quarta-feira, 2 de abril de 2008

João Paulo II, três anos depois

Saudações queridos leitores!

João Paulo II foi o primeiro Papa que eu conheci. Durante muito tempo, foi o único. Era uma das pessoas que eu pensava ser "imortais", como Henriqueta Brieba, Padre Jonas Traversin, Padre Léo e Charles Bronson. Por que eu coloco o nome de João Paulo II ao lado de dois nomes que não são religiosos? Porque são pessoas que nunca imaginei que morressem. Talvez existam mais pessoas assim, mas só descobrirei depois que morrerem.

É inegável a influência que João Paulo II exerceu sobre nosso mundo, sobre nosso modo de ser Católico. Uma das coisas que mais me marcaram e me moldaram é sua demonstração de como ser Católico com bom humor, com brincadeiras e ao mesmo tempo, ser irrepreensível na Fé. Quem não se lembra da vez em que ele girou a bengala, como fazia Chaplin, interpretando Carlitos? Quem não se lembra de quando ele disse no Rio de Janeiro: "Se Deus é Brasileiro, o Papa é carioca.".

Mas João Paulo II foi muito mais do que isso. Foi um peregrino incansável, que defendeu a Fé Católica em todos os lugares por onde passou. Suas peregrinações por todo o mundo, inclusive a lugares nunca antes visitados, deixou um rastro de esperança e foi fertilizadora de novas vocações.

Ele deu sua saúde por nós, para nos transmitir a Fé e a esperança de Cristo. O atentado sofrido em 13 de maio de 1981, que quase tirou sua vida e que penso que abreviou seu pontificado é uma das grandes provas de seu imenso amor por nós e de seu total e irrestrito comprometimento com o mandato evangélico de sempre anunciar a Cristo. A ocasião em que ele visitou o homem que tentou matá-lo, perdoou-o e o abraçou, nos mostrou uma dimensão do perdão que muitos não conseguimos alcançar.

Karol Joséf Wojtyla também sofreu durante a Segunda Guerra Mundial e o comunismo. Como tal, conheceu na pele os males dos quais padecem sus vítimas. E condenou. Mas não fez apenas isso. Ele ajudou na queda do Comunismo que assolava sua terra natal. Esse ato foi um ponto de partida para que o Comunismo ruísse de vez no mundo todo. Ainda há alguns esbirros por aí, mas o principal já foi feito.

Há muito mais sobre João Paulo II, mas não há palavra no mundo que expresse.

João Paulo II, de grande, imensa memória. Papa que nos deixa muitas saudades. Um Santo Pontífice, como o mundo precisou. Que ele interceda por nós dos céus onde certamente contempla a Deus, face a face.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: