quinta-feira, 10 de abril de 2008

CNBB denuncia ameaça de morte a três bispos do Pará

Saudações queridos leitores!

Mais uma vez bispos são ameaçados de morte no Pará. Grande parte do território do Estado é tomado por grileiros e por exploradores ilegais. As denúncias constantes dos religiosos os colocam em perigo de morte. Fiquem com notícia do G1 (fonte aqui), volto depois.

CNBB denuncia ameaça de morte a três bispos do Pará

Entidade cobra investigação e mais proteção aos religiosos ameaçados.
Secretaria de Segurança do Pará diz que o programa de proteção é suficiente.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai denunciar internacionalmente, nesta quinta-feira (10), as ameaças de morte a três bispos que atuam no Pará. A entidade quer que o estado investigue a origem das ameaças e garanta mais segurança para os religiosos.

O documento está endereçado a representantes da Anistia Internacional e à Organização das Nações Unidas (ONU).

Ao contrário do que denuncia a CNBB, a Secretaria de Segurança Pública do Pará diz que o programa de proteção a defensores dos direitos humanos é suficiente para garantir a segurança dos religiosos.Em nota, a CNBB reafirmou solidariedade aos bispos que estão sofrendo perseguição e ameaça de morte. “Qualquer agressão a eles atinge a todos nós, seus irmãos no ministério episcopal, e ao povo a quem servem com destemido zelo e corajosa profecia.”

No documento, a CNBB informa que acredita no direito de cada indivíduo. “Em Cristo somos um só com eles e com as pessoas que eles defendem: os povos indígenas; as mulheres, crianças e adolescentes que o tráfico de seres humanos instrumentaliza, que a exploração sexual vende e as drogas matam.”

Os bispos cobram investigações e proteção para os ameaçados. “Exigimos das autoridades competentes investigações sérias e proteção para os ameaçados. Sua vida é preciosa para o povo que defendem e para nós que lhes somos solidários. Basta de violência!”

Voltei. É obrigação dos religiosos alertar sempre que o desrespeito à vida do próximo for descoberto, mas é dever do Estado lutar contra essa situação, que transforma grande parte do território brasileiro em "terra de ninguém", dominados ou por grileiros, exploradores da madeira e do trabalho escravo ou por ONGs, em sua grande maioria estrangeiras, que só querem tirar proveito das reservas naturais e dos financiamentos governamentais.

Se algo não for feito, os religiosos, que são alguns dos poucos que ousam enfrentar os grileiros, pagarão com suas vidas pela luta que empreendem em favor do próximo. Está na hora do Estado mostrar que se importa com o Norte do Brasil, antes que percamos boa parte do país para esses exploradores.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: