segunda-feira, 5 de maio de 2008

Medida Pró-Vida é barrada na Flórida

Saudações queridos leitores!

Um projeto de lei que aprovaria uma medida inofensiva, indolor, eficiente e barata que poderia salvar muitas vidas foi vetado na Flórida. Será que eles fariam o mesmo para os presos condenados à morte? Fiquem com notícia da ACI, volto depois.

Bloqueiam medida pró-vida que frearia abortos na Flórida

(ACI).- O Senado da Flórida bloqueou um projeto de lei que obrigava às mulheres no primeiro trimestre da gravidez a submeter-se a uma prova de ultra-som antes de abortar.


Segundo o anteprojeto do Senado, aos médicos seria-lhes exigido mostrar às mulheres grávidas com menos de três meses de gestação um monograma e lhes explicar o significado da imagem. Embora as mulheres poderiam recusar ver a imagem assinando um documento, teriam que submeter-se ao ultra-som.

A medida exonerava da prova às vítimas de violação sexual, incesto, violência doméstica ou tráfico de mulheres, ou às que alegassem razões graves de saúde para fazer um aborto.

Na Flórida, os ultra-sons já se requerem em abortos antes do segundo e terceiro trimestre de gestação, mas estes representam apenas cinco por cento dos 95 mil abortos por ano que se realizam neste estado.

Voltei. Isso é a consciência falando. É muito fácil você matar sem ver. Se você não vê, não existe. Essa lógica distorcida é aplicada também com os fetos. Os médicos e as gestantes que matam seus filhos não querem pensar que estão assassinando uma pessoa, tirando uma vida, privando o mundo inteiro de uma história, que estão influenciando diretamente no mundo.

A rejeição desse projeto só demonstra que as pessoas estão tentando negar algo que elas têm consciência. Independente da realização do ultrassom, muitos deles sabem que é uma vida humana que está sendo sacrificada por propósitos muitas vezes puramente egoístas. Então querem privar a mãe da dor, mas não se importam em privar um inocente de sua vida.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: