domingo, 27 de janeiro de 2008

Temporão ataca a Igreja novamente

Saudações queridos leitores!

Eita seu Temporão! Voltou a praticar seu esporte favorito, que é criticar a Igreja Católica. Melhor ele faria se fizesse algo para combater a dengue e a febre amarela. Fiquem com reportagem do Terra (fonte aqui), volto depois.

Pílula: Igreja está equivocada de novo, diz Temporão

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, voltou a criticar a Igreja Católica neste domingo, no Rio de Janeiro. Desta vez, a polêmica envolve a distribuição de pílulas do dia seguinte, que deve ser realizada pelas prefeituras de Olinda e Recife durante o Carnaval. Temporão disse que "a prefeitura está correta e a Igreja está equivocada mais uma vez."

Temporão disse ainda que a medida adotada pelas prefeituras está dentro do protocolo do Ministério da Saúde. Ele destacou que o medicamento é utilizado apenas sob prescrição médica.

"É uma questão de saúde pública, não uma questão religiosa. Lamentavelmente a Igreja, cada vez mais, se afasta dos jovens com esse tipo de postura. O Ministério da Saúde apoia e suporta a medida."

A Arquidiocese de Olinda e Recife já anunciou que entrará com uma ação no Ministério Público contra a medida adotada pelas secretarias de Saúde dos municípios. A Organização Não-governamental Curumim, entidade de orientação feminista, afirmou que caso a Igreja permaneça com essa postura, também entrará com uma ação no Ministério Público, mas em favor da administração municipal.

As declarações do ministro foram feitas após o lançamento da campanha de prevenção à aids para o Carnaval 2008 no centro cultural Cartola, na Mangueira, zona norte do Rio de Janeiro.


Voltei. Agora o Ministro Temporão, além de arbitrar sobre saúde, quer dar lição de pastoral na Igreja! Mas é um fanfarrão! Ele comete uma série de erros em suas afirmações.

Em primeiro lugar: desrespeita o ponto de vista da Igreja, classificando-o como equivocado, sendo que a posição da Igreja é pautada em sua doutrina bimilenar e sustentada por estudos sérios. Em segundo lugar, como mostrei anteriormente, o medicamento pode ser requisitado por qualquer mulher, bastando alegar que teve relação íntima sem preservativo ou que foi violentada não há menção alguma ao fato de que os médicos hão de examinar as mulheres que pedirem a pílula. Terceiro: o Ministro se engana redondamente se acha que a Igreja vai abrir mão da Doutrina só para parecer mais sintonizada com os jovens. Além de não exercer direito seu trabalho como Ministro da Saúde, tenta dar pitaco em assunto pastoral. A defesa da vida é ponto fundamental da Doutrina Cristã e nada no mundo há de calar a Igreja.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.


Nenhum comentário: