terça-feira, 25 de março de 2008

Espetáculo blasfemo em Brasília

Saudações queridos leitores!

Os detratores da Igreja não se cansam de nos atacar, mesmo que seja ao arrepio da Lei. Recebi uma mensagem denunciando um espetáculo blasfemo contra a Igreja. Em Brasília. Vejam a sinopse:

A parceria entre Alexandre Ribondi e Sérgio Sartório, vinda dos recentes sucessos Virilhas e O Dicionário de Machado volta ao palco do Teatro Goldoni, desta vez com a comédia Nunca Fui Santo.

No espetáculo, Sérgio Sartório ocupa a direção e Ribondi entra em cena acompanhado do também ator cômico André Reis. Juntos, eles vivem as divertidas aventuras de um padre brasileiro e seu fiel noviço.

No palco, Ribondi interpreta um padre famoso, amigo de artistas e freqüentador de programas de televisão. Já André Reis é uma freira que vive um romance tórrido com o padre. Em parceria, eles lançam no mercado produtos eróticos e um manual de etiqueta para sexo entre cristãos. A trama deslancha e a bagunça começa quando a freira abandona o padre por outra pessoa, colega de hábito.

Fonte: Guia da Semana.

Voltei. Isso é de uma grosseria tremenda. Uma forma de expressão tão baixa, vil e mesquinha não tem apoio na liberdade de expressão, o direito que é sempre repetido como um mantra quando posturas bárbaras são questionadas. É evidente que o espetáculo é um abuso, pois faz chacota e ridiculariza a Fé Católica, algo que não encontra apoio no direito de liberdade de expressão, pois o mesmo não deve ser usado para vilipendiar a Fé alheia.

Essa iniciativa absurda é tomada pelo tipo de gente que quer usar o nome da Igreja para gerar polêmica e alcançar a fama não com seu próprio talento, mas com o mero escândalo. Quem age assim, provando ser incapaz de brilhar por conta própria, dá testemunho de sua incompetência.

Cabe ao poder público, assim que acionado, averiguar o abuso contra a Fé Católica promovido por esses atores que tentam fazer sua fama em cima da polêmica e da sujeira lançada ao nome da Santa Igreja Católica.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: