sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Estado Panamenho quer doutrinar as crianças dentro de casa

Saudações queridos leitores!

Eu educo meus filhos de acordo com minhas convicções. As esquerdas não gostam disso. Eles querem que eduquemos nossas crianças como eles acham melhor. Fiquem com notícia da ACI, volto depois.

Criticam projeto de lei sobre menores que cerceia direito de pais panamenhos

.- A colunista, Jilma Aguilar, publicou um artigo no jornal El Siglo de Panamá, onde assegura que o Projeto de lei da Infância e Adolescência, apresentado pela Ministra de Desenvolvimento Social, María Roquebert, deveria ser retirado da Assembléia Nacional, por seu “conteúdo nefasto”.

No documento, Aguilar recolhe declarações da prestigiosa Gineco-Obstetra, Glória Moreno de López, quem além disso é uma das “mais férreas opositoras” da Ministra, e sustenta que a polêmica lei “cerceia o direito dos pais de família”.

“Pretende-se adotar mecanismos de proteção aos menores de idade com este documento” entretanto “mantém em total expectativa a quem se opõe ao mesmo, pelo conteúdo nefasto” que “tem especificamente com os direitos dos pais”, indica a colunista.

“Alguns artigos deste projeto somente procuram tirar a potestade aos pais através de pontos claramente definidos que como um entre muitos dos seus objetivos pode causar que os adultos fiquem fora dos lares apenas por chamá-lhes a atenção”, demarca, citando a Moreno.

Do mesmo modo, Aguilar assinala que para a Gineco-Obstetra, “a Ministra está totalmente errada em dizer que aos setores opostos” do documento, “faz-lhes falta informação quando ela se negou, em múltiplas ocasiões, a assistir aos distintos debates aos quais foi convidada tanto na Universidade Nacional por parte da Igreja e outros grupos, como nos meios”.

Por isso como “pode dizer que estamos mal informados, quando se está falando de pessoas que lhe dedicaram mais de seis meses a estudar a lei encontrando-a nefasta desde todo ponto de vista tanto para os menores como para a família”, assevera a colunista.

“A lei deve retirar-se da Assembléia e voltar a ser discutida, porque se o Governo não pôde com tudo o que está acontecendo, menos vai fazer se este controversial documento chega a aprovar-se tal e como está”, afirma.

O projeto de lei de Proteção Integral à Infância e à Adolescência coloca que as responsabilidades dos pais devem ser compartilhadas entre a família, a sociedade e o Estado, através da criação de comitês comunitários, distritais e provinciais que velariam pela atenção “integral” das crianças e adolescentes.

A proposta contempla que as crianças podem denunciar a seus pais quando não estiverem satisfeitos com a criação que estes lhes brindam, o que suprimiria o direito dos pais de família à potestade.

Voltei. Fico cá imaginando comigo as crianças denunciando os pais alegando que sua criação está ruim: umas alegam que os pais não as deixam se entupir de sorvete, outras querem assistir TV o dia todo, algumas, mais porquinhas, reclamam da imposição de tomar banho a que os pais as submetem.

Se eu não tivesse lido isso em um site sério, diria que é utópico. Mas não é. Realmente tem gente querendo fazer esse trambolho legal prosperar. Fico imaginando uma força policial, estilo SWAT, quebrando as portas e janelas da casa de um pai de família denunciado, rendendo-o e lhe dando voz de prisão, acusado de não deixar seu filho brincar com o estilingue na sala de casa.

Eu imagino isso. Só não se ainda se rio ou se choro.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: