quarta-feira, 2 de abril de 2008

Congressistas equatorianas pró-vida são pressionadas para que abandonem Partido de Correa

Saudações queridos leitores!

Vamos aplaudir mais uma vez os áulicos da esquerda, os grandes tolerantes, aqueles homens, mulheres e etc maravilhosos que querem nos passar suas virtudes de amor e respeito à diversidade. Por ACI, volto depois.

Acossam a congressistas equatorianas pró-vida para que abandonem Partido de Correa
.- Com uma intensa campanha de hostilidade e agressões por parte de seus co-partidários, o bloco oficialista Acordo País forçaria a separação das congressistas pró-vida e família Rossana Queirolo e Diana Acosta que participam da Assembléia Constituinte do Equador.

Nas últimas semanas, Queirolo e Acosta viraram as principais vozes do grupo de congressistas do oficialismo com uma clara aposta por defender a vida sem exceções e proteger o matrimônio como a união de homem e mulher no texto da futura Constituição Política do Equador. Esta postura lhes valeu ataques furiosos por parte de seus próprios companheiros de bancada partidária e inclusive a congressista oficialista Betty Amores lhes solicitou publicamente que renunciem "por dignidade" já que não compartilham a linha oficialista.

Queirolo deixou em claro que foi eleita como congressista "por mandato do povo" e não mudará suas convicções pessoais; precisou que na bancada partidária "há duas posturas sobre os três temas polêmicos e eu me mantenho na minha sobre respeitar a vida desde sua concepção até a morte".

Para Carlos Polo, Diretor do Escritório para a América Latina do Population Research Institute "este ato constitui um grave atentado à liberdade de pensamento. Um precedente assim o único que faz é invalidar o projeto mesmo de uma nova Constituição. Correa deveria perceber que por esse caminho perderá no referendum que aprovaria o texto final da nova Constituição. Se Correa se deixa levar por alguns políticos favoráveis ao aborto, o voto pelo NÃO no referendum será majoritário".

Em meio desta polêmica e para evitar a perda de respaldo popular, Acordo País publicou um comunicado no qual promete incorporar "de maneira ecumênica o nome de Deus e as diversas formas de religiosidade, espiritualidade e crenças dos equatorianos"; proteger a vida da concepção; manter o matrimônio como a união de um homem e uma mulher e não discriminar "a ninguém por sua orientação sexual".

Voltei. Isso não é lindo? Meu coração se enche de alegria quando vejo o quanto os "tolerantes" são tolerantes. Mal podem ver uma diversidade em seu grupo que tratam logo de tentar extirpá-la. Credo! Tem gente que ainda gosta disso. Gente normal não pode ser. Ou é um pirralho intelectual ou é gente simplesmente má.

Querios leitores, para quem ainda era cético com relação às intenções das esquerdas, fica aí mais um exemplo escancarado. Querem expulsar Deus do Equador, reconhecer qualquer aberração como casamento e querem oficializar a pena de morte aos nascituros. Isso não é pauta dessa ou daquela corrente da esquerda, é na verdade parte de seu grande projeto de hegemonia cultural. Esses posicionamentos são compartilhados pelos participantes do Foro de São Paulo, oraganização que reúne partidos de esquerda do mundo todo, entre eles o Partido Comunista Chinês, o Partido Comunista Cubano, os partidos de Hugo Chávez, Rafael Correa e Evo Morales. Foro fundado por Lula.

Não se enganem, a sede de sangue das esquerdas ainda está longe de ser saciada.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: