terça-feira, 23 de outubro de 2007

Espanha tenta dar mais um passo na expulsão de Deus

Saudações queridos leitores!

Os socialistas da Espanha, em sua campanha de laicismo radical tentam dar mais um passo para a expulsão de Deus do território espanhol. Fiquem com a notícia da ACI, volto em seguida:

O PSOE estuda romper Concordata e reformar a Lei de Liberdade Religiosa na Espanha

MADRI, 22 Out. 07 / 12:00 am (ACI). - Um dos grupos de trabalho que elaboram propostas para a discussão do programa do PSOE de cara às próximas eleições gerais na Espanha avalia a inclusão da revisão do acordo Igreja-Estado, de 1979, e a reforma da Lei de Liberdade Religiosa de 1980, advertiu a imprensa espanhola.

Segundo a edição desta segunda-feira do jornal El Mundo, a equipe sobre Direitos e Liberdades liderados pelo ex-ministro socialista, Juan Fernando López Aguilar, atrapalha a possibilidade de incluir no Programa Eleitoral do PSOE o oferecimento de revisar o primeiro e, também, reformar a segunda para "dar maiores garantias às novas religiões que começam a implantar-se na Espanha".

"A estes trabalhos se está incorporando o grupo de cristãos do PSOE, que estão tendo uma participação muito ativa nas propostas", informa o jornal.

Por sua parte, o jornal 'La Razón' assinala que para o grupo socialista o ritual litúrgico nos funerais de Estado para as vítimas do terrorismo é "inconcebível no século XXI" e "propõe por outro lado eliminar a assistência religiosa nas Forças Armadas, aos capelães com patente de general ou as missas de campanha".

"O grupo que elabora o programa eleitoral expõe que a Igreja não participe de atos protocolares do Estado", assegura o jornal.

Voltei. O ódio cega. Os socialistas espanhóis têm tanto ódio da Igreja que nem sequer enxergam mais que devem muito do que são hoje aos valores cristãos, propagados e defendidos pela Santa Igreja que agora querem expulsar gradativamente do país.

Vocês podem acompanhar em meu blog, várias notícias acerca das constantes iniciativas socialistas contra não apenas a Igreja, mas contra toda e qualquer manifestação religiosa. O caso dos ritos fúnebres mencionado na reportagem do La Razón é especialmente preocupante, pois trata um funeral como algo inconcebível. Os socialistas querem monopolizar as opiniões e agora querem monopolizar até mesmo os funerais. O Partido Socialista pode ser anti-religioso, mas muitos dos espanhóis assassinados e seus familiares não o são! O Estado não tem o direito de se meter em como as famílias velam seus mortos!

Também querem impedir a Capelania Militar. Esses vermes desejam tão ardentemente acabar com a Igreja que querem proibir até mesmo os soldados de receber assistência religiosa, lembrando que tal assistência não é imposta a ninguém, cada soldado a tem apenas se quiser. O Estado acha que os militares não têm direito de exercer sua religião enquanto fardados, mas têm o dever de não ter religião. Por mais que o Estado seja laico, as pessoas nem sempre o são.

O que os socialistas espanhóis estão fazendo é misturar as pessoas e o Estado, violentando a individualidade, desconsiderando o indivíduo, tratando todas as pessoas como células pertencentes a um organismo gigante, o Estado, que, sentindo-se o cérebro de todos, quer impor sua vontade.

Mentira! Grossa e porca mentira! Isso é coisa de regimes totalitários, como Cuba e China, ditaduras sanguinárias que são aduladas pelos governantes, inclusive os nossos! Se o bravo povo espanhol não se levantar a tempo, chegará um momento em que o domínio diabólico do socialismo estará tão entranhado que a única coisa a se fazer será lamentar o fim dos dias de liberdade.

Fiquem com Deus e divirtam-se,
Fernando.

Nenhum comentário: