domingo, 11 de novembro de 2007

Sobre Padres Pedófilos

Saudações queridos leitores!

O assunto é muito relevante e sinto que fiquei devendo um pouco sobre ele. Então, reproduzo aqui um artigo do Professor Felipe Aquino, com o qual concordo completamente. Nesses últimos dias ando escrevendo pouco por falta de tempo, mas logo logo os compensarei.

No domingo (4 nov 07) à noite, a Rede Record de televisão colocou no ar uma matéria sobre os padres processados pela prática de pedofilia (sexo com crianças), no Brasil e no exterior. Alguns leitores me pediram que comentasse o assunto; por isso escrevo essa página.


Alertado por uma ouvinte, assisti o Programa da Record; numa primeira análise me pareceu autêntico, isto é, parece que nada foi forjado, e as entrevistas e testemunhos parecem ser verdadeiros, onde foram mostrados padres envolvidos com este tipo de crime.

Foi colocado que o Vaticano não toma providências e que o então Cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, antigo auxiliar de João Paulo II, Prefeito da Sagrada Congregação da Fé, encobria os erros dos padres pedófilos. Sabemos que isto não é verdade e que o Papa João Paulo II tomou medidas enérgicas contra esses sacerdotes culpados. Falando aos Bispos dos EUA em 2002, o Papa não se esquivou do problema; entre outras coisas disse aos Bispos em uma reunião no Vaticano:

“Como vocês, também eu me entristeço profundamente pelo fato de que padres e religiosos, cuja vocação é ajudar as pessoas a viver vidas santas aos olhos de Deus, tenham, eles próprios, causado tanto sofrimento a jovens e tanto escândalo. Devido ao grande mal causado por alguns padres e religiosos, a própria Igreja está sendo vista com desconfiança, e muitos se ofendem com a maneira como se percebe que seus líderes agiram nesta questão. O abuso que provocou esta crise é errado, por qualquer critério usado, e é visto como crime pela sociedade, com razão; além disso, é um pecado hediondo aos olhos de Deus. Às vítimas e às famílias, estejam elas onde estiverem, expresso minha solidariedade e preocupação profundas.”

“É preciso que fique absolutamente claro aos fiéis católicos e à comunidade mais ampla que os bispos e superiores se preocupam, sobretudo, com o bem espiritual das almas. As pessoas devem saber que não existe, no sacerdócio e na vida religiosa, lugar para aqueles que querem prejudicar os jovens.” Ao mesmo tempo o Vaticano tomou medidas para afastar os padres que cometem este pecado. Cabe agora ao Bispo de cada diocese tomar as medidas definidas pela Santa Sé. O papa Bento XVI adotou uma postura ainda mais rígida sobre os casos de abuso sexual do que João Paulo II.

Numa entrevista no Vaticano, em seguida, o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, Wilton Gregory, divulgou um documento com as conclusões da reunião. Em resumo, a cúpula da Igreja americana vai ser muito mais severa na questão. Serão instalados processos especiais para a expulsão de padres cuja culpa em casos de violência sexual contra menores seja “notória”.

O Cardeal-arcebispo de Washington, defendeu a política de tolerância zero e a expulsão sumária dos padres pedófilos. Também é a favor da denúncia dos casos de abuso sexual à polícia e à Justiça. Philip Jenkins, professor de Estudos da Religião da Universidade Estadual da Pensilvânia, afirmou que “Os casos de pedofilia propriamente dita são poucos, mas isso poderia ser uma abertura para falar de outros assuntos complicados para a Igreja, como o homossexualismo, por exemplo” (Veja 02.05.2002 – Pedofilia ).

É claro que esta falta desses sacerdotes é muito grave e não tem justificativa, especialmente em se tratando de homens de Deus que devem levar a salvação às pessoas, e a Igreja precisa coibir cada vez mais, e rapidamente esses erros. E eu entendo que nós leigos devemos atuar com sabedoria, ao lado dos senhores bispos, para resolver esta questão.

O Pregador da Casa Pontifícia, o frei Raniero Cantalamessa, em 15/12/2006, pediu ao Papa Bento XVI que fosse celebrado um dia de penitências pelas vítimas de pedofilia, particularmente pelas crianças que tenham sido abusadas por sacerdotes. Ele disse:”A Igreja tem chorado e lamentado recentemente os abomináveis atos cometidos em seu seio por alguns de seus ministros e pastores. Pagou e instituiu regras rígidas para que os abusos não se repitam”.

O Pregador Pontifício acrescentou que “chegou a hora de chorar diante de Deus” pelas ofensas cometidas “aos menores de seus irmãos”, ainda mais pelo dano e desonra causados às vítimas pelos escândalos de pedofilia. O frei Cantalamessa, pediu a penitência “para que, de todo este mal, possa surgir o bem e se realize uma obra de reconciliação do povo de Deus com seus próprios sacerdotes”.

O frei Cantalamessa também lembrou que o Papa condenou duramente a pedofilia durante a audiência aos bispos irlandeses. (Fonte: gazetaonline.blogo.com)

Por outro lado é preciso lembrar que a pedofilia está longe de ser um problema só de alguns padres da Igreja Católica. Jael Savelli, em artigo no site www.midiasemmascara.org.br , “Pedofilia já! Enquanto ainda ‘estou com tudo em cima’”, em 14 de julho de 2007, revela em detalhes o pensamento do líder do movimento gay no Brasil, Luiz Mott, e suas simpatias pela pedofilia. Mott é decano do Movimento Homossexual no Brasil; fundador do Grupo Gay da Bahia. Este é um exemplo de muitos casos de apoio à liberação da pedofilia, o que jamais a Igreja aceita. (Fonte: gaybrasil.com.br)

A Igreja tem arcado com as conseqüências dos atos pecaminosos de muitos padres. O padre Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, disse que o acordo entre a arquidiocese de Los Angeles e vítimas de abusos sexuais, envolvendo o valor recorde de 600 milhões de dólares, é uma tentativa de “fechar um capítulo doloroso e olhar para frente.” “A Igreja está acima de tudo claramente machucada pelo sofrimento das vítimas e de suas famílias, pelas profundas feridas causadas pelo grave e indesculpável comportamento de alguns de seus membros”. Padre Lombardi revelou que o acordo em Los Angeles envolveu 508 supostas vítimas, em casos que remontam à década de 1940. Em 2003, a arquidiocese de Boston havia feito um acordo para indenizar 550 pessoas com 85 milhões de dólares.

Em sua entrevista à Rádio do Vaticano, Lombardi falou dos “sacrifícios” que o acordo imporá à arquidiocese de Los Angeles, que terá de vender seu patrimônio imobiliário, inclusive a sede do arcebispado, e recorrer a seguradoras e a várias ordens católicas. Embora todos os casos de pedofilia sejam graves, não se pode generalizar o problema e dar a entender ao povo que é uma epidemia no clero da Igreja. Segundo o jornal ”La Stampa”, dos 150 mil sacerdotes e religiosos que serviram à Igreja Católica americana durante os anos 70 e 80, cerca de 500 foram acusados por pedofilia, o que representa 0,3% do clero do país. (Reuters, Por Philip Pullella, 17 Jul 2007) Um estudo do Departamento de Saúde estima que em média 93.000 crianças sofram abuso sexual a cada ano nos Estados Unidos. Destas, metade é atacada pelos próprios pais. Os parentes próximos são responsáveis por outros 18% dos casos. Menos de 30% das pessoas que abusam de crianças travam contato com suas vítimas fora de casa. (idem)

O jornal “Folha de São Paulo”, em 08 fev 07, no artigo “Polícia da Áustria descobre rede global de pedofilia”, afirma que “Autoridades da Áustria anunciaram a descoberta de uma rede global de pornografia infantil envolvendo ao menos 2.361 suspeitos de 77 países, em uma operação precedentes na história criminal austríaca”. De acordo com o ministro do Interior da Áustria, Günther Platter, estão sendo investigados, em seus respectivos países, 600 americanos, 400 alemães, mais de cem franceses.

Enfim, não tem cabimento e justificativa a prática de pedofilia pelo clero da Igreja, e esses homens devem deixar de imediato o exercício do sacerdócio; no entanto, não se pode generalizar o erro de 0,3% do clero, como se fosse algo epidêmico na Igreja. Em contraste a tudo isto, vimos, por exemplo, no dia 28 de outubro 07, a beatificação de 498 mártires espanhóis no Vaticano, sendo que ao todo foram martirizados cerca de 7000 sacerdotes. Sobre isto a imprensa se cala e Rede Record não diz uma só palavra.

Já se tornou rotina alguns órgãos da imprensa colocarem uma enorme lente de aumento sobre os erros dos filhos da Igreja e não dizerem uma só palavra sobre as suas grandes obras em favor da humanidade. Não fosse a Igreja Católica não teríamos a cultura e a civilização ocidental.

Que esses tristes casos de pedofilia sirvam para que a Igreja melhore a formação dos sacerdotes, aprimore os Seminários e aumente a espiritualidade do clero.

O bom católico, de fé madura, não pode ficar desanimado, desconsolado, ou escandalizado com esses erros graves dos filhos da Igreja, mesmo sendo padres. Infelizmente sempre houve muitos erros e pecados por parte dos filhos da Igreja, mas o número de seus santos sempre foi muito maior. Para cada padre acusado de pedofilia, podemos certamente mostrar mil outros que vivem com dignidade o seu ministério sacerdotal e que prestam relevantes serviços à Igreja e à humanidade.

Não podemos ficar olhando para algumas manchas negras na vida da Igreja e esquecer a grande Luz com a qual ela sempre iluminou o mundo. Como disse D. Estevão Bettencourt, “o ouro da Igreja muitas vezes passou por mãos impuras, mas sempre continuou sendo ouro”.

Esses episódios de padres e leigos pedófilos, homossexuais, fornicadores, etc., não podem nos desanimar, ao contrário, deve ser um motivo a mais para trabalharmos para que o Reino de Cristo se instale neste mundo.

Fonte: www.cleofas.com.br

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: