segunda-feira, 21 de abril de 2008

Ex-bispo de esquerda vence eleições no Paraguai

Saudações queridos leitores!

Aposto os pinos do meu ombro como teremos muitos problemas com a eleição de Fernando Lugo, bispo Católico suspenso, fã de Betto, Boff e cia, devoto da trindade esquerdóide. Fiquem com notícia do Terra (íntegra aqui), volto depois.

Ex-bispo de esquerda vence eleições no Paraguai

O ex-bispo e candidato da esquerda Fernando Lugo ganhou as eleições presidenciais realizadas hoje no Paraguai, derrotando a candidata do governo, Blanca Ovelar, e acabando com 61 anos de hegemonia do Partido Colorado. Lugo tem 40,5% dos votos, contra 31,0% para Ovelar, segundo a projeção do Tribunal Eleitoral baseada na apuração de 75% das urnas.

Ao comemorar o resultado, Lugo, 56 anos, disse que as eleições de hoje provaram que "os pequenos também podem vencer" no Paraguai.

(...)

Com a vitória de Lugo, todos os países do Mercosul passarão a ser governados por presidentes de esquerda: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, além das nações associadas Chile e Bolívia e da Venezuela, atualmente em processo de ingresso como membro pleno.

Lugo é Partidário da Teologia da Libertação, admirador de Leonardo Boff e de Dom Helder Câmara, simpatizante dos governos de Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia) e de Rafael Correa (Equador).

Durante a campanha, Lugo prometeu que sob seu governo o Paraguai evitará se posicionar em um dos pólos de esquerda regional, e que fará uma reforma agrária respeitando a Constituição.

A reforma agrária é algo que afeta muitos brasileiros da fronteira que vivem no lado paraguaio, os chamados "brasilguaios".

O ex-bispo disse ainda que vai renegociar a maneira como o Paraguai vende a energia elétrica da represa binacional de Itaipu ao Brasil para estipular "um preço de mercado".

"A energia não está sendo vendida ao Brasil por um preço justo porque é valor de custo e não o de mercado. Ninguém dá energia a preço de custo. A Venezuela não vende seu petróleo a preço de custo. Assim como o Chile não dá o seu cobre e a Bolívia não vende o seu gás a preço de custo".
O Paraguai vende ao Brasil o excedente de sua parte da energia que não consome a um preço fixado em um acordo de 1973.

Lugo alega que os 300 milhões de dólares pagos pelo Brasil anualmente ao Paraguai são irrisórios quando na realidade deveria pagar entre 1,5 a 2 bilhões de dólares, a preço de mercado.

Voltei. É, queridos leitores, a situação é muito pior do que imaginávamos. O que essa gente fala não se escreve. Um dos pontos altos da campanha de Dom Fernando Lugo é algo no mínimo delirante: ele quer reajustar as tarifas da energia elétrica de Itaipu que é vendida ao Brasil em 6 vezes! Isso mesmo. Essa alta é correspondente à alta do petróleo atualmente! Isso é um descalabro, mas como vivemos na república dos bananas, não duvido nada de que isso realmente aconteça.

A usina de Itaipu foi construída em um convênio entre Brasil e Paraguai. Como parte do tratado assinado com essa finalidade, está a obrigação de um país vender o excedente de energia para o outro, obrigatoriamente, a preço de mercado. O que acontece é que o Paraguai não tinha dinheiro para financiar a sua metade na construção da usina, o que obrigou o Brasil a financiar a construção toda. Então, depois que a usina ficou pronta, a energia que o Paraguai não usa é vendida para o Brasil, mas o valor o empréstimo feito para a construção da mesma é descontado.

Se o novo presidente quiser que paguemos o preço de mercado, sem os descontos, o Brasil deveria executar a dívida que o Paraguai tem conosco até 2023, mas o problema é que isso custaria o equivalente a uns três ou quatro Paraguais.

Os nossos bananas de Brasília logo logo começarão a piscar os olhinhos para essa proposta indecente, garanto. Afinal de contas, como dá pra ver na reportagem, Dom Fernando é mais um "cumpanhêro" dos animais esquerdistas que infestam a política sul americana.

A melhor saída da América Latina é pelo aeroporto.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: