sábado, 20 de outubro de 2007

Evangelho de Domingo

Saudações queridos leitores!

Segue abaixo o Santo Evangelho desse domingo, dia do Senhor, com comentários dos padres de Navarra.

Evangelho (Lucas 18, 1-8)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas

1Expôs-lhes então uma parábola sobre a necessidade de eles orarem sempre sem desfalecer: 2Em certa cidade - disse Ele - havia um juiz que não temia a Deus nem respeitava os homens. 3Ora, naquela cidade, existia uma viúva, que ia ter com ele e lhe dizia: "Faz-me justiça contra o meu adversário". 4Por algum tempo, ele não quis; mas, depois, disse consigo: "Se bem que não temo a Deus nem respeito os homens, 5contudo, já que esta viúva me incomoda, vou fazer-lhe justiça, para que não venha moer-me até ao fim!". 6E o Senhor acrescentou: Escutai o que diz o juiz iníquo!... 7E Deus não havia de fazer justiça aos Seus eleitos, que a Ele clamam dia e noite, e iria ter demoras com eles? 8Eu digo-vos que lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando voltar, achará acaso a fé sobre a Terra?!

Palavra da salvação.

1-8. A parábola do juiz injusto é um ensinamento muito expressivo acerca da eficácia da oração perseverante e firme. Por sua vez constitui a conclusão da doutrina sobre a vigilância, exposta nos versículos anteriores (17,23-26). O facto de comparar o Senhor com uma pessoa como esta, põe em relevo o contraste entre ambos: se até um juiz injusto acaba por fazer justiça àquele que insiste com perseverança, quanto mais Deus, infinitamente justo e nosso Pai, escutará as orações perseverantes dos Seus filhos. Deus, com efeito, fará justiça aos Seus escolhidos que clamam por Ele sem cessar.

1. "É preciso orar em todo o tempo e não desfalecer. Por que devemos orar?

1) Devemos orar, antes de mais, porque somos crentes. Com efeito, a oração é o reconhecimento dos nossos limites e da nossa dependência: vimos de Deus, somos de Deus e retornamos a Deus. Portanto, não podemos deixar de nos abandonarmos n'Ele, nosso Criador e Senhor, com plena e total confiança (...). A oração é, antes de mais, um acto de inteligência, um sentimento de humildade e de reconhecimento, uma atitude de confiança e de abandono n'Aquele que nos deu a vida por amor. A oração é um diálogo misterioso, mas real, com Deus, um diálogo de confiança e de amor.

2) Mas nós somos cristãos, e por isto devemos orar como cristãos. Efectivamente, a oração para o cristão adquire uma característica particular que muda totalmente a sua natureza íntima e o seu valor íntimo. O cristão é discípulo de Jesus; é o que crê verdadeiramente que Jesus é o Verbo encarnado; o Filho de Deus vindo entre nós a esta terra.

Como homem, a vida de Jesus foi uma oração contínua, um acto contínuo de adoração e de amor ao Pai, e porque a expressão máxima da oração é o sacrifício, o apogeu da oração de Jesus é o sacrifício da cruz, antecipado com a Eucaristia na Última Ceia e transmitido a todos os séculos com a Santa Missa.

Por isto o cristão sabe que a sua oração é Jesus; toda a sua oração parte de Jesus; é Ele quem ora em nós, connosco e por nós. Todos os que crêem em Deus, oram; mas o cristão ora em Jesus Cristo: Cristo é a nossa oração! (...).

3) Finalmente, devemos orar também porque somos frágeis e culpáveis. É preciso reconhecer humilde e realmente que somos pobres criaturas, com ideias confusas (...), frágeis e débeis, com necessidade contínua de força interior e de consolação. A oração dá força para os grandes ideais, para manter a fé, a caridade, a pureza, a generosidade; a oração dá ânimo para sair da indiferença e da culpa, se por desgraça se cedeu à tentação e à debilidade; a oração dá luz para ver e julgar os acontecimentos da própria vida e da própria história na perspectiva salvífica de Deus e da eternidade. Por isto, não deixeis de orar! Não passe um dia sem que tenhais orado um pouco! A oração é um dever, mas também é uma grande alegria, porque é um diálogo com Deus por meio de Jesus Cristo! Cada domingo a Santa Missa e, se vos é possível, alguma vez também durante a semana; cada dia as orações da manhã e da noite e nos momentos mais oportunos!" (João Paulo II, Audiência com os jovens, 14-III-1979).

8. O ensinamento de Jesus sobre a perseverança na oração une-se com a severa advertência de que é preciso manter-se fiéis na fé; fé e oração vão intimamente unidas: "Creiamos para orar - comenta Santo Agostinho -; e para que não desfaleça a fé com que oramos, oremos. A fé faz brotar a oração, e a oração, enquanto brota, alcança a firmeza da fé" (Sermo 115).

O Senhor anunciou a Sua assistência à Igreja para que possa cumprir indefectivelmente a sua missão até ao fim dos tempos (cfr Mt 28,20); a Igreja, portanto, não pode desviar-se da verdadeira fé. Porém, nem todos os homens perseverarão fiéis, mas alguns afastar-se-ão voluntariamente da fé. É o grande mistério que São Paulo chama de iniquidade e de apostasia (2 Thes 2,3), e que o próprio Jesus Cristo anuncia noutros lugares (cfr Mt 24, 12-13). Deste modo o Senhor previne-nos para que, ainda que à nossa volta haja quem desfaleça, nos mantenhamos vigilantes e perseverando na fé e na oração.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Pastor queima imagens sacras cadastradas no Iphan

Saudações queridos leitores!

Para quem ainda tem dúvidas quanto à índole dos bestiais da IURD, fica mais uma prova patente de desrespeito às religiões e ao patrimônio histórico e artístico nacional. Matéria do UOL com informações do Estadão. Volto abaixo.

Pastor queima imagens sacras cadastradas no Iphan

Agência Estado
Em São Borja (RS)

O pastor da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) Fábio Guimarães da Silva Pereira queimou, durante um culto, duas imagens da história missioneira cadastradas no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Ele havia retirado as estátuas da casa de uma família que era fiel depositária das peças em troca de orações para curar um doente. O pastor responde por crime contra o patrimônio histórico na 3ª Vara Cível de São Borja, no Rio Grande do Sul.

Pereira alegou que a queima de imagens é uma pratica comum nos cultos da Universal. Mas garantiu não saber que as duas imagens, uma do Senhor Morto e outra de São Pedro, eram cadastradas no Iphan.

A denúncia ao Ministério Público foi feita pelo diretor de Assuntos Culturais do município, Fernando Rodrigues, no mês passado, quando a família Chagas resolveu fazer a doação para o museu municipal de oito imagens de madeira das quais era guardiã. Na ocasião, Oraides Chagas informou Rodrigues de que o pastor havia levado as duas imagens. Orientado pelo Iphan, o diretor procurou a Polícia Federal e o Ministério Público, que representou contra o pastor.

São Borja é um dos Sete Povos das Missões, fundado em 1636 pelos jesuítas como uma redução de índios guaranis. Dessa época, restam apenas 82 peças no estilo barroco jesuítico, todas tombadas pelo Iphan. Dessas, 35 estão no Museu Municipal Aparício Silva Rillo, 13 encontram-se em poder da Igreja Católica e as outras 34 estão espalhadas por casas de família que já detinham a posse delas.

A família Ayala Chagas, moradora de um bairro pobre da cidade, conservava em seu poder oito imagens que foram salvas de um incêndio em uma capela próxima de sua casa na primeira metade do século passado. Oraides Chagas contou que havia cinco gerações eles vinham cuidando das estátuas em um pequeno oratório na sala da residência. Com a doença de seu marido, Leôncio Ayala Chagas, que sofria de câncer, Oraides recorreu às orações do pastor para curá-lo. Em troca, ele exigiu as estátuas para queimá-las em um culto. Chagas morreu de câncer em julho e os filhos procuraram o museu para fazer a doação com o objetivo de salvar as outras estátuas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Voltei.

A falta de escrúpulos e o retrocesso estão evidentes. Mais um pouco e eles agirão como em Salem (quem quiser, pesquise). Se a situação continuar assim e o Estado continuar fazendo vistas grossas aos constantes ataques que os funcionários dessa seita com características empresariais auto denominada "igreja" fazem às diferentes manifestações religiosas do país (falo do ponto de vista legal, não do religioso), episódios como a covarde agressão à imagem de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil serão considerados café pequeno perto do que há por vir.

Destruição de patrimônio Histórico e Artístico é crime de acordo com o artigo 165 do Código Penal e tal crime prevê prisão e multa. Quero só ver se vai ser feita alguma coisa!

Outra coisa: que diabos leva uma família Católica a pedir auxílio espiritual a um pastor dessa seita? Acordem padres! Tem muito sacerdote se preocupando demais com passeata e deixando a teologia de lado...

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Fiel da IURD perde ação contra a Globo

Saudações queridos leitores!

Como percebem, hoje acordei com vontade de bater em algém e a IURD foi o primeiro alvo na minha frente. Vou tirar o dia para, em palavras de Edir Macedo, "cutucar o fígado" da Record e da IURD. Hoje o dia vai ser dedicado a relembrar o histórico recente da seita do Edir Macedo, que de tanto cantar de galo vai ter que se explicar para a Polícia sobre como conseguiu dinheiro pra comprar a Rede Record.

Fiquem com um trecho da reportagem do Consultor Jurídico (íntegra aqui). Volto depois.

RCTV é exemplo para juiz livrar Globo de indenização

O fechamento da rede venezuelana RCTV foi um dos argumentos usados pelo juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto, titular da 1ª Vara da Comarca de Juína (MT), para absolver o programa Linha Direta, exibido pela Rede Globo. A RCTV foi fechada pelo presidente Hugo Chávez.

Uma fiel da Igreja Universal do Reino de Deus entrou com uma ação de indenização por danos morais contra a Globo por causa de uma reportagem veiculada no programa policial em 30 de novembro de 2006. Ela alegou ter sido ofendida com a declaração de um dos entrevistados.

Nesse dia, o programa narrou o caso conhecido como “Lucas Terra”, a história de um adolescente assassinado por um pastor da Igreja Universal, na Bahia. O corpo do garoto foi queimado, após sua morte. Na reportagem, José Carlos Terra, pai do menino, comenta: “Eles fizeram a Fogueira Santa com meu filho”.

“A liberdade de expressão é direito supremo da democracia, consagrado pela nossa Constituição. Contudo, o Brasil tem assistido indignado várias tentativas de afronta a essa garantia constitucional, inclusive, infelizmente, por decisões de seus Poderes, que estabelecem, na prática, a censura prévia. Essas tristes medidas só encontram amparo em regimes totalitários e ditatoriais, como se vê, atualmente, na Venezuela, com a arbitrária negativa à renovação da concessão do popular canal RCTV. Isso não acontecerá, ao menos nestes autos”, anotou o juiz federal Geraldo Fernandes Fidelis Neto na decisão concedida na segunda-feira (25/6).

Segundo Fidelis Neto, o fato do programa não ter mencionado o nome da fiel nem da igreja não permite indicar que o ritual tenha acontecido na Universal. “O mesmo raciocínio torna-se inevitável no que toca a ilegitimidade da Rede Globo de Televisão para responder à presente demanda, porquanto um dos entrevistados pelo programa jornalístico transmitido foi quem usou o termo ‘Fogueira Santa’, jamais a reclamada, como reconhece a própria autora da inicial”, afirmou.

Fidelis Neto rechaçou também a atitude de alguns membros da igreja. A mesma petição foi copiada e distribuída para os adeptos da Igreja Universal em diversos lugares do Brasil, incitando-os a ajuizarem ações. “Ora, essa circunstância causa, no mínimo, estranheza, pois caracteriza, de forma sem igual, a tão propalada indústria da indenização por dano moral. Ademais, esse fato robustece a alegação de que não foi a reclamante quem se sentiu moralmente lesada com a aludida matéria jornalística, mas sim, outrem, que de forma oculta, busca se utilizar de massa de manobra para seus interesses escusos. O Judiciário não é palco para competições sensacionalistas, levando-se em conta ser de conhecimento público que a Igreja Universal é proprietária de outra rede de televisão, maior interessada em prejudicar a reclamada”, alertou.

Estou de volta.

Viram só como as coisas funcionam? A seita do Macedo instruiu aos seus fiéis a ajuizar ações contra a emissora que é a inimiga número um da IURD e forneceu-lhes cópias do programa como munição para tal. Penso que se o crime tivesse sido cometido por um sacerdote da Igreja Católica a mídia em peso estaria pedindo a cabeça do religioso, como já aconteceu em outros casos, sempre com a Record capitaneando a turma. Não quero dizer com isso que um sacerdote que cometa um crime seja inocentado, mas que a Record, a mando de seu líder supremo vai, no máximo, dar uma notinha sem o mínimo de imparcialidade.

Quanto a ação, é mais uma batalha na guerra que as duas emissoras estão travando. Edir Macedo não perdoa até hoje a maneira como a Rede Globo noticiou sua prisão e a exibição da mini série "Decadência", onde Edson Celulari interpretava um pastor corrupto e usava frases de Edir Macedo. A mini série acabou sendo um tiro no pé, pois foi mal aceita por praticamente todo o meio protestante.

Edir Macedo diz que vai cututcar o fígado da Globo até ela cair. Mas será que ele suporta um gancho no queixo?

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Universal deve pagar R$ 1 mi por crime de pastor

Saudações queridos leitores!


Saiu a sentença do caso do menino que foi morto por um pastor da seita universal. Segue abaixo a íntegra da notícia, publicada pelo Terra. Volto depois.

A Igreja Universal do Reino de Deus deve pagar indenização por danos morais no valor de R$ 1 milhão aos pais de João Lucas Terra, 14 anos, assassinado em Salvador, supostamente pelo pastor auxiliar Sílvio Roberto Santos Galiza. O garoto foi amordaçado e carbonizado em 21 de março de 2001.

Em primeira instância, o juiz de Direito da 3ª vara Cível da Comarca de Salvador julgou improcedente o pedido de indenização dos pais do garoto contra a Igreja. Na segunda instância, a sentença foi reformada pela 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia, que condenou a instituição religiosa ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 500 mil para cada um dos pais do garoto.

Segundo o Tribunal, o vínculo entre a congregação religiosa e seus pastores está caracterizado pela subordinação, poder diretivo escalonado, remuneração, atos constitutivos, entre outros. A Igreja alegou que não havia a responsabilidade, no caso, pois o crime não foi praticado no exercício do trabalho nem em razão dele.

Para o TJ/BA, no entanto, a responsabilidade da Igreja é de natureza subjetiva, por "falha em vigiar seus membros". Conforme a decisão do TJ, a ocorrência do crime só foi possível devido a uma postura desleixada da instituição religiosa.

Os ministros da Terceira Turma do STJ, ao analisar o recurso, mantiveram o entendimento do TJ baiano quanto à indenização, mas acataram o pedido da Igreja para que a correção monetária incidisse apenas a partir da data de julgamento de apelação.

O garoto João Lucas Terra era obreiro da igreja, e, segundo dados do processo, chegava a permanecer durante o período de férias três turnos na Igreja de Santa Cruz, em Salvador.

Voltei. Crime é crime, independente de quem cometa. A punição à instituição foi justa na medida que não zelou pelo jovem, que foi levado do templo pelo pastor, de acordo com relatos de testemunhas. Abaixo segue reportagem da época publicada na Folha:

Ministério Público da Bahia pede prisão de pastor por morte de jovem

LUIZ FRANCISCO
Publicado em 09/11/2001 no Jornal Folha de S. Paulo

O Ministério Público da Bahia solicitou nesta sexta-feira a prisão preventiva do pastor da Igreja Universal do Reino de Deus Sílvio Roberto Santos Galiza, acusado de queimar vivo o estudante Lucas Vargas Terra, 14, em março último. A prisão preventiva do pastor foi solicitada pela promotora Maria Adélia Bonele Borges.

Depois de sete meses de investigação, a polícia baiana concluiu que o pastor foi o autor do crime.

De acordo com a PM, o estudante foi visto pela última vez em um templo da Universal, no Rio Vermelho (orla de Salvador), conversando com o pastor.

Depois, o corpo do estudante foi encontrado em um terreno abandonado, na avenida Vasco da Gama (centro da capital), completamente carbonizado.

"O inquérito apontou que o pastor é o responsável pelo assassinato do meu filho. Então, que a Justiça seja feita", disse o empresário Carlos Terra, pai do estudante, que há nove dias participa de uma vigília em frente ao Fórum Rui Barbosa, na capital baiana.

Desde que passou a ser acusado pelo assassinato do estudante, o pastor Sílvio Galiza não foi visto mais em Salvador. Segundo informações da própria PM, o pastor estaria residindo em São Paulo.

Duas semanas após o assassinato de Lucas Terra, duas testemunhas que a PM mantém em sigilo teriam informado que viram o estudante entrar no carro do pastor, no início da noite.

"O cerco está fechado. Agora, a Justiça deve fazer a sua parte, ordenando a prisão do pastor", disse a presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa da Bahia, Moema Gramacho (PT).

Sobre o atual paradeiro do pastor Galiza, segue reportagem da Rede Bahia, do mês de agosto:

Acusado de matar Lucas Terra tem pena reduzida

16/8/2007
O pastor Sílvio Galiza, acusado de envolvimento na morte do menino Lucas Terra, teve a pena reduzida de 18 para 15 anos de prisão. Os desembargadores do Tribunal de Justiça decidiram reduzir a pena, mas negaram o pedido dos advogados do pastor, que queriam um novo julgamento.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

TV Cultura discutirá fim de transmissão de missa de domingo

Saudações queridos leitores!

O laicismo ataca ferozmente mais uma vez. Agora a vítima é a TV Cultura e a sua transmissão da Santa Missa dominical. Fiquem com a reportagem da Folha Online, volto ainda hoje para comentar com mais detalhes.

TV Cultura discutirá fim de transmissão de missa de domingo

A TV Cultura discutirá se mantém a transmissão de uma missa católica nas manhãs de domingo, após receber um aviso nesta quinta-feira do Ministério Público de São Paulo sobre a possibilidade de abertura de um inquérito civil sobre a questão.

A emissora não informou quando levará o assunto ao conselho curador (órgão que estabelece as diretrizes da programação).

O Ministério Público recebeu a reclamação sobre o programa de um morador de Santos, que pede que expressões de outras religiões tenham um espaço semelhante na grade da emissora.

Segundo o comunicado da TV Cultura, em duas ocasiões anteriores, a mesma questão foi levada à Justiça e a emissora obteve julgamentos favoráveis à manutenção da celebração.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

PF investigará compra da Record pelo bispo Edir Macedo

Saudações queridos leitores!

A PF vai investigar a compra da Rede Record pelo Edir Macedo. Sou um tanto cético quanto ao que pode acontecer, visto que hoje ele é um magnata milionário graças a exploração da fé pública e como sabemos bem, é meio difícil que a rede pegue um peixe desse tamanho. Fica a esperança de ver chegar ao fim tantos anos de exploração da fé das pessoas. Em reportagem da Folha.

A Polícia Federal abriu inquérito em São Paulo para investigar o bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, informa nesta quinta-feira reportagem da Folha (íntegra só para assinantes da Folha ou do UOL).

Segundo a reportagem, o objetivo do inquérito é apurar supostos indícios de crimes contra a fé pública e de falsidade ideológica.

A Folha informa que o departamento jurídico da Igreja Universal disse que soube do inquérito pelo site da Justiça Federal na internet, mas que a entidade ainda não foi notificada.

De acordo com a reportagem, o inquérito surgiu de uma representação feita, em 2005, pelo ex-deputado estadual Afanásio Jazadji, sobre a origem dos recursos usados pelo bispo na compra da Rede Record.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Frutos da defesa a Dom José

Saudações queridos leitores!

Uma notícia alegra meu dia! O artigo escrito por Jorge Ferraz e por Claudemir Júnior que foi publicado aqui e em outros meios virtuais também foi divulgado no Jornal do Commercio. É um grande passo na luta contra as injustas perseguições que o Arcebispo de Olinda e Recife vem sofrendo desde que houve o lamentável episódio com o Padre Edwaldo Gomes.

O texto no Jornal do Commercio pode ser lido aqui (apenas para assinantes do JC ou do UOL).

O texto é uma versão bem enxuta do que foi publicado aqui, mas é certamente uma vitória a ser comemorada.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Francês nu e bêbado toca sino do Vaticano

Saudações queridos leitores!

Notícia bizarra do Terra. Volto depois.

Francês nu e bêbado toca sino do Vaticano

Um francês conseguiu subir no Arco dos Sinos, no Vaticano, às 5h de hoje, informou a agência Ansa. Nu e bêbado, ele inclusive tocou um dos sinos e tentou se atirar do alto do Arco, mas acabou sendo impedido.

O homem, que não foi identificado, acabou sendo entregue às autoridades italianas, que o obrigaram a submeter-se a um tratamento psiquiátrico. Segundo a polícia, o francês estava em evidente confusão mental.

O Arco dos Sinos é considerado uma das três entradas do Vaticano e é vigiado pela Guarda Suíça.

Todos sabemos que pessoas bêbadas fazem coisas estúpidas. Eu não bebo, mas acho maquiavelicamente divertido ver bêbados fazer coisas estúpidas, desde que não coloquem a vida de ninguém em risco. O que me surpreende é a bobeada da Guarda Suíça.

Para a sorte do bêbado, esse tipo de atitude não acarreta em excomunhão, mas deve ser confessada. Não consigo nem imaginar a pena imposta pelo sacerdote, haha!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Dom Odilo é nomeado cardeal

Saudações queridos leitores!

Como se esperava, Dom Odilo Scherer foi nomeado Cardeal nessa quarta-feira. Notícia do G1.

Arcebispo de São Paulo é um dos 23 novos cardeais indicados pelo Papa. Ele poderá participar do conclave secreto para a escolha do sucessor de Bento XVI.

O arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, foi nomeado cardeal nesta quarta-feira (17) pelo Papa Bento XVI. Junto com outros 22 indicados, ele deve receber o barrete vermelho e o anel de ouro de cardeal no segundo consistório do pontificado de Bento XVI, marcado para 24 de novembro. O consistório é uma cerimônia em que o papa encontra seus cardeais. Além de poder participar das reuniões, Scherer ganha também o direito de votar no sucessor de Bento XVI. Dos 23 escolhidos, apenas 18 têm menos de 80 anos, o que é exigido para a participação no conclave secreto em que é escolhido o sucessor. Dom Odilo tem 57 anos.

Com as novas designações, o número de cardeais com direito a voto em um eventual conclave pela morte do Papa chega a 121 membros, um a mais que o límite fixado pelo papa Paulo VI. Outros são o argentino Leonardo Sandri, atual prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, e o mexicano Francisco Robles Ortega, arcebispo de Monterrey.

Entre os novos cardeais estão vários membros da Cúria romana e arcebispos de cidades importantes, entre eles o de Paris, André Vingt-Trois, de Barcelona, Luis Martinez Sistach, de Nairóbi (Quênia), John Njue, e o de Gênova, Angelo Bagnasco, atual presidente da conferência episcopal italiana.

Perfil Gaúcho, o novo cardeal se formou na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma e é bastante próximo da Cúria Romana. Antes de assumir como arcebispo de São Paulo, quando era secretário-geral da CNBB, ele se esforçou para alinhar a entidade às diretrizes do Vaticano, o que foi visto com bons olhos pelo Papa Bento XVI.

Quando o pontífice esteve no Brasil, dom Odilo foi um de seus anfitriões. Sua boa relação com Roma é favorecida também pela proximidade com o cardeal dom Cláudio Hummes, seu antecessor na Arquidiocese de São Paulo. Dom Odilo nasceu em 21 de setembro de 1949 em Cerro Largo (RS).

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Se essa é a liberdade que elas pregam...

Saudações queridos leitores!

Feministas argentinas nos dão aula de pluralidade, tolerância e liberdade. Por ACI, volto depois.

Feministas usaram evento para promover aborto e lesbianismo

Católicas argentinas foram alvos de ataques em Encontro Nacional de Mulheres

.- O 22° Encontro Nacional de Mulheres celebrado neste fim de semana em Córdoba se converteu -como suas versões anteriores- em um espaço de ataque contra as mulheres católicas que ousaram participar. Elas foram agredidas grosseiramente pelos grupos feministas que reuniram para impor à força sua agenda abortista e a ideologia de gênero.

"Segundo testemunhos das mulheres que participantes, a violência marcou as duas jornadas. Às mulheres que são católicas pretendem expulsá-las a força, ou onde há oficinas em um subsolo sem possibilidade de sair às prendem, há mulheres golpeadas no ombro, nas costas e nos pés", relatou o jornalista da agência NOVA, Emilio Nazar, a quem foi impedido de presenciar o que acontecia nas oficinas sobre aborto e anticoncepção.

Os meios locais, indicou, coincidiram em assinalar "a apresentação anticlerical das organizadoras, ao ponto de negarem a condição de mulheres às católicas, e querem evitar o ingresso e a palavra destas mulheres pelas boas� ou pelas más".

O jornalista disse que no evento, onde as católicas foram um minoria frente a "milhares de mulheres manipuladas contra", não faltaram às ordens ofensivas contra a fé e contra toda aquela que desse uma opinião contrária à agenda feminista.

"As mulheres abordam o tema da discriminação e a violência dos homens contra as mulheres, mas jamais o tema da violência de mulheres contra mulheres. E nas mesmas oficinas se dão os casos", denunciou.

"Indefesas (as católicas), só lhes restou uma possibilidade: ter o telefone da polícia preventiva se por acaso acontecesse algo, para que em três minutos entrasse para frear as agressões. Porque é um encontro de mulheres, mas isto não significa uma "região liberada" para que haja mulheres cometendo delitos contra outras. Isto não é nem democrático, nem pluralista nem tolerável", assinalou.

Quiseram fazer passeata à Catedral

Meios locais informaram que no último dia da jornada, membros dos grupos feministas, usando milhares de manifestantes como escudo, tentaram aproximar-se da Catedral de Córdoba para ofender o templo com pichações alusivas ao aborto. Apesar que outro grupo ter impedido este ato de vandalismo, não se pôde evitar que comércios e edifícios públicos do centro da cidade fossem atacados.

"As mulheres têm todo o direito de expressar-se da forma que creiam conveniente", afirmou a 'Cadena 3', Graciela Contreras, uma das organizadoras do encontro, tentando justificar a violência de algumas participantes.

Sobre o Encontro

Embora as organizadoras apresentem a reunião como um encontro de mulheres para falar de coisas que interessam às mulheres: pobreza, educação, sindicatos, globalização, dívida externa, e os problemas sociais e religiosos, o certo é que as oficinas estão atravessadas pelo lema do aborto e promoção da homossexualidade.

Segundo Nazar, "as organizadoras se dizem mulheres amplas, pluralistas e democráticas, mas ante a presença de mulheres católicas ou que sustentam a moral natural assumam uma atitude de terminante rechaço e de intolerância verbal e física".

Voltei.

É essa a liberdade, pluralismo e a democracia que algumas pessoas defendem. Esse tipo de atitude só serve para demonstrar o quão cínicos são os defensores das ideologias promovidas nesse encontro. A coragem que essas mulheres Católicas tiveram ao participar desse evento, mesmo sabendo no que estavam se metendo é de nos fazer refletir.

Para essas pessoas a tolerância só deve ser exercida para com eles, jamais com quem discorde de suas idéias. Essas pessoas não sabem viver na democracia, não são pertencentes ao Estado de Direito, mas sim a uma ditadura que busca a unanimidade, seja por bem, seja por mal.

Essas pessoas não fazem parte da sociedade em que vivemos, vivem em um gueto ideológico que querem estender ao mundo inteiro. Aqui não! Se querem isso, que vão para a Cuba que as pariu!

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Luto na Igreja da Venezuela

Saudações queridos leitores!

É com grande tristeza que reproduzo a notícia do falecimento do Cardeal Rosaío Castillo Lara, da Venezuela. Zeloso pastor e figura de destaque na Igreja, estará agora intercedendo a nós junto a Deus.

.- Dom Baltazar Porras, Presidente da Comissão de Meios da Conferência Episcopal Venezuelana, confirmou esta manhã o trânsito à Casa do Pai do Cardeal Rosalío Castillo Lara, uma das figuras mais destacadas da história da Venezuela.

"A morte do Cardeal Castillo Lara enluta não só à Igreja e a sociedade venezuelana, mas também à Igreja universal, sabemos qual foi sua atuação ao lado dos papas Paulo VI e João Paulo II ocupando muito altos cargos e responsabilidades", disse Dom Porras.

Rosalío Castillo Lara nasceu em 4 de setembro de 1922 em São Casimiro, diocese de Maracay, e foi sobrinho de Lucas Guillermo Castillo, Arcebispo de Caracas. Cursou estudos na sociedade Salesiana de São João Bosco, em Bogotá, Colômbia, e nas casas de estudos salesianas.

Obteve o doutorado em Direito canônico em Turim, Itália, e também realizou estudos na Universidade de Bonn, Alemanha. Ordenou-se como sacerdote em 4 de setembro de 1949, em Caracas e foi Diretor de estudos do Instituto de São José, em Teques, entre 1949 e 1950.

Em 5 de outubro de 1981 se converteu em Presidente da Comissão Disciplinadora da Cúria Romana e Pró presidente da Pontifícia Comissão para a revisão do Código de Direito Canônico. Em 1985 foi nomeado Presidente de tal comissão.

Recebeu o capelo cardinalício em 25 de maio de 1985 e desempenhou altas responsabilidades no Vaticano, entre elas a Presidência da Administração do Patrimônio da Sé Apostólica. Sob sua responsabilidade se iniciou a construção da atual "Casa Santa Marta", no Vaticano, onde se alojam os cardeais durante o Conclave.

Os funerais do Cardeal começaram desde esta terça-feira na Igreja Dom Bosco de Altamira e é possível que seus restos sejam transladados ao estado de Aragua, sua terra natal. As exéquias do Cardeal terão três dias de duração.

Que Deus o tenha.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Arquitetura moderna nas Igrejas

Saudações queridos leitores!

Estive olhando com mais atenção às fotos da Igreja da Santíssima Trindade, que foi recentemente inaugurada em Fátima, Portugal. É um templo construído seguindo as modernas linhas arquitetônicas, projetado pelo arquiteto greco-ortodoxo Alexandros Tombazis.

As linhas arquitetônicas do templo me lembraram de um artigo que li certo tempo atrás, que tratava sobre o assunto. O título é "Igrejas modernas, “feias como o pecado”", publicado na Revista Catolicismo. O artigo trata sobre o best-seller Ugly as Sin, do arquiteto Michael Rose, Doutor em Belas Artes pela Brown University (EUA) apresenta a catedral Notre Dame de Paris como a jóia-da-coroa da Cidade Luz, o verdadeiro epicentro, a alma da capital francesa.

O autor nos lembra que as Igrejas contruídas no estilo clássico são como verdadeiros "Evangelhos de pedra". Qualquer pessoa que olhe para as esculturas, gravuras, vitrais e demais imagens sacras percebe a aura de solenidade que emada dos locais. Esses templos emanam sacralidade, impelem o fiel a orar. A arquitetura das Igrejas impõe um limite entre o sagrado e o profano, coisa que muitos templos modernos não consegue mais expressar com a clareza de antes.

Vejamos os detalhes. Na Basílica de Fátima, a primeira imagem representa Cristo, enquanto a segunda representa a Cristo na recém-inaugurada Igreja da Santíssima Trindade.

Qual delas expressa de forma mais clara a idéia que querem passar?

Entendam que o intuito desse artigo não é criticar a arquitetura moderna. Ela existe e tem sua beleza, utilidade e funcionalidade. O que quero chamar a atenção é que tal tipo de arquitetura não é o ideal para um templo, pois não expressa com o mesmo esplendor a plenitude do Cristianismo. Michel Rose insiste que Notre Dame é arte no sentido mais nobre do termo, é arquitetura da mais alta classe, um “lugar sagrado” que espelha esplendorosamente as realidades eternas. Em muitas cidades pequenas e em volta das Igrejas mais antigas, praças e largos cumprem uma função de transição, do ambiente profano para o sagrado. Ela é, antes de tudo, a casa onde Deus habita na Terra. Assim Deus era visto quando foi construída.

Michel Rose diz que as palavras de Cristo no Sermão das Bem-Aventuranças são normativas. Nosso Senhor ensinou: “Não pode se esconder uma cidade que está situada sobre um monte. Nem os que acendem uma luzerna a metem debaixo do alqueire, mas põem-na sobre o candeeiro, a fim de que ela dê luz a todos que estão na casa” (Mt 5, 14-15).

A fachada é o rosto da igreja. Ela evangeliza, ensina, catequiza. Na Idade Média, bastava ao catequista explicar o significado das inúmeras estátuas e cenas entalhadas na pedra, para dar aulas perfeitas sobre as verdades fundamentais da fé, as virtudes e os vícios opostos, a História Sagrada, a ordem do Universo, a hierarquia das ciências, etc.

A arte católica não pode nascer apenas de uma racionalização ou de uma artificial adaptação do que é moderno ao uso sacro simplesmente por ser moderno. Ela deve nascer do íntimo do artista católico, que conhece, ama e vive a Fé, e por isso sabe identificar o que é compatível ou não com a mesma.

A tradicional arquitetura sacra surgiu do encontro da Fé com as basílicas romanas, que tinham um ambiente de sacralidade e reverência (por serem palácios imperiais e o imperador ser considerado "divino"), e puderam ser aproveitadas, depois de devidamente "evangelizadas".

Ao longo dos séculos, os templos foram sendo construídos a partir dessa Fé cristã que havia impregnado os modos de pensar, de sentir, de agir, configurando a arte e a cultura ocidental em geral, de modo que a história da grande arte ocidental quase confunde-se com a história da arte sacra, até o Século XVIII (e mesmo o Renascimento, ao voltar aos padrões clássicos pré-cristãos, aplica-os ao conteúdo da Fé).

Com a artificial ruptura entre a Fé e a vida civil, depois da Revolução Francesa, simultaneamente ao caráter dessacralizado do protestantismo que cada vez ganhou mais espaço no catolicismo, gerando as concepções modernistas, a distinção entre o sacro e o profano - que estavam harmonizados e hierarquizados no catolicismo - foi desaparecendo e o que é profano, utilitário, foi adquirindo cidadania numa arte que em muitos casos já não se pode chamar de sacra.

Não é impossível fazer Igrejas em estilo contemporâneo utilizando a arquitetura atual e ao mesmo tempo manter a reverência dos templos antigos. Tudo é uma questão de querer expressar a Fé ao se desenhar essas Igrejas, sem ideologismos.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Arcebispo pede respeito para bons sacerdotes e reprova aos meios que exageram

Saudações queridos leitores!

Essa notícia vai para a turma do Mobral Teológico. Da ACI.

Dom López: Laicos ressentidos, ex-sacerdotes ou seminaristas expulsos não estão autorizados para falar de fidelidade

.- Ante a cobertura mediática "superdimensionada" dos casos de abuso sexual protagonizados por membros do clero, o Arcebispo de Bucaramanga, Dom Víctor Manuel López Forero, recordou que estes episódios "aberrantes som a exceção" e lamentou que muitos meios difamem à Igreja com o apoio das pessoas "menos indicadas".

Em uma reflexão publicada pelo jornal El Frente, Dom López explicou que "merecem recriminação os meios de comunicação, que nesta matéria e para sentar doutrina, vão a pessoas pouco solventes moralmente e, menos, autorizadas para opinar sobre o tema", acrescentou.

Para o Arcebispo, "um laico ateu ou ressentido, um clérigo movido por sentimentos de ódio e de vingança, ou um sacerdote que renuncia a seu ministério por faltas graves no campo do celibato e a castidade, ou um seminarista que por parecidas razões é excluído do Seminário são as pessoas menos indicadas e autorizadas para falar sobre a fidelidade sacerdotal. Tão pouco se pode ter como doutrina reta a novelesca opinião de um escrito ou imagem televisiva que procura celebridade e �se faz propaganda� denegrindo de outros, especialmente do clero e da Igreja".

"É injusto e desconsiderado, portanto, generalizar, como o vieram fazendo alguns meios de comunicação falados e escritos, superdimensionando os fatos e aproveitando-os para continuar seu malévolo e áspero propósito de difamar à Igreja, fazendo ornamento de seu ateísmo e de seu inconfundível radicalismo com traços de maçonaria, distorcendo a verdade, e confundindo à Igreja com uma ONG ou com uma associação qualquer", indicou.

Do mesmo modo, afirmou que "o sacerdote não é um ermitão, mas sim um homem que indevidamente vive dentro de um mundo cada dia mais erotizado, onde as noções e valores do sexo deram um tombo total, cujos efeitos quase que agora não começam a perceber-se. Não é que o sacerdote, por essa razão, esteja pedindo tolerância para suas faltas. Mas sim espera algo mais de lógica e de sentido humano ao julgar os fatos e ao sugerir as penas, especialmente por parte de alguns legisladores e comunicadores, que generalizam e exigem alguns castigos violatórios da dignidade de toda pessoa humana -assim sejam criminais- e de seus fundamentais direitos: por exemplo, castrações e publicações ignominiosas".

Neste sentido, esclareceu que "para os que pertencemos à Igreja, uma falta como as quais comentamos constitui uma verdadeira pena de família. Desgraçadamente, entre os comunicadores abundam os que parecem deleitar-se com a dor alheia e em rasgar a ferida ainda lhe sangrem, nem sempre procurando o �esplendor da verdade�. Agora bem, aos que simplesmente têm à Igreja como objeto de sua antipatia, e às vezes de seu ódio, só lhes dizemos que de parte nossa não encontrarão correspondência a esses sentimentos: porque somos cristãos e os cristãos perdoam e não devolvemos mal por mal".

O Arcebispo esclareceu que os bispos não começarão a "organizar sistemas de espionagem contra os sacerdotes, que em sua imensa maioria são homens amadurecidos e virtuosos, que no desempenho de sua missão contam com a confiança dos superiores e com a aceitação do povo cristão".

Recordou que além das sanções civis, há diretivas eclesiásticas "provocadas pelo repúdio a esses fatos vergonhosos" que contemplam "penas tão graves como a expulsão do sacerdócio e a redução ao estado laico", proporcionadas à gravidade dos delitos, mas que "não podem ser aplicadas com desconhecimento do direito natural e canônico, que estabelece procedimentos apropriados para esses casos".

"Não poucas vezes os meios de comunicação social, ao ventilar um problema de um sacerdote ou de um religioso, neste plano, generalizam e a mancha de um a estendem a todos. Este proceder, a mais de equívoco e de causar bastante dano, é carente de ética e injusto com a imensa maioria de sacerdotes e religiosos que lutam por ser fiéis a seus compromissos e dão exemplo de vida honesta e virtuosa", assinala.

O Arcebispo recordou que "frente a um sacerdote que falha são muitíssimos mais os que se levantam a cada manhã com a intenção de oferecer a vida inteira no serviço à Igreja como testemunhas de Jesus".

"Deve ficar claro aos fiéis católicos e a toda a comunidade que os bispos, sacerdotes e religiosos nos sentimos profundamente doídos e seriamente preocupados com o escândalo dado por alguns clérigos, que, embora escassos em número, produziram um grave e irreparável dano com seus pecados e delitos sexuais. Estamos convencidos de que a esta dolorosa realidade a única resposta é a Santidade de vida", concluiu.

A íntegra da entrevista em espanhol pode ser acessada aqui.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

domingo, 14 de outubro de 2007

Vaticano suspende funcionário após aparecer em reportagem sobre clero homossexual

Notícia de ACI. Volto embaixo.

.- O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé confirmou neste sábado a suspensão em suas funções de um sacerdote funcionário do Vaticano, que apareceu confessando que sustenta práticas homossexuais em um programa de televisão italiano.

O Pe. Tommaso Stenico, funcionário da Congregação para o Clero, apareceu em um documentário realizado com uma câmara oculta emitido no dia 1º de outubro no programa "Exit", da estação televisiva privada italiana "la 7".

Os produtores ficaram em contato com um jovem homossexual que realiza "entrevistas às cegas" via Internet e o convenceram para levar um microfone e uma câmara oculta, e para que se reunisse com três homossexuais que diziam ser sacerdotes.

Os três supostos sacerdotes apareceram no programa com o rosto e a voz distorcidos, mas um deles se reuniu com o jovem recrutado por "Exit" na Praça São Pedro e o levou a um escritório no Vaticano.

Em pouco tempo, face à distorção de rostos e vozes, o escritório que pôde ser visto no programa foi identificado como o do Pe. Tommaso Stenico, funcionário da Congregação para o Clero.

No sábado, o Pe. Federico Lombardi confirmou a notícia da suspensão em seus trabalhos e do início de uma investigação, e explicou que "os superiores estão tratando a situação com a devida discrição, embora esta pessoa tenha se equivocado".

O Pe. Lombardi acrescentou que "as autoridades vaticanas têm que intervir com decisão e severidade ante um comportamento não compatível com o serviço sacerdotal e a missão da Santa Sé".

Depois da suspensão trabalhista, um tribunal estudará o caso e provavelmente decidirá sua demissão da Cúria Vaticana, e posteriormente sua suspensão do estado clerical.

Por sua vez, a Liga Católica anti difamação da Itália disse em um comunicado que alguns de seus membros tinham apontado o programa como um possível ataque à Igreja; mas disse destacou que o programa não teve "uma aproximação tendenciosa", especialmente porque o painel de quatro pessoas que seguiu a sua emissão incluiu o Professor Tonino Cantelmi, Diácono permanente da Diocese de Roma e Presidente da Associação italiana de Psicólogos e Psiquiatras católicos, e Luigi Amicone, diretor do semanário católico "Tempi", vinculado ao movimento Comunhão e Liberação.

"Embora seja de lamentar a complacência no modo de enfrentar o tema, a condução do programa não foi particularmente tendenciosa, salvo algumas imprecisões sobre o celibato sacerdotal e o tema da pedofilia".

A Liga assinalou no mesmo comunicado que agora "confia na decisão da Autoridade eclesiástica de iniciar um processo canônico no caso dos sacerdotes (que apareceram no programa) e especialmente do membro da congregação vaticano".

O sacerdote em questão estava em desobediência. Podia achar que enganava a todos os superiores e ao Santo Padre, mas a Deus não engana. A condição de homossexual praticante é totalmente incompatível com o estado clerical e também é incompatível com a vivência da doutrina cristã.

Quem quer ter esse estilo de vida, que tenha, afinal, faz parte da liberdade de cada um. Que depois cada um se acerte com Deus. O que não pode ser admitido é que alguém o faça sendo representande da Igreja, pois faz uma associação inexistente entre a prática homossexual e a vivência religiosa, passando a falsa idéia de que ambas são conciliáveis. Os ataques das associações GLS vêm por aí.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.