segunda-feira, 7 de abril de 2008

68% defendem que aborto continue crime no Brasil

Saudações queridos leitores!

Por mais que o nosso Ministro da Doença, quer dizer, da Saúde, trabalhe para que o assassinato de nascituros seja legalizado no Brasil, o povo continua demonstrando sua rejeição contra essa prática. Fiquem com notícia da Folha (fonte aqui), volto depois.

68% defendem que aborto continue crime no Brasil


Segundo Datafolha, maior percentual favorável à lei está entre quem tem 60 anos ou mais: 73%

Pesquisa revela que taxa dos que querem que o aborto continue sendo crime está em ascensão: era de 63% em 2006, ante 65% em 2007

DA REPORTAGEM LOCAL

Sete em cada dez brasileiros, praticamente, defendem que a lei de aborto continue como está. Segundo pesquisa Datafolha, 68% dos brasileiros querem que a lei não sofra qualquer mudança. Aborto é considerado crime pelo Código Penal, punido com pena de prisão de um a quatro anos para a mulher que consentiu a prática.

A taxa dos que querem que o aborto continue sendo tratado como crime está em ascensão. Em 2006, os que defendiam a lei somavam 63%; em 2007, eram 65%. A taxa dos que não querem flexibilizar a lei cresceu 14 pontos percentuais entre 1993 e 2008. Naquele ano, 54% defendiam a punição criminal ao aborto.

Quanto mais elevada a escolaridade, maior é o apoio a mudanças na lei. Entre os que concluíram curso superior, 30% defendem que o aborto seja permitido em mais situações do que é hoje: quando a mulher corre risco de morte, quando há má-formação no feto e quando a gravidez é resultado de crime.

Entre os que só cursaram o ensino fundamental, a taxa dos que são contrários a mudanças é a terceira mais alta: 71%. A segunda taxa mais elevada dos que defendem a manutenção da lei está na região Sul do país (72%). O percentual mais alto é encontrado entre os que têm 60 anos ou mais: 73%.

O grau de urbanização parece influenciar os que defendem mudanças. Um quinto dos moradores das capitais dizem que gostariam de uma lei que permitisse o aborto em mais situações -seis pontos percentuais acima da média nacional. Já nas cidades do interior, 70% querem que a lei siga sem mudanças -dois pontos acima da média. Cariocas e paulistanos têm visões diferentes sobre essa questão. No Rio, o tema é tratado com mais liberalidade -53% defendem que a lei continue a mesma (15 pontos abaixo da média). Já em São Paulo, essa taxa é de 59%.

Campanha

O aumento da taxa dos que são contrários a flexibilizar a lei de aborto pode ter alguma relação com a campanha que a Igreja Católica move contra esse tipo de prática no Brasil.

A campanha mais contundente foi feita pela Arquidiocese do Rio de Janeiro. Lá, no último mês, padres levaram às missas reproduções de fetos.

Foram produzidos 600 bonecos imitando fetos com três meses de gestação. Eles foram usados em procissões e nas 264 igrejas da cidade. Os bonecos de fetos fazem parte da campanha da fraternidade de 2008 da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), cujo lema é "Escolhe, pois é vida".

Em São Paulo, as manifestações da Igreja Católica tiveram um tom menos contundente: foi realizado um ato público contra o aborto na praça da Sé.

O alvo da CNBB é um projeto de lei que descriminaliza o aborto. Ele está parado há 16 anos na Câmara dos Deputados e havia a previsão de que poderia entrar na pauta neste mês.

Voltei. Essa insistência do Ministro Temporão de lutar pela legalização do aborto tem um viés escancaradamente ideológico. Enquanto existe tanta coisa mais importante a ser feita, como a luta contra a dengue e a resolução do sucateamento dos hospitais, ele fica nessa insistência de que o assunto do aborto precisa ser debatido no Brasil. Ele insiste tanto nisso e quando vê que a rejeição ao seu desejo é evidente, trata de desqualificar os interlocutores.

O esforço da Igreja na luta contra a cultura da morte, a Campanha da Fraternidade e as estratégias adotadas pela Igreja (principalmente no Rio de Janeiro) também têm seu peso no aumento dessa rejeição.

Primeiro, defendem o aborto, depois, ponderarão o infanticídio e a eutanásia. Chegará o ponto em que as pessoas aceitarão discutir a descriminalização do homicídio.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: