quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Capitão Nascimento X Dulce Xavier


Saudações queridos leitores!

Nos últimos tempos o Capitão Nascimento tem perturbado os sonhos da esquerdalha politicamente correta, cheia de consciência social e freqüentadora de ONGs. Vemos muitas pessoas protestando contra os métodos usados pelo Capitão Nascimento no filme Tropa de Elite. Eles dizem que o filme faz apologia à tortura e que glamouriza o comportamento violento de alguns policiais, como se o fato da polícia prender bandidos justificasse tal comportamento.

Isso é pura balela. É papo de gente que acha que bandido só é bandido porque o sistema o obriga a isso, como se o bandido não tivesse escolha e fosse meio que "forçado" a ser assim. Em resumo, essa gente tenta culpar a sociedade por "criar" os bandidos, cerceando oportunidades para as pessoas. Se fosse verdade, todo pobre seria bandido, mas o que vemos é exatamente o contrário: muitos pobres são gente honesta, de caráter e que dão um banho de dignidade em muito rico que há por aí. Ser bom ou mal é uma escolha que envolve muito de uma coisa chamada caráter. Mas as esquerdas não vão tocar nisso jamais, pois desmorona sua teoria como a um castelo de cartas.

Mas essa postagem não é pra falar disso. Escrevo hoje para tentar entender um paradoxo: os esquerdistas criticam tanto o Capitão Nascimento pela sua agressividade na luta contra os bandidos mas aplaudem o pensamento e a militância da senhora Dulce Xavier, militante abortista, participante do grupo maligno conhecido como Católicas pelo Direito de Decidir. Dulce Xavier é porta-voz dessa ONG. Ela defende que bebês, ainda no ventre de suas mães, tenham o direito à vida cassado, sem jamais terem cometido qualquer crime ou feito qualquer coisa que mereça pena de morte. Ela defende que o aborto seja livre e irrestrito, que qualquer pessoa tenha o direito de matar, seja por perigo na gestação, seja por mero capricho.

A grande contradição que vejo é o fato das esquerdas demonizarem o Capitão Nascimento por lutar contra o crime e contra os criminosos, mesmo que usando métodos considerados violentos enquanto ao mesmo tempo essas mesmas pessoas incensam essa tal Dulce Xavier, que defende o assassinato sumário, sem direito de defesa de pobres crianças que ainda nem nasceram, mas já são consideradas réus de morte.

A pena de morte não é legalizada no Brasil, mas se fosse, poderia fazer um paralelo interessante entre o assassinato dos nascituros e o filme Minority Report, em que as pessoas são punidas pelo departamento de Pré-Crime antes mesmo de cometer os crimes. O departamento responsável pelo aborto provavelmente diria que trabalha no mesmo sistema do departamento de Pré-Crime.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cara, vc é um tipico latino, machista. Cada vez mais os homens me causa mais repulsa. Sabe sou casada, tenho dois filhos, ja adultos. Amo meu marido, nos damos muito bem.
Porém, por diversas vezes já passei por situações constrangedoras com homens machistas como vc.
Suas palavras grosseiras nem deveriam estar na net.
Seria muito interessante que essas mulheres que optam pelo aborto, se tivessem seus rebentos entregassem todos em sua casa pra vc criar. Como mãe, não como homem. Vc veria que aborto é questão amor. Vc precisa estar preparado pra aceitar um filho. Porque o aborto quem pratica é a mulher, mas ela não gera um filho sozinha.