quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Deus e a matança dos inocentes

Saudações queridos leitores!

Artigo da Agência Boa Imprensa (ABIM) sobre a catástrofe do aborto que tenta se instalar no Brasil. Leiam e reflitam. Volto depois.

Deus e a matança dos inocentes


Pe. David Francisquini (*)

Com zelo de pastor, venho acompanhando os debates de vários projetos de deputados e senadores visando a introdução de leis atentatórias à moral católica em nosso Pais. Agora mesmo, o Projeto de Lei 1135/91, de descriminalização do aborto, de autoria da deputada Sandra Starling (PT/SP),está para ser posto em votação.

Sob o pretexto de livrar do vexame a mulher vítima de estupro, ou de afirmar que evitar mortes por abortos clandestinos é questão de saúde pública, o Poder Executivo, através do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, alia-se ao Legislativo nessa manobra viperina. Ao fugir do debate moral e religioso, querem eles encurtar o caminho e instituir draconianamente a pena de morte contra crianças indefesas ainda no ventre materno.

Se a tais projetos somarmos a pseudo-liberdade sexual (leia-se amor livre) promovida por muitos órgãos da mídia falada, escrita e televisiva, além de uma pressão insolente e agressiva de lobbies internacionais pró-aborto, não fica difícil perceber a existência de uma verdadeira trama maquiavélica com o objetivo definido de erradicar o que ainda existe de cristão na Terra de Santa Cruz.

Ademais, já existem sintomas claros. Mónica Roa, colombiana, advogada e ativista pró-aborto, expôs uma estratégia utilizada com êxito para introduzir o aborto em seu país: "Constatamos que o debate em torno do tema sempre era de ordem moral e religiosa. Decidimos mudar radicalmente o rumo do debate. Começamos a tratar do aborto sempre como um problema de
saúde pública, de direitos humanos e de eqüidade de gênero."

Relembro aos leitores a doutrina do pecado coletivo de uma nação. Este é tipificado no momento em que se aprova uma lei que fere o Decálogo. E Santo Agostinho ensina que nem no Céu nem no inferno há prêmios e castigos para nações, visto serem elas premiadas ou castigadas neste mundo. O que nos leva a concluir que os protagonistas do aborto estejam a atrair a ira de Deus sobre o Brasil.

Para a moral católica, o aborto "brada aos céus e clama a Deus por vingança", e quem o provoca incorre em excomunhão latae sententiae, isto é, automática, a qual atinge os que o praticam, quer por efeito de estupro, quer por deformidade do feto ou risco de morte da mãe. Sua Santidade Bento XVI afirmou: "A vida é obra de Deus" e "não pode ser negada a ninguém, nem ao pequeno e indefeso feto nem a quem apresenta graves incapacidades".

No México, ainda há pouco, o Cardeal Rivera formulou a "mais firme condenação" do aborto, qualificando-o de "ato abominável" e de "execrável assassinato". Ademais, admoestou os legisladores, que votaram favoravelmente ao aborto, pelo grave pecado cometido, proibindo-lhes a comunhão, pena extensiva aos médicos e enfermeiros que participarem de ato abortivo.

Uma responsabilidade moral difusa, mas não menos grave, pesa sobre todos os que favorecem a difusão da permissividade sexual e o menosprezo pela maternidade. Ela pesa também sobre os que deveriam assegurar políticas familiares e sociais de apoio às famílias, especialmente as mais numerosas, ou aquelas com particular dificuldade financeira para propiciar o desenvolvimento físico e educacional dos filhos.

O aborto e a violência sexual - a qual já é prerrogativa da rua, mas infelizmente se verifica no recinto dos próprios lares, onde crianças são agredidas por pessoas da própria família - são os frutos perniciosos da decadência moral em que está imersa nossa sociedade. Decadência largamente fomentada pela difusão sistemática da imoralidade refletida nas modas, nos programas de TV, na publicidade, nas músicas, etc.

Como guardião da ordem, o Estado tem o dever de zelar pela moralidade pública, não permitindo que em nome de uma falsa liberdade se faça em nosso País uma "revolução cultural", que tripudia e aniquila os princípios perenes consubstanciados no Evangelho; e não - como vem infelizmente acontecendo - se tornar um possante propulsor da mesma revolução pela disseminação da imoralidade, da desordem e do caos.

(*) Sacerdote da igreja Imaculado Coração de Maria -- Cardoso Moreira (RJ)

Publicação quinzenal da Agência Boa Imprensa - ABIM
Propriedade: Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.
Diretor: Paulo Corrêa de Brito Filho
Jornalista Responsável: Nelson Ramos Barretto, DRT/DF Nº 3116
Redatores: Paulo Henrique Chaves e Carlos Sodré Lanna
Administração: Rua Javaés, 707 (Bom Retiro) - 01130-010 - São Paulo - SP - Brasil
Fone: (0xx11)3333-6716 / Fax (0xx11)3331-6851
Correspondência: Caixa Postal nº 1422 - CEP 01009-970 - São Paulo-SP
E-mail: epbp@uol.com.br

Voltei., É bom que entendamos que é impossível ser um verdadeiro Católico e compactuar com essa desgraça que tenta se instalar em nosso país. Todos devemos nos mobilizar em favor da vida.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: