sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Dor do Papa pelo falecimento do sacerdote apóstolo das prostitutas

Saudações queridos leitores!

Nesse dia de finados, rezemos pelo Padre Oreste Benzi, um verdadeiro anjo para os mais humildes. Ele viveu o chamado Evangélico da ajuda ao pobre de maneira plena e deve ser visto como um exemplo para muitos sacerdotes pelo mundo afora que se comportam mais como militantes ideológicos de batina. Fiquem com notícia de ZENIT.

Dor do Papa pelo falecimento do sacerdote apóstolo das prostitutas


O padre Oreste Benzi, 82 anos, com uma vida entregue aos marginalizados

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 2 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI expressou em uma mensagem sua dor pelo falecimento do padre Oreste Benzi, fundador da Comunidade João XXIII, mundialmente conhecido por seu trabalho de ajuda a pessoas a sair das redes de prostituição e da droga.

Segundo informou a secretaria geral da Comunidade, o sacerdote faleceu às duas da manhã desta sexta-feira, aos 82 anos, por causa de um infarto, em sua casa da cidade italiana de Rímini.
Em uma mensagem de pêsames, enviada através do cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, o Papa qualifica ao padre Benzi de «humilde e pobre sacerdote de Cristo».

O bispo de Roma recorda «sua intensa vida pastoral como pároco» em Rímini, e «como incansável apóstolo da caridade a favor dos últimos e dos indefesos, carregando muitos dos graves problemas sociais que afligem ao mundo contemporâneo».

A carta do Papa conclui garantindo suas orações para que o falecimento do sacerdote seja motivo de esperança cristã para «toda sua família espiritual».

Em 1968, Benzi fundou a Comunidade Papa João XXIII, uma associação internacional privada de fieis de Direito pontifício que se dedica de maneira especial à atenção material e espiritual do mundo da marginalização na Itália, Zâmbia, Tanzânia, Quênia, Serra Leoa, Brasil, Chile, Bolívia, México, Venezuela, Bangladesh, China, Índia, Croácia, Kosovo, Albânia, Rússia, Romênia e Austrália.

Pe. Benzi apresentou a João Paulo II, em várias ocasiões, algumas das meninas que sua comunidade havia conseguido livrar da prostituição. Em 15 de maio de 2002 participou em uma audiência oferecida pelo falecido pontífice acompanhado por centenas delas.

A ação da Comunidade João XXIII no vasto mundo da marginalização deu origem a numerosas casas de família, onde pessoas ou casais são por um período de tempo limitado ou de forma definitiva, pais e mães, irmãos e irmãs de pessoas com deficiências, menores em dificuldade e viciados, alcoólatras, pessoas com problemas psíquicos.

Neste contexto, a associação criou comunidades terapêuticas para a recuperação de viciados, casas de oração, centros para meninos da rua, cooperativas sociais que promovem atividades educativas ou outras atividades que integram a pessoas com incapacidades.

Outras das atividades da comunidade são casas para moças libertas da escravidão da prostituição e casas de fraternidade e de primeira acolhida.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: