quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Igreja nos EUA - O Outro Lado

Saudações queridos leitores!

Contrastando com a visita do Papa ao Estados Unidos, publico trecho de uma reportagem do The New York Times (íntegra aqui, somente para assinantes do UOL). Volto depois.

Declínio do número de fiéis católicos leva a fechamento de igrejas

Fernanda Santos
Em Jamesville, Nova York

Policiais armados removeram o último homem da igreja católica daqui há 10 dias, colocando sinais de "Proibida a entrada" nas portas ao saírem e cercando o perímetro da propriedade com fitas usadas em locais de crime contando o alerta: "Não ultrapasse". Foi o final de uma vigília de sete meses dos fiéis na tentativa de manter a igreja aberta.

"Nos foi dito que se fôssemos até mesmo ao estacionamento, nós seríamos presos", disse Mary Cargian, 78 anos, que se casou na igreja, a Saint Mary's, em 1967 e reza ali desde então.

Por 217 dias, 100 voluntários se revezaram na ocupação de Saint Mary's, onde as fechaduras foram mudadas pouco antes do padre celebrar a última missa, em 30 de junho. Quando a missa chegou ao fim, alguns voluntários permaneceram e então os ocupantes se revezaram. Eles se reuniam na igreja aos domingos para orações, continuaram arrecadando doações e até mesmo fizeram uma apelação junto ao Vaticano, argumentando que a igreja de 108 anos valia a pena ser salva.

A igreja é uma das 30 que foram fechadas ou fundidas pela Diocese de Syracuse da Igreja Católica Romana desde o ano passado, como parte de uma ampla e turbulenta reorganização que deverá afetar a maioria das 154 paróquias remanescentes da diocese nos próximos anos.

Ao longo da última década, as dioceses de todo o país estão consolidando paróquias diante dos crescentes custos de aquecimento, envelhecimento dos padres e encolhimento das congregações, provocando protestos sentados furiosos e outras manifestações em Boston, Chicago e Detroit. Mas a situação em Syracuse e outras cidades fabris em declínio no interior de Nova York é mais aguda, já que o número de católicos encolheu mais depressa que a população em geral.

Voltei. É uma pena que a redução de vocações esteja obrigando ao fechamento de antigas paróquias e até mesmo dioceses inteiras. Esse não é um fenômeno restrito aos Estados Unidos.

Mas uma coisa deve ser entendida: melhor que ocorra essa reestruturação em algumas paróquias do que ter dioceses inteiras penando para manter estruturas que não são dignamente aproveitadas. Manter os prédios custa dinheiro, e com Igrejas vazias não é possível. Infelizmente vivemos em um mundo onde a ordem econômica fala muito alto.

Ainda mantenho minha opinião de que os Estados Unidos são um dos melhores lugares do mundo para se ser Católico.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: