sábado, 24 de novembro de 2007

Violência política obriga a fechar catedral do México

Saudações queridos leitores!

Vamos ver como anda a situação no México. Notícia de Zenit, volto depois.

Violência política obriga a fechar catedral do México


Promovida por militantes do Partido da Revolução Democrática (PRD)

MÉXICO, segunda-feira, 19 de novembro de 2007 (ZENIT.org-El Observador).- Em uma medida sem precedentes na história moderna do México, a Catedral Metropolitana da Cidade do México decidiu neste domingo fechar suas portas até que o governo federal e o governo da capital da República garantam a segurança dos fiéis e dos sacerdotes nesta que é a sede arcebispal primaz do México.

A decisão foi tomada neste domingo à tarde pelo presidente do Colégio de advogados Católicos do México e procurador legal da Catedral Metropolitana, Armando Martínez, logo após dos problemas causados por simpatizantes do candidato perdedor nas eleições passadas de 2006, Andrés Manuel López Obrador, membro do partido de esquerda, Partido da Revolução Democrática (PRD).

Durante a celebração eucarística do domingo ao meio-dia, mais de cem simpatizantes de López Obrador irromperam no templo, ameaçando os fiéis, os sacerdotes e o próprio cardeal Rivera Carrera, que não se encontrava no recinto.

Os manifestantes se mostraram assim ante o que chamaram de uma «provocação» dos sinos da Igreja ao chamar à missa ao mesmo tempo em que na praça ao lado se estava levando a cabo uma manifestação onde López Obrador falava (auto-nomeado «presidente legítimo» do México).

«São atos de terror que não devemos permitir, sobretudo porque se põe em risco a segurança dos fiéis, do cardeal, dos bispos e demais assistentes à liturgia», explicou Martínez, que anunciou que interporá uma denúncia pelo ocorrido ante a Procuradoria Geral da República (PGR).

O presidente dos advogados católicos pediu garantias para a celebração da missa na Catedral Metropolitana pois, disse, «a liberdade de culto está garantida na Constituição» mexicana.

Mais adiante, culpou o governo da capital, do PRD, de dar proteção e de atuar sem firmeza ante os violentos que, reiteradamente, hostilizaram o cardeal Rivera Carrera e os fiéis que assistem às celebrações litúrgicas, principalmente as dominicais.

Voltei. Quem é o lado reacionário, intolerante e criminoso nessa questão? Mais uma vez, vemos o modus operandi da esquerda. Cadê a manifestação do povo que se diz Católico e ainda defende essa ideologia canalha? Agora ficam todos quietos. O que esse acontecimento prova, mais uma vez, é que é impossível ser um verdadeiro esquerdista e um bom Católico, independente se as esquerdas tentam fazer parecer o contrário.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Evangelho de Domingo - Cristo Rei

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários dos padres de Navarra.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas

Evangelho (Lucas 23, 35-43 (Cristo Rei))


35
E o povo lá estava a observar! Os chefes, por seu turno, zombavam: Salvou outros - diziam eles - salve-Se a Si mesmo, se é o Messias de Deus, o Eleito! 36Também os soldados fizeram troça d'Ele, aproximando-se para Lhe oferecerem vinagre. 37Se Tu és o rei dos Judeus - diziam eles - salva-Te a Ti mesmo. 38Além disso, havia uma legenda por cima d'Ele: "Este é o rei dos Judeus".
39Ora um dos malfeitores que tinham sido suspensos na cruz pôs-se a insultá-Lo: Não és Tu o Messias? - dizia ele. Salva-Te a Ti mesmo e a nós também. 40O outro, porém, interveio e disse-lhe severamente: Nem sequer temes a Deus, tu que te encontras no mesmo suplício? 41Quanto a nós, é de justiça, pois estamos a receber o que mereciam as nossas acções; mas Este nada praticou de condenável. 42E acrescentou: Jesus, lembra-Te de mim, quando vieres na Tua realeza. 43Em verdade te digo - respondeu-lhe Jesus - hoje estarás comigo no Paraíso!

Palavra da salvação.

35-37. Os soldados do Procurador romano escarnecem de Jesus juntamente com o povo e as autoridades judaicas. Deste modo, todos, judeus e gentios, contribuíram para tornar mais amarga a Paixão de Cristo. Mas não esqueçamos que também nós escarnecemos do Senhor sempre que caímos no pecado ou não correspondemos devidamente à Sua graça. Por isso afirma São Paulo que aqueles que pecam "crucificam de novo o Filho de Deus e expõem-No à infâmia pública" (Heb 6,6).

39-43. A cena dos dois ladrões convida-nos a admirar os desígnios da divina Providência, da graça e da liberdade humana. Ambos se encontravam na mesma situação: em presença do Sumo e Eterno Sacerdote, que Se oferecia em Sacrifício por eles e por todos os homens. Um endurece-se, desespera e blasfema, enquanto o outro se arrepende, recorre a Cristo em oração confiada, e obtém a promessa da sua imediata salvação. "O Senhor, comenta Santo Ambrósio, concede sempre mais do que se Lhe pede: o ladrão só pedia que Se recordasse dele; mas o Senhor diz-lhe: Em verdade te digo: hoje estarás comigo no Paraíso. A vida consiste em habitar com Jesus Cristo, e onde está Jesus Cristo ali está o Seu Reino" (Expositio Evangelii sec. Lucam, ad loc.). "Porque uma coisa é o homem quando julga quem não conhece, e outra coisa é Deus, que penetra nas consciências. Entre os homens, à confissão segue-se o castigo; enquanto diante de Deus, à confissão segue-se a salvação" (De Cruce et latrone).

Enquanto caminhamos nesta vida, todos pecamos, mas também todos podemos arrepender-nos. Deus espera-nos sempre com os braços abertos para o perdão. Por isso ninguém deve desesperar, mas fomentar uma firme esperança no auxílio divino. Mas ninguém pode presumir da sua própria salvação porque não temos a certeza absoluta da nossa perseverança final (cfr De iustificatione, can. 16). Esta relativa incerteza é um acicate que Deus nos põe para que estejamos sempre vigilantes e possamos assim progredir na tarefa da nossa santificação cristã.

42. "Tenho repetido muitas vezes aquele verso do hino eucarístico: peto quod petivit latro poenitens, e sempre me comovo: pedir como o ladrão arrependido!

"Reconheceu que, ele sim, merecia aquele castigo atroz... E, com uma palavra, roubou o coração de Cristo e abriu, para si, as portas do Céu" (Via Sacra, XII, n° 4).

43. Ao responder ao bom ladrão Jesus Cristo manifesta que é Deus, porque dispõe da sorte eterna do homem; que é infinitamente misericordioso e não rejeita a alma que se arrepende com sinceridade. De igual modo com essas palavras Jesus revela-nos uma verdade fundamental da nossa fé: "Cremos na vida eterna. Cremos que as almas de todos aqueles que morrem na graça de Cristo - tanto as que ainda devem ser purificadas com o fogo do Purgatório, como as que são recebidas por Jesus no Paraíso a seguir à separação do corpo, como o Bom Ladrão-, constituem o Povo de Deus depois da morte, a qual será destruída por completo no dia da Ressurreição, em que estas almas se unirão com os seus corpos" (Credo do Povo de Deus, n° 28).

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Chávez ameaça os religiosos de prisão. Onde estão os exaltadores da liberdade esquerdista?

Saudações queridos leitores.

Reportagem da AFP, volto depois.

Chávez insulta e ameaça enviar religiosos venezuelanos para a prisão

CARACAS, 24 Nov 2007 (AFP) - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, insultou e ameaçou na sexta-feira à noite enviar para a prisão os principais religiosos do país, caso se envolvam em ações que desestabilizem seu governo, em mais uma polêmica de seu governo.

"Reitor (Luis) Ugalde, uma vez o perdoei, mas se o fizer outra vez vai parar em (na prisão) Yare, com batina e tudo (...) E você também cardeal", disse Chávez, a respeito de declarações do reitor da Universidade Católica Andrés Bello e do cardeal Jorge Urosa Sabino contra a reforma constitucional.

O presidente venezuelano chamou de "vagabundos", "meliantes", "aduladores", "estúpidos" e "retardados mentais", entre outras coisas, a hierarquia da Igreja, que criticou em um documento público a proposta de mudança da Constituição, que será submetida a um referendo no dia 2 de dezembro.

"São o demônio, defensores dos mais podres interesses, são uns verdadeiros vagabundos, do cardeal para baixo", disse Chávez em um polêmico programa noturno da televisão estatal.

A Igreja venezuelana divulgou em 19 de outubro um documento no qual critica a proposta constitucional porque "limita a liberdade dos venezuelanos, incrementa excessivamente o poder do Estado, elimina a descentralização e o governo controla muitos espaços da vida cidadã".

"Que rezem 100 pais-nossos e 100 ave-marias de joelhos", completou um irado Chávez.

Voltei. Gostaria de saber onde está a "esquerda católica" que vive a exaltar as virtudes do porco nojento e de seu bolivarianismo de meia tigela. Cadê aqueles que louvam a liberdade que o socialismo oferece? É... parece que todos enfiaram suas bandeiras vermelhas debaixo do braço e fingem que não é com eles...

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Socialismo mata muita gente, Capitalismo mata mata muito mais.

Saudações queridos leitores!

Um excelente artigo publicado no Blog desoPTei, a mesma fonte do Dicionário Terminológico da Esquerda. Ambos já estão em meus favoritos.

Muitos esquerdistas dizem que o Capitalismo é o regime mais assassino da história da humanidade e que os 100 milhões de mortos pelo comunismo não passam de um revisionismo burguês de uma mídia golpista e preconceituosa. Lembro de ter visto uma vez na tv durante o primeiro Fórum Social Mundial, uma teleconferência entre a mãe da Plaza de Mayo Hebe de Bonfany em Porto Alegre e o “especulador” George Soros em Davos na Suíça. Na teleconferência, Hebe perguntava repetidamente quantos seres humanos haviam sido mortos pelo capitalismo e George Soros nada dizia. Enquanto os militantes em Porto Alegre tinham delírios orgásticos vendo uma “oprimida” repreendendo um “membro do grande capital”, os engravatados de Davos davam risada.

Todo reacionário mais ou menos esclarecido sabe contar os mortos pelo socialismo sabendo o número aproximado de corpos por país, mas um esquerdista não sabe dizer quantos seres humanos morreram por causa do capitalismo, tanto que a Hebe de Bonfany teve que perguntar pro Soros e ele não conseguiu responder.

Na verdade os mortos pelo capitalismo são tantos que é impossível fazer uma contagem exata. O capitalismo na verdade matou muito mais gente que o socialismo. Dependendo da causa da morte de um ser humano, podemos responsabilizar o capitalismo diretamente.

Todas as mortes em acidentes de trânsito foram causadas pelo capitalismo, foi na belle époque liberal entre a metade do século XIX e a primeira guerra que o automóvel foi criado. Henry Ford teve o disparate de criar o Ford T potencializando o poder destrutivo e mortal desta máquina. A humanidade parece que não valoriza a vida, a cada dia anda mais dentro destas máquinas. A liberdade capitalista também fez Santos Dumont cometer o ato bárbaro de inventar o avião. Na mesma época, na verdade um pouco antes, foi descoberta a eletricidade que também matou muita gente.

Mortes por ataques cardíacos estão diretamente relacionadas ao capitalismo. Depois que o agro negócio e a indústria de alimentos apareceram, as mortes por infarto surgiram e aumentaram significativamente. O ser humano que na pré-história ou no socialismo morria desnutrido, hoje morre mais tarde de infarto.

Mortes por Câncer também são causadas pelo capitalismo. A humanidade teve a oportunidade de morrer de Câncer após o surgimento de invenções capitalistas como a penicilina, a pasteurização e o vaso sanitário. O ser humano que antes do capitalismo morria de tifo, tuberculose e peste bubônica, hoje morre bem mais tarde e de câncer. O mesmo pode se dizer de derrames cerebrais.

Os esquerdistas gostam de dizer que mortes por armas de fogo também são provocadas pelo capitalismo. Não chega a ser mentira, mas aí vale um desconto. O socialismo foi pródigo em reproduzir e majorar as mortes causadas por armas de fogo. Se os americanos criaram a bomba atômica e jogaram em Hiroshima, os soviéticos criaram a bomba H e quiseram jogar em metade da humanidade. Se os americanos criaram o revólver, os soviéticos criaram o fuzil AK47 a arma mais usada até hoje em países em guerra civil. Os socialistas só conseguiram competir com os capitalistas na indústria da guerra. Em termos de avanços na medicina e na eletrônica o socialismo foi um zero à esquerda.

Os alemães orientais que pularam o muro de Berlim, os chineses que migraram para Hong Kong e os cubanos que viajaram em balsas para Miami tiveram uma decisão em comum, todos optaram por ser mortos pelo capitalismo. Portanto, quando um esquerdista disser que o capitalismo mata mais, concorde com ele e justifique dizendo que a maioria da humanidade prefere ser morta pelo capitalismo já que isso significa a chance muito maior de uma morte tardia, não violenta e com enterro digno.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Igreja veta a camisinha

Saudações queridos leitores! Fiquem com reportagem do jornal O Dia, volto depois.

Igreja veta a camisinha


Evento do Dia Mundial de Luta contra a Aids será no Cristo, sem menção a preservativos

Pâmela Oliveira
O DIA

Rio - O Dia Mundial de Luta contra Aids reunirá soropositivos, autoridades, representantes de diversas religiões e de organizações não-governamentais no Cristo Redentor, dia 1º. No evento, no entanto, não haverá distribuição de preservativos ou menção à prevenção da doença. Militantes afirmam que foi essa a condição da Igreja Católica para liberar o santuário para o encontro, e criticaram o Ministério da Saúde, que ontem divulgou o Boletim Epidemiológico da Aids no Brasil.

“Isso é um absurdo. Como os representantes do Ministério da Saúde aceitam fazer um evento no dia de luta contra a Aids sem falar da importância da prevenção? Sem fazer qualquer menção ao uso de camisinha? É contraditório, inaceitável”, diz o presidente do Fórum Estadual de Ongs e Aids do Rio, Roberto Pereira. “O ministério não deveria aceitar essa imposição da Igreja. Seria melhor escolher outro local para o evento”, completou.

Diretora do Programa Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde, Mariângela Simão evita a polêmica. Mas confirma que não ocorrerá distribuição de preservativos ou atividades de prevenção no Cristo Redentor.

“O ato será voltado para a solidariedade às pessoas que vivem com Aids. Será um evento ecumênico. O ministério jamais se furtou em discutir a questão do preservativo, mas há hora e lugar para tudo. Mas isso não quer dizer que não haverá atividades educativas e de prevenção em outros pontos do País”, diz Mariângela, que nega que a Igreja tenha proibido o tema no Cristo.

A Arquidiocese foi procurada pelo DIA, mas ninguém foi encontrado para comentar a polêmica.

MENINAS EM RISCO

Mariângela afirma que o preservativo continua sendo um dos pilares do Programa Nacional contra a doença. E ressalta a importância do evento no santuário. “Será um marco relacionar a imagem do Cristo Redentor à luta contra a Aids”, diz.

Segundo o boletim epidemiológico, um dos aspectos mais preocupantes envolve adolescentes do sexo feminino. Segundo o levantamento, na população geral existem 16 homens com Aids para cada 10 mulheres. Já na faixa de 13 a 19 anos, são seis garotos com Aids para cada dez meninas. “É reflexo do uso de preservativos. Nas relações sexuais eventuais, 80% dos meninos usam preservativo e apenas 40% das meninas exigem a camisinha. É natural ver um garoto com preservativo na carteira. Entre as garotas é raro”, diz. “Se o homem não quiser usar preservativo, na maioria das vezes a mulher aceita”, afirma, acrescentando que o ministério lançará dia 27 campanha nacional.

Diferenças entre regiões do Brasil

Diferenças regionais e o diagnóstico tardio tornam prognóstico dos soropositivos diferentes no País, diz o levantamento. Os maiores índices de sobrevivência estão na região Sudeste. Já os de mortalidade, no Norte.

Em homens acima de 13 anos, houve crescimento em heterossexuais e estabilização entre homossexuais. Outro dado diz que, em 1985, havia 15 casos em homens para um em mulher. Hoje, a proporção é de 1,5 para uma.

Voltei. Meus parabéns à Arquidiocese do Rio, que é a administradora da área e mostrou quem manda lá. O Cristo, apesar de ser para todos, é administrado pela Arquidiocese e ela tem toda a autonomia para decidir o que pode e o que não pode ser feito lá.

Se a cambada fica reclamando de que isso é contraditório e inaceitável, que façam o evento em outro lugar. É uma tremenda falta de educação ir ao terreno dos outros e
querer ditar as regras.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Dicionário Terminológico da Esquerda

Saudações queridos leitores!

Recebi um link, indicação de um leitor onde há um Dicionário Terminológico da Esquerda, onde podemos entender o real significado de todos os chavões utilizados pelos esquerdóides para tentar enganar a todos. confiram alguns verbetes selecionados abaixo:

“ABORTO” = Prática defendida por esquerdistas para: 1) acabar com a noção de responsabilidade individual da população; 2) escarnecer a igreja católica; 3) dar um chega pra lá nos “tubarões” da indústria farmacêutica e seus anti concepcionais; 4) fazer com que a população dependa cada vez do estado para o planejamento familiar 5) e, finalmente, evitar o aumento populacional, já que o socialismo não dá vida digna para quase ninguém.

“CANDIDATO DE ESQUERDA”
= Candidato antidemocrático, stalinista, trotskista.

“CANDIDATO DE CENTRO” = Candidato de esquerda.

“CANDIDATO DE DIREITA” = Candidato de centro ou fisiológico.

“CANDIDATO DE ULTRADIREITA OU FASCISTA” = Candidato com um pouco de tendências liberais.

“DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS”= Direitos homossexuais (paradas gays financiadas pelo contribuinte) e anti reprodutivos (legalização do aborto).

“JUSTIÇA SOCIAL” = Injustiça socialista. Exemplo: desapropriações, aumento de impostos, privilégios para burocratas do estado e esmolas para os pobres.

“LUTA DE CLASSES” = Termo amplo que pode significar desde a usurpação de bens privados até o genocídio.

“REACIONÁRIO” = Alguém que defende valores morais e democráticos, tais como: responsabilidade, liberdade individual e propriedade privada.

No blog tem muito mais. A íntegra pode ser achada em Dicionário Terminológico da Esquerda.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Cardeais vêem na doutrina social terreno promissor para ecumenismo

Saudações queridos leitores!

Uma pequena reflexão do Papa nesses dias em que o consistório ocorre. Fiquem com ZENIT.

Cardeais vêem na doutrina social terreno promissor para ecumenismo

Conclusão da reunião do Papa com os membros do colégio cardinalício

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 23 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- A doutrina social da Igreja, ou seja, a reflexão e o compromisso dos cristãos na vida social, converteu-se em «um dos campos mais promissores para o ecumenismo», constataram nesta sexta-feira os cardeais do mundo inteiro, reunidos junto a Bento XVI.

No encontro, celebrado na véspera do consistório de criação de 23 novos purpurados, sublinhou-se também a necessidade da «purificação da memória» entre os cristãos separados e a importância de não ferir as sensibilidades dos demais.

A reunião, a segunda com estas características neste pontificado, começou com a saudação do cardeal Angelo Sodano, decano do Colégio cardinalício, antigo secretário de Estado, que neste dia celebrava oitenta anos.

O Papa, que o felicitou ante todos os presentes, introduziu o tema da jornada que ele mesmo havia escolhido: «o diálogo ecumênico à luz da oração e do mandato do Senhor: ‘Ut unum sint’».

Segundo explica um comunicado da Sala de Informação da Santa Sé, o informe introduzido foi pronunciado na Sala Nova do Sínodo no Vaticano pelo cardeal Walter Kasper, presidente do Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, que traçou «o panorama atual do diálogo e das relações ecumênicas».

O purpurado alemão analisou três âmbitos principais: «as relações com as antigas Igrejas orientais e as Igrejas ortodoxas»; «as relações com as comunidades eclesiais surgidas da Reforma do século XVI»; «as relações com os movimentos carismáticos e pentecostais que se desenvolveram sobretudo no século passado».

O cardeal Kasper apresentou «os resultados alcançados em cada um destes campos, descrevendo o caminho percorrido até agora e os problemas abertos».

A seguir, abriu-se um debate entre os cardeais «no qual se deu um amplo intercâmbio de experiências e opiniões, que refletiu a variedade das situações».

«Intervieram 17 cardeais e foram abordados diferentes problemas, entre eles, o compromisso ecumênico dos cristãos no campo social e caritativo e na defesa dos valores morais nas transformações das sociedades modernas.»

«Em particular, apresentou-se a doutrina social da Igreja e sua aplicação como um dos campos mais promissores para o ecumenismo».

«Falou-se do compromisso por continuar a ‘purificação da memória’ e de utilizar maneiras de comunicação que prestem atenção à sensibilidade dos demais cristãos.»

«Sugeriu-se aprofundar nas possibilidades dos desenvolvimentos ecumênicos.»

«Foram evocados acontecimentos recentes sumamente significativos, como a Assembléia ecumênica de Sibiu, o encontro ecumênico e inter-religioso, a viagem do patriarca de Moscou Aléxis II a Paris, as grandes reuniões ecumênicas dos movimentos eclesiais em Stuttgart.»

«Falou-se também, em um contexto mais amplo, sobre as relações com o judaísmo e sobre o diálogo inter-religioso», explica o comunicado, ao ilustrar a conclusão da sessão.

A reunião se reiniciou na tarde desta sexta-feira. Após a introdução de Bento XVI, estava previsto um intercâmbio livre de idéias entre os cardeais sobre a vida da Igreja em geral.

A jornada de oração e de reflexão devia concluir com um discurso do Santo Padre.

Fonte aqui.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Ordem dos Médicos de Portugal resiste em alterar o Código de Ética

Saudações queridos leitores!

E ainda há aqueles que teimam em achar que nossos irmãos lusitanos são burros. Fiquem com notícia do site da TFP-Fundadores.

Ordem dos Médicos de Portugal resiste em alterar o Código de Ética

Conforme notícias divulgadas pela imprensa portuguesa (*), na quarta-feira, dia 14 de novembro, a Ordem dos Médicos de Portugal informou que não alterará, a pedido do Ministro da Saúde, o artigo 47º do Código de Ética, que considera o aborto como "falha grave".

Dr. Pedro Nunes, presidente da Ordem, disse: «(...) vamos escrever uma carta ao senhor ministro explicando que a independência, autonomia e liberdade dos médicos não são negociáveis e que, por isso, não vamos alterar o nosso regulamento».

Caso o código fosse alterado de acordo com a lei «dir-se-ia que a ética médica não era relevante e que o pensamento dos médicos mudava porque mudava a lei e isso é totalmente inaceitável», afirmou Pedro Nunes.

Correia de Campos, Ministro da Saúde, anunciou nesta quinta-feira que irá apresentar uma queixa ao Ministério Público: «(...) o que vamos fazer é denunciar ao Ministério Público que a Ordem está relutante em cumprir os dispositivos"

. O Ministro exige que os médicos conciliem o Código de Ética com a atual lei no que diz respeito ao aborto.

Com essa ameaça, Dr. Pedro Nunes anunciou que consultará os outros médicos sobre o assunto, mas que qualquer alteração não será por imposição do governo.

O que vemos em Portugal poderá ocorrer no Brasil se aqui vier a ser aprovado o aborto: uma máquina estatal que, por se considerar fonte da ética e dos direitos, impõe seus ditames a toda sociedade. A vida, nesse caso, será apenas um benefício que o Estado cederá a seus cidadãos, ou melhor dizendo, seus operários.
__________________________
Nota:
(*)Última Hora 14.nov.2007 e 15.nov.2007

Voltei. Quanto mais os esquerdistas apertam o cerco, mais clara fica a resistência das pessoas que defendem a vida.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,

Fernando.

Células-tronco: Organização católica chama atenção para descoberta

Saudações queridos leitores!

Muito dos avanços conseguidos nas pesquisas com células tronco adultas devem ser creditados à Igreja, que pressiona sem medo os cientistas para que estes trabalhem sempre com ética e respeito à vida humana. Os resultados já começam a ser percebidos. Fiquem com notícia de ZENIT.

Células-tronco: Organização católica chama atenção para descoberta


Método considerado científica e moralmente melhor que a clonagem


THORNWOOD, New York, terça-feira, 20 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Não se pode exagerar a importância moral e científica de uma descoberta que permite a ir adiante a pesquisa com curas relacionadas a células-tronco sem destruição de embriões, disse o diretor de um centro católico de pesquisas.

Padre Thomas Berg, diretor executivo do Westchester Institute, e membro do comitê de ética do New York’s Empire State Stem Cell Board, disse isso sobre duas recém-mencionadas teses científicas publicadas hoje que dizem como os cientistas geraram células-tronco pluripotentes de células da pele humana. O método assim evita questões éticas levantadas pela pesquisa com a destruição de embriões.

Ambos estudos usaram «reprogramação direta» de células humanas adultas para gerar células-tronco conhecidas como células de estado pluripotente induzido (IPSCs, por suas iniciais em inglês). Essas iPSCs possuem propriedades de células-tronco humanas embrionárias. Os cientistas esperam que células como essas eventualmente estarão hábeis a tratar doenças como diabetes e Parkinson.

E as células são combinadas com o paciente o que diminui o risco de rejeição no caso de serem transplantadas para o doador.

Pe. Berg explica: «Este tremendo avanço coloca o que se refere à vida humana embrionária e a pesquisa biomédica para salvar vidas no mesmo plano.

«Desde que começou o debate sobre pesquisa com células-tronco que destrói embriões, nós sabemos que a melhor resposta para o impasse ético estaria em alguém que permitisse a busca por curas relacionadas a células-tronco que fossem levadas adiante sem o perigo ou a destruição da vida humana embrionária no processo. Agora nós temos esta solução.»

Avanços superiores

Markus Grompe, professor de genética médica e molecular na Oregon Health and Science University, disse: «Não somente as iPSCs são tão boas quanto as células-tronco embrionárias, como elas são atualmente superiores em um aspecto critico: Elas são especificas do paciente e assim não serão rejeitadas pelo sistema imunológico da pessoa da qual derivam».

«A habilidade para gerar CTEs (células-tronco embrionárias) idênticas a uma pessoa em particular foi a principal razão para os esforços para clonar embriões humanos».

Maureen Condic, professor adjunto de neurobiologia e anatomia da Universidade de Utah, disse a ZENIT que a descoberta significa que as células podem ser usadas para pesquisa médica em relação a doenças humanas genéticas, a partir de agora. «Diferente da clonagem humana, a qual tem ainda não está completa e permanece somente na possibilidade teórica, as iPSCs foram geradas por dois laboratórios diferentes e independentes, que tornaram realidade hoje as células-tronco pluripotentes de um paciente específico.

«Além disso, diferentemente da clonagem, nenhum ovo é necessário para o procedimento do iPS [estado pluripotente induzido, segundo suas iniciais em inglês] e nenhum embrião humano é produzido ou destruído, então resolvendo maiores dificuldades éticas e práticas associadas com o procedimento da clonagem».

«Então, nos campos ético e prático, a programação direta é superior à clonagem como uma maneira de obter células-tronco pluripotentes específicas do paciente».

Potencial real

Padre Berg explica: «Esse avanço na reprogramação muda totalmente o panorama da pesquisa com células-tronco de um de controvérsia e promessas não cumpridas de tratamento, para um campo não comprometido moralmente que pode verdadeiramente acelerar bem o desenvolvimento de terapias exclusivas para um paciente».

«Nós todos estaríamos profundamente agradecidos a esses cientistas que – concordem ou não – a despeito disso levaram a sério as objeções éticas de muitas pessoas em relação à pesquisa com destruição de embriões.

«Eles têm agora que nos mostrar um caminho adiante que nós possamos todos conviver», conclui o Pe. Berg. «Há um enorme ganho recíproco, especialmente para aqueles que podem agora beneficiar-se de terapias guardadas por uma tecnologia que é muito mais eficiente que a clonagem».

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Feministas por encobrir violação de menina na Nicarágua para promover aborto

Saudações queridos leitores!

Já falei muito aqui sobre como agem aqueles que querem a aprovação do aborto. Não que isso garanta a santidade de quem luta contra, mas pelo menos podemos conhecer um pouco mais sobre o tipo de gente que milita de cada lado. fique com notícia da ACI.

Denunciam feministas por encobrir violação de menina para promover aborto

Protegeram o padrasto, quem foi o culpado da violação de pequena

.- A Associação Nicaragüense Pró Direitos humanos (ANPDH), apresentou uma denúncia formal ante o Ministério Público contra as feministas da Rede de Mulheres Contra a Violência, porque haveriam encoberto a violação de uma menor no ano 2003.

Um tribunal declarou culpado do delito de violação a Francisco Leonardo Fletes Sánchez, padrasto da menina conhecida como "Rosita". O Ministério Público solicitou impor a pena máxima de 30 anos de cárcere, assinalando como agravantes o fato de que a vítima dependia do verdugo por existir uma relação matrimonial com sua mãe, e porque quando ocorreu à primeira violação na Costa Rica, "Rosita" tinha menos de dez anos.

A menina, pressionada então para culpar um camponês inocente, foi submetida a um aborto orquestrado pelas feministas; logo depois do qual seguiu vivendo com o verdadeiro autor, este seguiu abusando dela e resultou grávida pela segunda vez. O caso saiu à luz faz algumas semanas devido a uma denúncia jornalística.

A violação perpetrada na Costa Rica nunca foi investigada pela Promotoria da Nicarágua, apesar de uma solicitação expressa apresentada pela organização ANPROVIDA e outros grupos que ofereceram alternativas legais e médicas para ajudar à menina com sua primeira gravidez.

"O mais impressionante desta nova denúncia ante o Ministério Público da Nicarágua, é que as membros da autodenominada �Rede de Mulheres Contra a Violência� conheceram os verdadeiros feitos sobre a violação que perpetrava o padrasto da menina e que provocou sua primeira gravidez, mas se converteram em cúmplices e encobridoras do delito de violação para manter e defender seus próprios fins pró-aborto, associando-se para cometer delito e fazer apologia do mesmo", denunciou Carlos Polo, diretor para a América Latina do Population Research Institute (PRI).

Segundo Polo, "o verdugo se manteve em convivência com sua vítima graças às gestões da �Rede de Mulheres Contra a Violência�, quem o apoiou economicamente em 2003 e mantiveram ocultos à menina, a mãe e o violador para poder continuar com suas campanhas pró-aborto e obter recursos, inclusive a nível internacional".

A ANPDH há interposto uma denúncia pública contra María Luisa Molina Arguello, Juana Antonia Jiménez Martínez, Mayra Sirias, Jamileth Mejía Palma, Violeta Delgado, Ana María Pizarro, Martha María Blandón Gadea, Martha Munguía Álvarez e Lorna Norori Gutiérrez, por existir presunções de sua participação como encobridoras do delito de violação e autoras dos delitos contra a administração de justiça, associação e instigação para delinqüir e apologia do delito de aborto.

A ANPDH confia em que "o Ministério Público exercerá devidamente a ação penal nesta ocasião e com esta nova denúncia, esperando que a instituição tenha superado os obstáculos que lhe impediram de cumprir com seu dever desde ano 2003 e que agora em 2007, com novo fatos, volta a pôr a prova sua imparcialidade neste caso".

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Blog Entrevista: Lenise Garcia

Saudações queridos leitores!

É com imenso prazer que trago uma entrevista exclusiva que fiz com a Doutora Lenise Garcia, professora no Departamento de Biologia Celular da Universidade de Brasília. Ela me concedeu essa entrevista por e-mail no último final de semana.

Fernando - Em primeiro lugar, gostaria de agradecer por me conceder essa entrevista. Gostaria que falasse um pouco sobre a Lei de Biossegurança e os motivos que a tornam incompatível com a Fé Católica.

Lenise - Eu é que agradeço a oportunidade de contribuir com o seu blog. A Lei de Biossegurança, aprovada em 2005, trata basicamente dos limites e dos cuidados necessários para o desenvolvimento e uso de organismos geneticamente modificados [OGM]. Mas inseriu-se nessa lei um artigo que autoriza o uso de embriões humanos em certas condições. Mais do que à fé católica, isso contraria os direitos inalienáveis da pessoa humana.

Fernando - Além dos motivos de caráter religioso, existe algum problema legal em tal lei?

Lenise - Como disse acima, não se trata de um problema religioso. Embora seja também um mandamento da Lei de Deus, ninguém considera "não matar" uma questão religiosa. É uma questão moral e de direitos humanos. A Igreja se pronuncia a respeito como defensora que é dos direitos humanos. Mas nossa Constituição também resguarda os direitos humanos, e esse artigo é inconstitucional. Este foi o entendimento do então Procurador Geral da República, Cláudio Fonteles.

Fernando - Um assunto que está diretamente envolvido com a Lei de Biossegurança são as fertilizações in vitro. Qual o ponto de vista da Igreja sobre fecundação in vitro?

Lenise - De fato, os embriões cujo uso foi autorizado foram obtidos por fecundação in vitro. Esta é uma prática condenada em si pela Igreja, por contrariar a Lei Natural. Não se podem separar, na geração humana, o ato unitivo do casal e a procriação.

Fernando - Existem muitos embriões fertilizados que estão congelados aguardando um destino. Qual é o destino mais digno a ser dado a eles?

Lenise - Esta é uma pergunta muito difícil, pois o problema é fruto de 2 erros: não deveriam ter sido gerados in vitro e não deveriam ter sido congelados. Costumo comparar com a divisão do produto de um roubo entre vários ladrões que agiram em sociedade. Não há modo ético de se dividir esse roubo. A barreira da ética já foi rompida.

O mesmo ocorre com os embriões congelados, a barreira da ética foi duplamente rompida. Por isso, não há solução realmente adequada. O menos inadequado talvez seja a "adoção", mas é difícil pensar que isso possa ocorrer na proporção necessária. Ou a morte natural pelo descongelamento. A verdadeira solução é deixar de produzi-los.

Fernando - Visto que as pesquisas com CTE's matam embriões que são vidas em fase inicial, que alternativas a esse tipo de pesquisa a Igreja apóia?

Lenise - Não há problemas éticos com um tipo de pesquisa que na verdade é mais promissor: as chamadas células-tronco adultas, tanto as obtidas de diversos tecidos do adulto, como as de cordão umbilical ou líquido amniótico. Na verdade, todos os bons resultados obtidos até hoje em terapia celular foram com essas células.

Fernando - No controverso campo dos resultados das pesquisas, é possível definir, de maneira geral, quais pesquisas têm apresentado melhores resultados?

Lenise - Como disse acima, com as células-tronco adultas. Já há vários grupos em teste clínico. A UFRJ tem em curso um experimento clínico com 2.000 pacientes cardíacos. As CTEs, além dos problemas éticos, têm 2 sérios problemas técnicos: o descontrole da proliferação, que gera tumores, e a rejeição imunológica.

Fernando - Apesar de nosso país ser considerado o maior país Católico do mundo, como se explica que tantas iniciativas contrárias aos ensinamentos da Igreja consigam aprovação?

Lenise - Volto a destacar que não se trata de uma questão religiosa, mas ética. Entretanto, é verdade que a Igreja indica com clareza a ilicitude do uso das CTEs. Penso que temos que apontar o pouco conhecimento e o pouco compromisso de muitos católicos.

Fernando - Em sua opinião pessoal, acha que há algum problema na transmissão dos ensinamentos da Igreja no Brasil?

Lenise - Cristo nos preveniu que até o fim dos tempos haveria joio no meio do trigo, isso em todos os lugares do mundo, fora e dentro da Igreja. Temos sempre que nos esforçar por ser bom trigo e semear a boa semente.

Fernando - Como você acha que tais problemas devem ser combatidos no seio da própria Igreja?

Lenise - Com santidade. Com muita oração, paciência e santidade. Sabendo ser elementos de união com o Santo Padre, divulgando seus ensinamentos. Gosto muito de uma expressão de S. Josemaria: afogar o mal em abundância de bem.

Fernando - Lenise, gostaria de deixar uma mensagem aos leitores do Blog?

Lenise - Na linha do que conversamos nesta entrevista, gostaria de recordar a todos a nossa responsabilidade de cidadãos coerentes com os próprios princípios e conscientes do próprio papel na construção da sociedade. Concluo com um pensamento de S. Josemaria em Caminho:

Dantes, como os conhecimentos humanos - a ciência - eram muito limitados, parecia bem possível que um só homem sábio pudesse fazer a defesa e a apologia da nossa santa Fé.

Hoje, com a extensão e a intensidade da ciência moderna, é preciso que os apologistas dividam entre si o trabalho, para defenderem cientificamente a Igreja em todos os campos.

- Tu... não podes furtar-te a esta obrigação. (Caminho, 338)

Deixo aqui meus mais sinceros agradecimentos à Lenise pela entrevista concedida.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Capitão Nascimento X Dulce Xavier


Saudações queridos leitores!

Nos últimos tempos o Capitão Nascimento tem perturbado os sonhos da esquerdalha politicamente correta, cheia de consciência social e freqüentadora de ONGs. Vemos muitas pessoas protestando contra os métodos usados pelo Capitão Nascimento no filme Tropa de Elite. Eles dizem que o filme faz apologia à tortura e que glamouriza o comportamento violento de alguns policiais, como se o fato da polícia prender bandidos justificasse tal comportamento.

Isso é pura balela. É papo de gente que acha que bandido só é bandido porque o sistema o obriga a isso, como se o bandido não tivesse escolha e fosse meio que "forçado" a ser assim. Em resumo, essa gente tenta culpar a sociedade por "criar" os bandidos, cerceando oportunidades para as pessoas. Se fosse verdade, todo pobre seria bandido, mas o que vemos é exatamente o contrário: muitos pobres são gente honesta, de caráter e que dão um banho de dignidade em muito rico que há por aí. Ser bom ou mal é uma escolha que envolve muito de uma coisa chamada caráter. Mas as esquerdas não vão tocar nisso jamais, pois desmorona sua teoria como a um castelo de cartas.

Mas essa postagem não é pra falar disso. Escrevo hoje para tentar entender um paradoxo: os esquerdistas criticam tanto o Capitão Nascimento pela sua agressividade na luta contra os bandidos mas aplaudem o pensamento e a militância da senhora Dulce Xavier, militante abortista, participante do grupo maligno conhecido como Católicas pelo Direito de Decidir. Dulce Xavier é porta-voz dessa ONG. Ela defende que bebês, ainda no ventre de suas mães, tenham o direito à vida cassado, sem jamais terem cometido qualquer crime ou feito qualquer coisa que mereça pena de morte. Ela defende que o aborto seja livre e irrestrito, que qualquer pessoa tenha o direito de matar, seja por perigo na gestação, seja por mero capricho.

A grande contradição que vejo é o fato das esquerdas demonizarem o Capitão Nascimento por lutar contra o crime e contra os criminosos, mesmo que usando métodos considerados violentos enquanto ao mesmo tempo essas mesmas pessoas incensam essa tal Dulce Xavier, que defende o assassinato sumário, sem direito de defesa de pobres crianças que ainda nem nasceram, mas já são consideradas réus de morte.

A pena de morte não é legalizada no Brasil, mas se fosse, poderia fazer um paralelo interessante entre o assassinato dos nascituros e o filme Minority Report, em que as pessoas são punidas pelo departamento de Pré-Crime antes mesmo de cometer os crimes. O departamento responsável pelo aborto provavelmente diria que trabalha no mesmo sistema do departamento de Pré-Crime.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Sujeira na igreja

Saudações queridos leitores!

Estou de volta depois de um tempo para recompor as forças e me reorganizar para que consiga manter o blog, trabalhar, auxiliar na administração da comunidade do orkut, dar atenção para a família, fazer os preparativos para a cirurgia do ombro e voltar a estudar para a prova de piloto privado.

Leiam artigo publicado ontem na seção Tendências/Debates, da Folha, de Francesco Scavolini, doutor em jurisprudência pela Universidade de Urbino (Itália) e especialista em direito canônico. Dica do Blog do Reinaldo Azevedo.

Sujeira na igreja

"Quanta sujeira existe na igreja! Até mesmo no meio daqueles que, sendo sacerdotes, deveriam pertencer inteiramente a Deus". Essas palavras foram pronunciadas pelo então cardeal Ratzinger durante a meditação da Via Sacra no Coliseu, em Roma, na Sexta-Feira Santa de 2005, poucos dias antes da morte do papa João Paulo 2º.

É provável que, com as referidas palavras, o futuro papa quisesse referir-se não somente aos casos de abuso sexual envolvendo o clero mas também aos desvios e erros doutrinários com graves conseqüências éticas e morais para a vida da igreja e da sociedade.

É bom lembrar que o reconhecimento de erros e abusos não ficou só no papel, pois a Santa Sé tem punido exemplarmente os responsáveis, tendo também confirmado para toda a igreja que os delitos de abuso sexual devem ser tratados como crimes hediondos também perante as autoridade civis. Infelizmente, parece que, no Brasil, algumas das autoridades da Igreja Católica nem sempre seguem o exemplo da Santa Sé.

Por exemplo, se essas autoridades tivessem punido e afastado o padre Lancelotti uns anos atrás, quando ele, violando as normas canônicas, apoiou pública e abertamente, tanto em 2000 como em 2004, a candidata a prefeita Marta Suplicy (Marta, que defendia e defende ainda hoje o aborto, o divórcio, o casamento entre homossexuais, a descriminalização das drogas, foi fazer até comício dentro da igreja do padre Lancelotti, no altar, tendo ao lado o mesmo padre, que pedia votos para ela), teriam certamente cumprido sua tarefa de preservar o povo católico e a sociedade de gravíssimos desvios éticos e morais, poupando também a igreja do grave escândalo que a atinge.

De fato, a principal função do magistério eclesiástico é a de guiar o povo de Deus no caminho da fé. Contudo, parece que alguns desses guias perderam, eles mesmos, o rumo. Vou citar somente um exemplo.

Em agosto de 2005, no cume da crise de corrupção que aturdia o governo, o presidente Lula, buscando o apoio da igreja, enviou uma carta à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) em que, reafirmando explicitamente o seu catolicismo, não só tomou posição em defesa da vida em todos os seus aspectos e em todo o seu alcance mas também prometeu que o seu governo não tomaria nenhuma iniciativa que contradissesse os princípios cristãos.

Música para o ouvido dos bispos e do povo católico, não fosse que, um mês mais tarde, o governo Lula decidiu apresentar ao Congresso, por meio da ministra Nilcéa Freire, o projeto para a liberação do aborto.

Esse projeto, incorporado ao texto do substitutivo da então relatora Jandira Feghali, está em tramitação no Congresso e permite a descriminalização total e absoluta do aborto (sim, caro leitor, se o referido projeto for aprovado pelo Congresso, qualquer bebê poderá ser eliminado até poucos minutos antes do nascimento sem que os matadores sejam punidos).

E o católico Lula, será que foi punido por ter enganado a igreja ? Não, caro leitor, mesmo depois de tudo isso, mesmo depois de ter sancionado a lei que permite a manipulação e a destruição de embriões humanos, mesmo depois de ter recentemente chamado de hipócrita a igreja, o católico Lula, bem como o católico Lancelotti, não foi punido pela igreja.

Lula, aliás, foi premiado com a recente visita do ex-arcebispo de São Paulo, dom Cláudio Hummes, que foi celebrar missa para o presidente e uns poucos convidados na capela do Palácio da Alvorada e, durante a homilia, comparou Lula a Jesus (será que esqueceram o documento da CNBB de 12 agosto de 2005, em que está escrito: "É preciso buscar as raízes históricas da perversa cultura de corrupção implantada no país. Ela se nutre da impunidade, acobertada pela conivência, que se torna cumplicidade, incentivada por corporativismos históricos, habituados a usar em benefício de interesses particulares as estruturas do poder público"?).

Quero terminar este artigo com as palavras de Bento16 que concluíram a meditação da nona estação da referida Via Sacra: "Senhor (...) a veste e o rosto tão sujos da Tua igreja nos atordoam. Porém, somos nós mesmos que os sujamos! Somos nós mesmos que Te traímos cada vez depois de todas as nossas grandes palavras, os nossos grandes gestos. Tem piedade da Tua igreja (...) Te levantaste de novo, ressurgiste e podes novamente nos levantar também. Salva e santifica a Tua igreja. Salva e santifica todos nós".

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

DEMOcracia petista: Temporão vai ignorar resultado da Conferência Nacional de Saúde

Saudações queridos leitores!

Conheçam um pouco da DEMOcracia do PT. Fiquem com trecho de reportagem do Estadão, volto depois.

A resolução da Conferência Nacional de Saúde proibindo a discussão sobre aborto no País será desconsiderada pelo Ministério da Saúde. “A conferência não é deliberativa”, observou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Desde que assumiu o cargo, Temporão passou a dar destaque ao tema e defendeu um plebiscito para decidir sobre a descriminação da interrupção da gravidez. Para feministas, a resolução reflete a intransigência de setores religiosos. “É fundamentalismo. Não aceitar nem mesmo a discussão sobre o tema mostra a intolerância de parte de alguns grupos”, observou Dulce Xavier, do grupo Católicas pelo Direito de Decidir. Integrantes de movimentos feministas são unânimes em reconhecer o empenho de setores religiosos para não deixar passar na conferência nada relacionado à interrupção da gravidez. Um esforço que, para alguns setores, faltou ao governo. “O ministro tem o mérito de ter dado destaque a esse debate. Mas faltou uma uma posição mais firme. Não basta o ministro, é preciso que todo o ministério, todo o governo atue”, avalia Gilberta Santos Soares, do movimento feminista Cunhans.

Íntegra, para assinantes, aqui

Voltei. Aposto meu mindinho como se a conferência tivesse decidido pela discussão da descriminalização do aborto, o ministro temporão trataria tal resultado como a vontade absoluta, o saber inato do povo. Mas como ele deu com os burros n'água ao ver o tema recusado graças à atuação imprescindível da Igreja e de vários outros setores contrários à prática, ele já avisa que vai ignorar o resultado, alegando que tal conferência não é deliberativa.

Eu pergunto a ele: então para que serviu tal evento? Para gastar recursos públicos?Dulce Xavier, do grupo Católicas (???) pelo Direito de Decidir, que não é um grupo Católico, apenas utiliza do nome para enganar os incautos, já ataca diretamente a Igreja, sem dar nome, pois iria ser demasiadamente contraditório para quem não a conhece realmente. Escrevo sobre ela logo mais.

Mas que fique bem claro, o Ministro da morte, ops, da Saúde, já disse que vai ignorar o resultado da conferência e que vai levar o assunto adiante.
Para essa corja, os “movimentos sociais” só escolhem direito quando seu voto coincide com o do governo.

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Governo é vergonhosamente derrotado ao tentar ampliar apoio ao aborto

Saudações queridos leitores!

Trago hoje uma notícia muito boa! Graças à mobilização da CNBB e de todos aqueles que amam e respeitam a vida, o governo e o ministro do homicídio, ops, da saúde, foram derrotados na 13ª Conferência Nacional de Saúde. Fiquem com reportagem do Estadão (íntegra aqui), volto depois.

A mobilização bem-sucedida dos setores contrários à interrupção da gravidez, com o apoio explícito da Igreja Católica e da Pastoral da Criança, levou os delegados da 13.ª Conferência Nacional de Saúde a rejeitar ontem a proposta de apoio à legalização total do aborto no País. Os delegados da região Nordeste, que atenderam ao apelo da Igreja, foram fundamentais para a vitória antiaborto.

A decisão impôs uma derrota ao ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que defende o debate sobre a descriminalização do aborto por meio de projeto de lei. Também deve reforçar as pressões no Congresso contra projetos favoráveis à interrupção de gravidez. Realizada a cada quatro anos, a conferência tem as suas deliberações usadas na formulação de políticas públicas. Atualmente, o Código Penal brasileiro permite o aborto, realizado por um médico, somente em caso de estupro ou quando a mãe corre risco de morte.

A proposta de apoio à projetos de legalização do aborto foi a primeira a ser votada ontem no plenário final do encontro, que reuniu em Brasília cerca de 5 mil participantes, sendo 3.068 deles com direito a voto. A redação original da moção sobre a livre interrupção da gravidez não tinha a palavra “aborto”, mas um grupo de delegados, orientados pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), conseguiu tornar explícita a intenção com a inclusão da palavra no texto.

A expectativa do governo era de que a proposta de apoio à descriminalização fosse aprovada no plenário final, já que 7 das 10 plenárias prévias tinham deliberado a favor da medida. Mas, entre anteontem e ontem, os setores contrários intensificaram o corpo-a-corpo e organizaram uma estratégia bem-sucedida para derrubar a proposta.(...)

“O governo fica enfraquecido na sua decisão, porque a conferência decidiu que em relação ao aborto nos próximos quatro anos a posição é essa”, comemorou Clóvis Boufleur, da Pastoral da Criança, e um dos principais articuladores do movimento contra a proposta. Segundo ele, a vitória só foi possível depois que a palavra “aborto” foi incluída no texto a ser votado. “Muitas pessoas não sabiam direito o que estavam votando”, disse ele, autor do recurso para incluir a palavra “aborto” na moção.(...)
Representante do ministro Temporão no último dia do encontro, o diretor de Ações e Programas Estratégicos do Ministério da Saúde, Adson França, favorável à proposta rejeitada, criticou a decisão, classificando-a de “hipócrita”. Segundo ele, o aborto é um problema de saúde pública, que precisa ser enfrentado.

França reclamou do fato de a proposta ter sido a primeira a ser votada, quando o plenário ainda não estava cheio e era ocupado, na maioria, por representantes mobilizados pela CNBB. “Não houve o debate final. Nem todo mundo estava presente. Não foi o melhor horário para o debate”, criticou. Ele disse que soube ontem de manhã que a proposta seria a primeira a ser votada.O presidente da 13.ª Conferência Nacional de Saúde, Francisco Batista Júnior, disse que o resultado da votação refletiu o trabalho de articulação e mobilização dos movimentos contrários ao aborto. Pelos seus cálculos, cerca de 70% dos delegados votaram contra a proposta. Os votos são dados pelos delegados levantando os crachás. “Nós achávamos que seria necessária uma contagem dos votos”, afirmou.

A diretora da Rede Nacional Feminista de Saúde, Clair Castilhos, lamentou a decisão, mas destacou que o debate vai continuar. Para ela, a decisão reflete o fundamentalismo de setores da sociedade brasileira. “Todo o caminho da libertação é longo e doloroso”, ponderou. Nos três dias da conferência, as feministas fizeram várias manifestações em defesa do direito da mulher ao aborto.

Voltei. Quem dera se nós, Católicos fôssemos sempre tão unidos em defesa da nossa Fé. O que vemos aqui é o prevalecimento da verdadeira opinião da maioria. Como os defensores do aborto saíram perdendo dessa vez, dizem que a maioria foi manipulada, que a votação foi armada para quando o plenário não estava cheio e coisas do gênero. Se a maioria tivesse sido favorável à despenalização, eles diriam que isso era praticamente sabedoria inata do povo.

O placar da votação (70% x 30%) fica próximo do placar da pesquisa que o Datafolha fez sobre o assunto e que já foi divulgado aqui no blog, que reflete ainda mais claramente como o povo é contrário a essa prática nefasta. Mas não baixemos a guarda, pois os esquerdistas, os "progressistas" não descansam.

Meus parabéns à CNBB e a todos que ajudaram a conquistar essa vitória!

Que Deus nos livre da maldição do aborto!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

domingo, 18 de novembro de 2007

Evangelho de Domingo

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários dos Padres de Navarra.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas.

Evangelho (Lc 21, 5-19 (33º Domingo do Tempo Comum))

5Como alguns dissessem, a respeito do Templo, que ele estava guarnecido com belas pedras e oferendas votivas, respondeu: 6Dessas coisas que estais vendo, dias virão em que não se deixará pedra sobre pedra que não venha a ser derrubada. 7Eles perguntaram-Lhe: Quando serão então essas coisas, Mestre? E qual o sinal, quando estiverem para acontecer? 8Ele respondeu: Tomai cuidado em não serdes desencaminhados, pois muitos virão com o Meu nome, dizendo: "sou eu", e ainda: "Está próximo o tempo!". Não sigais atrás deles. 9Quando ouvirdes falar em guerras e tumultos, não fiqueis aterrados, pois isso tem de acontecer primeiro, mas não será logo o fim.
10Foi-lhes então dizendo: Erguer-se-á povo contra povo e reino contra reino; 11haverá grandes terramotos e, em vários sítios, fomes e epidemias; haverá coisas apavorantes e, lá do céu, grandes sinais. 12Mas antes de tudo isso, deitar-vos-ão as mãos e perseguir-vos-ão, entregando-vos às sinagogas e às prisões, levando-vos a reis e governadores, por causa do Meu nome. 13Mas isso proporcionar-vos-á ocasião de dar testemunho. 14Assentai, pois, no vosso íntimo, em não preparardes a vossa defesa, 15pois Eu vos darei língua e sabedoria a que não poderá resistir ou contestar qualquer dos vossos adversários. 16Sereis entregues até pelos vossos pais, irmãos, parentes e amigos. Hão-de causar a morte a alguns dentre vós 17e por todos sereis odiados por causa do Meu nome; 18mas nem um cabelo se perderá da vossa cabeça. 19Pela vossa constância é que haveis de ganhar as vossas almas!

Palavra da Salvação.

5-36. Os discípulos ponderam diante do Senhor a grandeza do Templo. A este propósito Jesus desenvolve um longo discurso, conhecido com o nome de "discurso escatológico", porque versa sobre os acontecimentos finais da história. O passo é conservado também de uma maneira muito parecida pelos outros Evangelhos Sinópticos (cfr Mt 24,1-51; Mc 13,1-37). Nas palavras do Senhor enlaçam-se três questões relacionadas entre si: a destruição de Jerusalém - que teve lugar uns quarenta anos depois - , o fim do mundo, e a segunda vinda de Cristo em glória e majestade. Jesus, que também anuncia aqui perseguições contra a Igreja, exorta insistentemente à paciência, à oração e à vigilância.

O Senhor fala aqui com o estilo e a linguagem próprios dos profetas, com imagens tomadas do Antigo Testamento; além disso, neste discurso alternam-se profecias que se vão cumprir em breve com outras cujo cumprimento se difere até ao fim da história. Com elas Nosso Senhor não quer saciar a curiosidade dos homens acerca dos acontecimentos futuros, mas trata de evitar o desalento e o escândalo que poderiam produzir-se diante das dificuldades que se avizinham. Por isso exorta: "Tomai cuidado em não serdes desencaminhados" (v. 8); "não fiqueis aterrados" (v. 9); "Tende cuidado convosco" (v. 34).

8. Os discípulos, ao ouvir que Jerusalém ia ser destruída, perguntam qual será o sinal que anunciará esse acontecimento (vv. 5-7). Jesus responde com uma advertência: "Não vos deixeis enganar", isto é, não espereis nenhum aviso; não vos deixeis levar por falsos profetas, permanecei fiéis a Mim. Esses falsos profetas apresentar-se-ão afirmando que são o Messias, isto é o que significa a expressão "eu sou". A resposta do Senhor refere-se na realidade a dois acontecimentos que a mentalidade judaica via relacionados entre si: a destruição da Cidade Santa e o fim do mundo. Por isso, falará a seguir de ambos os acontecimentos e deixará entrever que deve decorrer um longo tempo entre eles; a destruição do Templo e de Jerusalém é como um sinal, um símbolo das catástrofes que acompanharão o fim do mundo.

9-11. O Senhor não quer que os discípulos possam confundir qualquer catástrofe - fomes, terramotos, guerras - ou as próprias perseguições com sinais que anunciem a proximidade do fim do mundo. A exortação de Jesus é clara: "Não fiqueis aterrados", porque isto há-de suceder, "mas não será logo o fim"; pelo contrário, no meio de tantas dificuldades, o Evangelho ir-se-á estendendo até aos confins do orbe. Estas circunstâncias adversas não devem paralisar a pregação da fé.

19. Jesus anuncia perseguições de todos os géneros. Isto é inevitável: "Todos os que queiram viver piedosamente em Cristo Jesus padecerão perseguições" (2 Tim 3,12). Os discípulos deverão recordar aquela advertência do Senhor na Última Ceia: "Não é o servo mais que o seu senhor. Se Me perseguiram a Mim, também vos perseguirão a vós" (Ioh 15,20). Contudo, estas perseguições não escapam à Providência divina. Acontecem porque Deus as permite. E Deus permite-as porque pode tirar delas bens maiores. As perseguições serão ocasião de dar testemunho: sem elas a Igreja não estaria adornada com o sangue de tantos mártires. O Senhor promete, além disso, uma assistência especial àqueles que estejam a sofrer perseguição e adverte-os de que não hão-de temer: dar-lhes-á a Sua sabedoria para se defenderem e não permitirá que pereça nem sequer um cabelo da sua cabeça, isto é, que até o que possa parecer uma desgraça e uma perda será para eles o começo da glória.

Das palavras de Jesus deduz-se também a obrigação que tem todo o cristão de estar disposto a perder a vida antes que ofender a Deus. Só aqueles que perseverem até ao fim na fidelidade ao Senhor alcançarão a salvação. A exortação à perseverança está consignada pelos três Sinópticos neste discurso (cfr Mt 24,13; Mc 13,13) e por São Mateus noutro lugar (Mt 10,22) e igualmente por São Pedro (1 Pet 5,9). Isso parece sublinhar a importância desta advertência de Nosso Senhor na vida de todo o cristão.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.