sábado, 17 de maio de 2008

Justiça da Bahia manda recolher livro de padre

Saudações queridos leitores!

A Justiça da Bahia mandou recolher um livor escrito pelo Monsenhor Jonas Abib. De acordo com a reportagem, houve "incitação ao desrespeito religioso". Do jeito que a reportagem foi escrita, fica difícil acreditar. Fiquem com notícia do Terra (fonte aqui), transcrita na íntegra, volto depois.

Justiça da Bahia manda recolher livro de padre

Todos os exemplares do livro "Sim, Sim! Não, Não! Reflexões de Cura e Libertação", da editora Canção Nova, do padre Jonas Abib, terão de ser recolhidos em Salvador (BA). A determinação é da Justiça da Bahia. O padre é fundador da comunidade católica Canção Nova, ligada à Renovação Carismática, ala conservadora da Igreja. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo o Ministério Público baiano, que pediu o recolhimento do livro, o padre cometeu o crime de "prática e incitação de discriminação ou preconceito religioso", previsto na lei 7.716, de 1989. Cabe recurso à Justiça.

O promotor Almiro Sena alegou que Abib faz "afirmações inverídicas e preconceituosas à religião espírita e às religiões de matriz africana, como a umbanda e o candomblé, além de flagrante incitação à destruição e ao desrespeito aos seus objetos de culto".

A editora Canção Nova informou que não foi comunicada da decisão judicial e negou que o livro incorra em preconceito religioso.

Voltei. Em primeiro lugar, a reportagem, apesar de colocar a afirmação do promotor, não destacou sequer um trecho em que tais práticas atribuídas ao Monsenhor Jonas Abib são cometidas, o que torna um bocado difícil formular qualquer opinião a respeito.

Será que nenhum jornalista conseguiu um exemplar da obra, que continua a ser vendida em todo o Brasil para verificar as acusações?

Engraçado como em uma hora dessas classificam a Renovação Carismática como ala conservadora da Igreja... Tudo bem que eles têm uma grande fidelidade ao Santo Padre, uma grande devoção e uma cultura de piedade, mas alguns abusos cometidos na RCC a deixam um pouco longe de ser classificada como conservadora, no bom sentido da palavra.

Nem sequer sabemos se houve o crime de qual Monsenhor Jonas é acusado, mas será que diante de uma suspeita de crime semelhante cometido contra a Igreja Católica e seus fiéis, o Ministério Público da Bahia agiria com tanta rapidez e rigor?

"Porque os deuses dos pagãos, sejam quais forem, não passam de demônios." (Salmo XCV, 5, traduzido da Vulgata Latina).

Será que vão censurar a Bíblia também?

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: