quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Não há contradição entre Papas sobre inferno

Saudações queridos leitores!

Notícias deformando o que diz a Igreja, há aos montes na mídia, agora uma notícia assim não veremos tão facilmente na mídia secular. Fiquem com ZENIT (íntegra aqui), volto depois.

Cardeal Cipriani: não há contradição entre Papas sobre inferno

Declara o arcebispo de Lima

LIMA, quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008 (
ZENIT.org).- O cardeal Juan Luis Cipriano, arcebispo de Lima, explicou que não há contradição nos ensinamentos dos Papas sobre o inferno, desmentindo informações publicadas por órgãos informativos.

«Não há uma oposição, mas uma perfeita unidade entre o que diz Bento XVI e o recordado João Paulo II. É uma verdade muito clara; portanto, é uma maneira fácil de atacar a Igreja e ao Papa», afirmou o cardeal Juan Luis Cipriani ao tratar do tema da existência do inferno, em seu programa «Diálogo de Fé», de sábado, 9 de fevereiro.

O arcebispo de Lima expressou que, quando o jornalismo tenta confrontar o Papa Bento XVI com João Paulo II, é o maior cinismo que pode haver.

Deste modo, declarou as interpretações jornalísticas das palavras espontâneas que Bento XVI dirigiu em 7 de fevereiro a sacerdotes da diocese de Roma.

«Ao invés de ir ao fundo das coisas, como, por exemplo, como vivendo neste mundo e o que acontece na outra vida, vão pelo caminho fácil, confrontando Bento XVI com João Paulo II. O tema não está para brincadeiras e, logicamente, é falso, já que em nenhum aspecto se contradizem os ensinamentos do Papa», manifestou.

Voltei. Isso serve tanto para calar os ditos "liberais", que usam de citações desconexas dos Papas para tentar afirmar seus pontos de vista particulares quanto para os radicais tradicionalistas, que eu chamo carinhosamente de rad-trads, que deturpam as citações de modo semelhante para pregar que esse ou aquele Papa falou algo errado.

No fundo, liberais e rad-trads são muito mais semelhantes do que pensamos. Escrevo sobre isso qualquer dia desses.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: