quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Contundente rechaço da sociedade brasileira a proposta feminista para legalizar aborto

Saudações queridos leitores!

Notícia de ACI muito boa para nós e ruim para o Temporão. Volto depois.

Contundente rechaço da sociedade brasileira a proposta feminista para legalizar aborto
.- A sociedade brasileira, representada por seus delegados, rechaçou na 13º Conferência Nacional de Saúde (CNS) uma proposta que com o apoio do Governo procura despenalizar o aborto no país.

A CNS devia votar até ontem domingo 400 propostas para melhorar a saúde pública do país. No tema do aborto, o serviço de notícias Agencia o Brasil informou que 70 por cento dos 2.627 delegados rechaçaram a proposta e esta será excluída do relatório final da Conferência que será entregue aos poderes Executivo, Legislativo e Judicial.

O projeto sobre o aborto foi introduzido como "recomendação" dos grupos feministas e expor apresentar o aborto "como problema de saúde pública e discutir seu despenalização por meio de um projeto de lei".

Os que apoiaram este pedido foram vaiados pelo plenário majoritariamente pró-vida.

Um dos responsáveis pela Pastoral da Infância, Clovis Boufleur, explicou que a votação contra o aborto "reflete o pensamento do povo brasileiro" pois as pesquisa confirmam que os brasileiros não querem despenalizá-lo.

"O aborto não resolve o problema de saúde no Brasil", explicou Boufleur.

Embora as decisões da CNS não têm efeito legal, sim têm um grande peso nas decisões do poder público.

Voltei. Os delegados manifestaram a opinião da maioria absoluta da população brasileira com a rejeição à despenalização do aborto. O Ministro Temporão, como sempre, questionou o resultado, alegando que a votação não representa os reais interesses do povo. Aposto meu dedo mindinho, na certeza de que continuarei com 10 dedos nas mãos, de que se o povo tivesse decidido de acordo com a vontade de Temporão, ele jamais questionaria tal resultado e que ainda o trataria como saber perene do povo.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: