segunda-feira, 21 de abril de 2008

Discursos do Papa: ONU

Saudações queridos leitores!

Trago nos próximos textos alguns dos principais discursos feitos pelo Santo Padre, o Papa, durante sua visita aos Estados Unidos. Fiquem com ZENIT (fonte aqui).

Palavras do Papa a diretores e funcionários das Nações Unidas

NOVA YORK, sexta-feira, 18 de abril de 2008 (ZENIT.org).- Publicamos as palavras que Bento XVI dirigiu aos diretores e funcionários das Nações Unidas na sala da assembléia geral.

* * *

Senhoras e senhores:

Aqui, neste pequeno lugar no meio da movimentada cidade de Nova York, encontra-se situada uma Organização que tem uma missão tão vasta como o mundo: a promoção da paz e da justiça. Isso me lembra um contraste parecido, no referente à magnitude, entre o Estado da Cidade do Vaticano e o mundo, no qual a Igreja realiza sua missão universal e seu apostolado. Os artistas que no século XVI pintaram os mapas geográficos nas paredes do Palácio Apostólico recordaram aos Papas a enorme extensão do mundo conhecido. Nestes frescos se apresentava aos Sucessores de Pedro um sinal palpável do imenso raio de ação da missão da Igreja, em um tempo no qual o descobrimento do Novo Mundo abria horizontes inesperados. Aqui, neste Palácio de Cristal, a arte que se mostra tem sua própria maneira de recordar as responsabilidades da Organização das Nações Unidas. Vemos imagens dos efeitos da guerra e da pobreza, lembramos do dever de comprometer-nos por um mundo melhor e experimentarmos alegria pela genuína variedade e exuberância da cultura humana, como se manifesta no amplo leque de povos e nações reunidos sob a proteção da Comunidade Internacional.

Por ocasião de minha visita, desejo prestar homenagem à incalculável contribuição do pessoal administrativo e dos funcionários das Nações Unidas, que desempenham suas tarefas cada dia com grande dedicação e profissionalismo, seja aqui, em Nova York, como em outros centros da ONU ou em missões particulares por todo o mundo. Quero expressar a vós e a todos que vos precederam meu agradecimento pessoal e o de toda a Igreja. Recordamos de maneira especial tantos civis e custódios da paz – 42 só em 2007 – que sacrificaram suas vidas pelo bem dos povos aos que servem. Recordamos também a grande multidão dos que dedicam sua vida a trabalhos nem sempre suficientemente reconhecidos e realizados com freqüência em condições difíceis. A todos vós, tradutores, secretários, pessoal administrativo de toda classe, equipes de manutenção e de segurança, trabalhadores para o desenvolvimento, custódios da paz e a tantos outros, dirijo meus mais sinceros agradecimentos. O trabalho que levais a cabo permite à Organização buscar continuamente novas vias para alcançar os objetivos para os quais foi fundada.

Fala-se freqüentemente das Nações Unidas como da «família das nações». Da mesma maneira, poderá falar-se da sede central, aqui em Nova York, como de um lar doméstico, um lugar de boas vindas e de preocupação pelo bem dos membros da família em todas as partes. É um lugar excepcional para promover o aumento da compreensão mútua e da colaboração entre os povos. É por isso que os funcionários das Nações Unidas são escolhidos entre um amplo leque de culturas e nacionalidades. As pessoas aqui forma um microcosmos do mundo inteiro, no qual cada um dá uma contribuição indispensável dede o ponto de vista de seu próprio patrimônio cultural e religioso. Os ideais que inspiraram os fundadores desta instituição devem expressar-se, aqui e em cada uma das missões da Organização, no respeito e na aceitação recíproca, que são características de uma família prospera.

Nos debates internos das Nações Unidas se está dando uma importância crescente à «responsabilidade de proteger». De fato, esta começa a ser reconhecida como a base moral do direito de um governo a exercer a autoridade. É também uma característica que pertence por natureza à família, na qual os membros mais fortes cuidam dos mais fracos. Esta Organização, supervisionando de que maneira os governos cumprem com sua responsabilidade de proteger seus cidadãos, presta um serviço importante em nome da comunidade internacional. No âmbito do dia a dia, sois vós quem, mediante a atenção que mostrais uns pelos outros no lugar de trabalho e vossa preocupação pelos numerosos povos aos quais servis em suas necessidades e aspirações com sua atividade, pondes os fundamentos para realizar este cometido.

A Igreja Católica, através da atividade internacional da Santa Sé e mediante as inumeráveis iniciativas dos leigos católicos, Igrejas locais e comunidades religiosas, oferece-vos seu apoio em sua tarefa. Eu vos asseguro uma lembrança especial em minhas orações por vós e vossos familiares. Que Deus todo-poderoso vos abençoe sempre e vos conforte com sua graça e sua paz para que, mediante vossa atenção a toda a família humana, possais continuar servindo-O.

[Tradução: Élison Santos. Revisão: Aline Banchieri

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: