Fernando, em primeiro lugar, meus parabéns pelo blog, e principalmente por este artigo.

De fato, eu não sei qual o caminho que a sociedade, tão preocupada com as liberdades, está tentando trilhar ...

Somos obrigados a ver em rede nacional, em horário nobre(?) casais gays como se fossem a coisa mais natural do mundo ...

Infelizmente essa coisa do "moralmente correto" me aborrece a um ponto que me sinto, como você cita no seu artigo, medieval, pois não entendo o motivo de tantos quererem que a Matter Eclesiæ mude, ao invés deles perceberem aonde estão indo parar ...

É, meu caro irmão, só nos resta rezar e pedir discernimento a estas pobres almas ...

Tales disse...

Fernando...após ler seu texto onde você equipara a igreja a uma senhora experiente percebo que no mínimo você ignora ou finge que não vê todos os erros que esta "senhora" cometeu ao longo dos séculos de tirania por todo o mundo. Além de seu aborrecimento com os homossexuais, aproveite e comente sobre a "Santa" inquisição, confissão, impostos santos, negligência da 2a guerra mundial, não-ordenação de mulheres, não a métodos contraceptivos...etc. Poderia citar inúmeros acontecimentos que foram marcantes como o caso emblemático de Galileu Galilei que foi obrigado pela Inquisição a negar que a Terra se movia em torno do Sol. Mas o melhor de tudo é onde se coloca a orientação sexual alheia em um único saco fazendo parecer que todo homossexual quer impor sua condição a sociedade. Eles apenas querem respeito e dignidade. Pagam imposto e não podem usufruir de muitos direitos legais que os demais não homossexuais possuem.

Gostaria de lembrar que neologismos criados por sociólogos e áreas afins vem somente a somar a uma lingua que vive mudanças e se depara com atitudes realmente no mínimo medievais. Considera-se medieval tudo aquilo que ainda permanece na escuridão ou na hipócrita ignorância que muitos religiosos insistem e ser.
Comecemos a refeltir dentro de casa e rever a experiência desta senhora e parar de ignorar o corpo.
Prefiro parar por aqui porque seria inútil dizer que não existe a intenção de imposição, mas apenas respeito e direitos iguais!
Grande abraço e fique com Deus!

ANCIÃO RICHARD disse...

DEUS NÃO OBRIGA NINGUÉM A NADA. DEUS NOS DEU LIBERDADE DE ESCOLHER.EXISTEM COISAS MAIS IMPORTANTES PARA VOCÊS LUTAREM: CONTRA A FOME, CONTRA A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE (QUE ESTÁ AJUDANDO COM A DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL, COM A COMODIDADE À CARIDADE. DEIXE-NOS EM PAZ E VAI PREGAR O AMOR DE JESUS. FALA PARA O BENTO XVI(AQUELE HOMOFÓBICO)PARA VENDER O OURO DE ROMA E DAR DE COMER AOS FAMINTOS DA ÁFRICA, EM VEZ DE PERSEGUIR CIDADÃOS LIVRES. SER HOMOSSEXUAL É LEGAL! VIVA LUIZ MOTT E O GGB.

chicobiblia disse...

Convém lembrar que essa "senhora" católica romana não tem ainda dois mil anos. É que muitos confundem a Igreja Cristã primitiva, fundada por Cristo, com o Catolicismo Romano, o qual se desenvolveu a partir do quarto século, após a suposta conversão do imperador Constantino. Essa igreja se formou entre o quarto e o sexto século como resultado de uma amálgama entre as doutrinas cristãs e conceitos pagãos que tiveram ingresso na Igreja Cristã. Mas, apesar disto, a sua postura contra o homossexualismo não destoa do Cristianismo primitivo, pois na Bíblia o estilo de vida homossexual é reprovado. Portanto, o que os cristãos têm a fazer é adotar uma atitude de tolerância para com os homossexuais, reconhecendo seus direitos, mas deixando claro que Deus condena esta prática e que isto pode pôr em risco a sua salvação eterna, se eles não se arrependerem. Todos nós somos pecadores e necessitamos da graça divina que pode nos transformar em cidadãos do Céu! Ninguém deve ser considerado inferior!

Anônimo disse...

Fernando,

Acredito sim que vc tenha todo o direito de manifestar a sua opinião. Assim, como nós, os homossexuais.
Todo comportamento em inicio traz discórida. Não estamos "impondo" uma condição e sim queremos liberdade para ser! Mas infelizmente vivemos em uma sociedade hipocrita que prefere tapar os olhos a ver o que realmente ocorre em sua sociedade. Hoje, comemora-se o dia da mulher, um marco histórico onde as mesmas lutaram para ter reconhecido sua condição de cidadam e não de "escrava". Porque não podemos fazer o mesmo?
Sou católico e tenho uma grande apreciação pela cultura apostolica. Mas sei muito bem reconhecer um comportamento retrógado e egoista. Não se esqueça que um dos momento de maior pesar da hitória foi quando havia um excesso de religiosiade, na idade média, o periodo das trevas. A prerrogativa da Igreja é sempre a mesma "é uma entidade compostas por Homens e têm direito de errar". Mas a mesma Senhora Entidade continua cometendo os mesmos absurdos. E você com muito desconhecimento da posição homossexual vem a prestar moralidades infundaveis?? Será que a Igreja pode mesmo com "muita autoridade" definir o que é melhor para nossa vida? Enquanto preconisa nascimentos de afortunados, proliferação de doenças e e tapa os olhos acerca da maioria que a frequenta! Louvavel é àquele que consegue colocar ciencia e religião em um mesmo patamar e entender o mundo que o cerca. Acredite, o número estimado da população homossexual no mundo é de 38% com grande estimativa de erro, pois vários não admitem em entrevista sua condição. Então, não me venha você dizer que é um número pouco expressivo.
Em estudo teológico feito por LaVay et. al., (1994)e esse não era homossexual.. rsrs. demonstrou grandes erros de associações a homoafetividade e condulta inaceitável e sim uma maneira utilizada pela igreja na Idade média em "organizar" o comportamento humano, coisa que a mesma tenta fazer até hoje.
Não estou falando que alguns homossexuais não apresentam comportamentos não muito exemplares, mas todos os ditos "heteroafetivo" os fazem? Claro que não.
Logo, Ferando, acredito que o conhecimento e a tolerância salve a humanidade não a hipocrisia e meias verdades.

Anônimo disse...

Pense em alguma coisa q eh mais forte q vc! Se não fosse normal Deus não permitia q eu fosse homossexual pq se quer saber eu não gosto de ser oq sou! Pq sofro, faço pessoas da minha família sofrer, mas preciso ser feliz e ir atrás daquilo que gosto. Deus me trouxe aqui pra ser feliz e perante ele tenho ctza q sou igual a qqr outra pessoa. Não quero impor nada, só quero e preciso ser feliz, quero liberdade pra ser qm sou. É difícil viver escondido, viver de acordo com o espelho dos outros. Pense um pouco nisso, tente se colocar no lugar de algumas pessoas. Não tenho absolutamente nada contra a Igreja, inclusive frequento a Igreja Católica, mas tem certos dias q o padre diz certas coisas q me magoam, mas eu finjo q não é cmg. A única falha da Igreja hj é que ela se perdeu da sociedade, não acompanha a sociedade, não é toa q vem perdendo fiéis cada dia q passa! E na minha humilde opinião Parada Gay não é ofensiva mas tb não é defensiva. Hj é mto mais uma festa do que um propósito, uma causa.

Anônimo disse...

Nem sei como as pessoas ainda discutem um tema tão corriqueiro. Antes a igreja dizia que negros não tinham alma, e aos poucos por conveniência vai abrindo as pernas. Ahh tenha dó com um discurso tão retrógrado este. vai se preocupar com a fome, com os padres pedófilos, com guerras (que a igreja foi omissa) e outras mazelas que a própria igreja ajuda a criar no mundo.

Que o vaticano abra as portas, venda seus tesouros e ajude a melhorar aquilo que ele mesmo contribuiu para destruir.

Anônimo disse...

Fernando vc fala em ditadura, e o que dizer a opressão que os gays sofrem de não poderem andar de mãos dadas ou se beijarem a luz do dia??
quem é o oprimido aqui??
nós gays que temos que namorar no escuro, e somos agredidos se nos beijarmos em público.
Nós gays e homossexuais é que somos oprimidos!
E o que dizer dos mais de 3000 assassinatos de homossexuais e gays no ano de 2009??
Então não me venha com esse moralismo barato!!
E outra coisa, o que está levando a sociedade a extinção não é a relação gay, o que está levando a sociedade a ruina é a VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E OS ASSASSINATOS DE CRIANÇAS, CRIMES QUE NÃO SÃO PRATICADOS POR GAYS OU HOMOSSEXUAIS!!

Anônimo disse...

No dia que dar o toba for normal o mundo se acabará