terça-feira, 9 de outubro de 2007

Em defesa de Dom José Cardoso Sobrinho

Saudações queridos leitores!

Trago um texto de dois amigos, Jorge Ferraz e Claudemir Junior sobre as muitas informações falsas que vêm saindo sobre o Bispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho.

A recente decisão da Congregação para a Doutrina da Fé de punir o Cônego Edwaldo Gomes, pároco de Casa Forte, por ter o mesmo permitido que um bispo anglicano concelebrasse na sua missa de comemoração de cinqüenta anos de sacerdócio, realizada em dezembro passado, teve uma enorme repercussão na imprensa local.


Na totalidade dos casos, tem-se enfatizado apenas um dos lados da questão: o lado de pessoas que, com boas intenções ou não, têm assumido a defesa do Cônego Edwaldo de uma maneira apaixonada e irracional, e que terminam, por isso, lançando suspeitas ou até mesmos ataques diretos à pessoa do Arcebispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho.


Este artigo vem oferecer um contraponto à situação atual e pretende mostrar que, sob o ponto de vista católico, a atitude do Arcebispo é digna de louvor e que, ao contrário, são passíveis de censura e repreensão as manifestações irresponsáveis de apoio ao padre Edwaldo que vêm sendo veiculadas na imprensa e em outros meios de comunicação.


A atual campanha de mobilização em favor do pároco de Casa Forte tem provocado confusão entre os fiéis católicos da Arquidiocese. Possuindo um conteúdo difamatório que vai desde insinuações levianas até acusações diretas, tal campanha tenciona dividir o povo católico e coloca-lo contra o Arcebispo. Considerando a posição eminente que ocupa a figura do Bispo Católico dentro da Igreja Católica e a necessidade – universalmente afirmada pelo catolicismo – de se manter em união com ele para que se esteja em comunhão perfeita com a própria Igreja, é urgente que sejam escritas algumas linhas, imbuídas de verdadeiro espírito católico, sobre a atual situação que atravessa a nossa Arquidiocese.


Em primeiro lugar, é necessário ter bem claro que, na Igreja, existem normas que devem ser seguidas, de maneira especial pelos bispos. Há uma Instrução “Sobre algumas coisas que se devem observar e evitar acerca da Santíssima Eucaristia”, chamada “Redemptionis Sacramentum”, e que é normativa para a Igreja. Nesta instrução, lê-se:

“Os graviora delicta (atos graves) contra a santidade do sacratíssimo Sacramento e Sacrifício da Eucaristia e os sacramentos, são tratados de acordo com as «Normas sobre os graviora delicta, reservados à Congregação para a Doutrina da Fé», isto é:

[...]

c) concelebração proibida do Sacrifício eucarístico juntamente com ministros de Comunidades eclesiais que não tenham sucessão apostólica, nem reconhecida dignidade sacramental da ordenação sacerdotal;” (RS 172)

“Os delitos contra a fé e também os graviora delicta (atos graves) cometidos na celebração da Eucaristia e nos outros sacramentos, sejam comunicados sem demora à Congregação para a Doutrina da Fé, a qual «examinará e, em caso necessário, procederá a declarar ou impor sanções canônicas do direito, tanto comum como próprio».” (RS 179)


Que o Cônego Edwaldo Gomes concelebrou a sua missa de comemoração pelo jubileu de ouro sacerdotal com um bispo anglicano é fato público, tendo sido inclusive admitido pelo próprio padre. Portanto, houve um ato grave, caracterizado como tal por uma Instrução que é – repetimos – normativa para a Igreja. Ainda segundo esta mesma instrução, tais atos devem ser “comunicados sem demora à Congregação para a Doutrina da Fé” pelos bispos. E foi exatamente isso que, à risca, fez o senhor Arcebispo.


Por acaso pode um bispo ser criticado por fazer, exatamente, aquilo que ele é instruído a fazer pela Igreja à qual pertence e à qual prometeu servir? Como dissemos anteriormente, as manifestações com as quais os nossos meios de comunicação estão sendo bombardeados possuem um caráter exageradamente passional, que as impede de serem racionais.


Isto é o cerne de toda a questão. Houve perseguição, intolerância, implicância, atitude anticristã ou algum outro substantivo semelhante por parte de Dom José Cardoso Sobrinho? Como vimos, a resposta é: absolutamente não. Dom José fez somente o que tinha obrigação de fazer, no desempenho das suas atribuições enquanto Arcebispo Arquidiocesano.


Isso posto, analisemos as demais acusações. Diz-se que o assunto poderia ter sido resolvido internamente, sem a necessidade de se acionar os órgãos do Vaticano, não fosse a falta de diplomacia do Arcebispo. Já vimos que tal assertiva não é válida, posto que a Redemptionis Sacramentum pede para que os atos graves ocorridos nas dioceses sejam reportados ao Vaticano; e não há falta de diplomacia em obedecer a uma norma da Igreja.


Diz-se ainda que, à referida missa na qual houve a concelebração, estavam presentes outros padres, bispos e vigários-gerais, de modo o fato de Dom José ter denunciado apenas o padre Edwaldo caracterizava perseguição. Contra a isso, é preciso objetar duas coisas. Primeiro: ninguém conhece o teor do comunicado que foi feito ao Vaticano e, por isso, ninguém pode dizer que estavam faltando ou sobrando acusados. Segundo: é evidente que a responsabilidade de um padre que organiza uma celebração é maior do que a responsabilidade de um padre (ou bispo ou vigário-geral) que é apenas convidado – este último, aliás, não teria como saber, a princípio, que haveria uma transgressão às normas da Igreja na missa para a qual ele foi convidado, e talvez não tivesse como saber nem mesmo no dia da celebração, posto ser bastante provável que nem todos os sacerdotes concelebrantes se conhecessem mutuamente e um ministro anglicano veste-se como um sacerdote católico, sendo, portanto, bastante difícil identifica-lo apenas exteriormente. Em suma: até mesmo o bom senso nos diz que não pode haver igualdade de punições para responsabilidades distintas e, destarte, as queixas dos detratores do Arcebispo são, mais uma vez, destituídas de fundamento.


Invoca-se, várias vezes, a “unidade ecumênica” como justificativa para a atitude do padre Edwaldo. Ora, é preciso notar que há diretrizes claras da Igreja sobre este assunto e, nelas, não consta a “concelebração” como um meio válido para se fazer ecumenismo – ao contrário, como vimos, a mesma é expressamente proibida. Citemos, como exemplo, os funerais do Papa João Paulo II, que foram amplamente televisionados - havia diversos representantes de diversas religiões, mas com nenhum deles nenhum cardeal "concelebrou" missa alguma. Isto é o verdadeiro ecumenismo. Se, no caso em questão, o cônego Edwaldo tivesse convidado amigos seus, não-católicos, para assistirem à sua missa, não haveria problema algum. O problema foi ter havido uma concelebração, o que é - como vimos - proibido pela Igreja.

Registre-se, outrossim, uma coisa a mais: é curioso que as mesmas pessoas a defenderem a “unidade” estejam promovendo uma tal desunião dentro da própria Igreja à qual pertencem! Quando os atos contradizem as palavras, que valor pode-se atribuir a elas? Se há um verdadeiro apreço pela unidade (e não uma atitude passional em defesa de algo que se considera injusto sem nem mesmo o ter analisado de maneira objetiva), por que ele não impede as manifestações desagregadoras de serem publicadas às pencas nos meios de comunicação sociais da nossa Arquidiocese?


Analisando assim os atuais acontecimentos, à luz da doutrina católica e da boa razão, chegamos inevitavelmente à conclusão de que a atitude do senhor Arcebispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, foi uma atitude exemplar de zelo e amor à Igreja Católica, pela qual os verdadeiros fiéis devem lhe ser gratos. Os bispos são sucessores dos Apóstolos e, em suas dioceses, detêm autoridade que deve ser reconhecida pelos católicos que estão sob a sua jurisdição. Atitudes irresponsáveis como as que nós vimos nos últimos dias causam um grande mal à Igreja e, portanto, devem ser vigorosamente rechaçadas por todos os católicos que quiserem continuar sendo dignos deste nome.


Subscrevemos este artigo, em nome de muitos outros fiéis da Arquidiocese que, conosco, compartilham os mesmos sentimentos de indignação contra a campanha difamatória, bem como de apoio às atitudes de Dom José, injustamente perseguido por algumas pessoas que, conscientemente ou não, militam contra a Igreja Católica e procuram despoja-la dos sentimentos de respeito e veneração que todos nós, fiéis católicos devemos ter para com o nosso Bispo, sucessor dos Apóstolos, e a quem devemos estar unidos, “a fim de estarmos submetidos a Deus” (Santo Inácio de Antioquia, século II da Era Cristã).

Jorge Ferraz, católico, paroquiano da Torre – jorgeferraz@gmail.com

Claudemir Júnior, católico, paroquiano da Imbiribeira – jcpacheco.junior@gmail.com

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Um comentário:

Wagner Moura disse...

Soube disso também. Os homens santos precisam passar por essas coisas... Admirável o Dom José. Tem bons amigos.